Bretas: Não existe isso de dar conselhos a procuradores

Apesar da fala, Bretas diz que o caso de Moro precisa ter a legitimidade das mensagens vazadas ao Intercept reconhecida por uma perícia

Foto: Agência Brasil

Jornal GGN – O juiz da Lava Jato no Rio de Janeiro, Marcelo Bretas, disse em entrevista à BBC Brasil, nesta segunda (8), que mantém “diálogos” com advogados e procuradores da operação, mas nega taxativamente que tenha dado dicas a qualquer uma das partes, como fez Sergio Moro com o Ministério Público Federal em Curitiba.

“Diálogo, sim. Não só com procuradores, com advogados inclusive. (…) Obviamente que eu não vou dar nenhum tipo de aconselhamento. É uma conversa entre o juiz e o representante de uma parte. Da mesma forma, também converso com procuradores. E até com mais frequência, porque um grupo de procuradores cuida de muitos processos. (…) Não, ninguém dá dicas. Ninguém dá dicas”, comentou.

Caro leitor do GGN, estamos em campanha solidária para financiar um documentário sobre as consequências da capitalização da Previdência na vida do povo, tomando o Chile como exemplo. Com apenas R$ 10, você ajuda a tirar esse projeto de jornalismo independente do papel. Participe: www.catarse.me/oexemplodochile

Bretas ainda disse que rotineiramente é questionado por advogados e procuradores, que tentam antecipar suas decisões. Mas ele nega que ceda a esse tipo de pressão. “Não tem nenhum tipo de aconselhamento, de direcionamento. Isso não existe.”

Apesar da resposta, Bretas diz que o caso de Moro precisa ter a legitimidade das mensagens vazadas ao Intercept reconhecida por uma perícia. “Me parece que as questões da ilegalidade e da veracidade ainda não estão superadas. Só aí vamos à questão do que está propriamente dito, do que aquilo significa.”

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora