Candidato de Evo Morales vê “golpe econômico” na Bolívia

O progressista Luis Arce tira proveito de suas realizações como Ministro da Economia durante quase os quatorze anos em que Morales esteve no poder

Do La Vanguardia

Luis Arce, candidato apoiado pelo ex-presidente da Bolívia Evo Morales para recuperar o poder nas eleições de 3 de maio, está empenhado em focar a campanha na economia, tirando vantagem de sua imagem como arquiteto do chamado “milagre boliviano”.

Em suas primeiras declarações após ser nomeado candidato do Movimento ao Socialismo (MAS), Arce acrescentou o adjetivo “econômico” ao “golpe de estado” que Morales denuncia repetidamente após sua abrupta renúncia em 10 de novembro.

“As pessoas tomam seu dinheiro dos bancos, transformam-nos em dólares; há incerteza”, disse Arce em uma entrevista coletiva no mesmo hotel em Buenos Aires, onde cerca de cinquenta delegados do MAS e outros sindicatos e organizações indígenas o elegeram como candidato. “A estabilidade na Bolívia está em risco”, disse ele. “O governo da senhora Jeanine Áñez não está administrando adequadamente a economia”, acrescentou, denunciando que o executivo interino de direita está nomeando “família” e pessoas próximas a “grupos oligárquicos” na direção de empresas públicas com o objetivo de “destruí-los” e “privatizá-los”.

Além de insistir no “golpe econômico”, Arce argumenta que “o atual governo de fato” de Áñez pretende “retornar ao modelo neoliberal”.

O candidato progressista tira proveito de suas realizações como Ministro da Economia durante quase os quatorze anos em que Morales esteve no poder (2006-2019) e promete continuar com o “processo de mudança que levou os bolivianos a se tornarem o país com o menor desemprego da região, o que nos permitiu ter a maior taxa de crescimento da economia da América do Sul em seis anos” ou aquele que “diminuiu o fosso entre ricos e pobres mais rapidamente ”.

Atualmente, Arce reside no México como candidato a asilo político e reconhece que terá dificuldades em realizar a campanha na Bolívia, embora assegure que nenhuma queixa pesa sobre ele. “É claro que a campanha deve ser realizada na Bolívia”, afirmou, confirmando que pretende voltar ao país antes das eleições, mas sem adiantar nenhuma data.

Com 56 anos e nascido em La Paz, Arce é considerado responsável pelo milagre econômico boliviano, após o grande crescimento experimentado pelo governo de Morales, o primeiro presidente indígena do país. Nesse período, a Bolívia multiplicou seu PIB em quatro vezes, o crescimento da inflação foi interrompido, as reservas foram ampliadas e a pobreza ou indigência extrema aumentou de 38% para 15%, segundo dados de organizações internacionais.

Professor de Economia, Arce serviu toda a sua carreira no Banco Central da Bolívia, até que, quando Morales chegou ao poder em 2006, foi nomeado Ministro das Finanças, acrescentando mais tarde as responsabilidades de Economia e Finanças. Ele deixou o cargo em 2017, mas em 2019 foi novamente nomeado chefe de Economia até Morales renunciar.

O sindicalista indígena David Choquehuanca, ex-ministro das Relações Exteriores da maior parte do mandato de Morales, acompanhará Arce na fórmula eleitoral do MAS como candidato a vice-presidente. 58, Choquehuanca é, como Arce, outra das pessoas mais confiáveis ​​de Morales. De fato, no sábado, seu nome foi dado como certo para a candidatura a presidente, embora ele finalmente participe da vice-presidência.

O ingresso eleitoral foi anunciado no domingo em Buenos Aires por Morales, que justificou a escolha de Arce e Choquehuanca como a “combinação de conhecimento científico e conhecimento milenar antigo, a unidade do campo e da cidade, do corpo e da alma”.

A candidatura presidencial será lançada em um comício em um estádio em Buenos Aires, onde Arce e Morales estão programados para intervir. O ex-presidente vive desde 12 de dezembro na Argentina como refugiado político, hospedado pelo novo governo de Alberto Fernández, depois de se exilar pela primeira vez no México.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora