Catarina e Jarirí – uma paixão sobre-humana

Indaí, Néja falô pá mestre Bódim:

– Ieu quéro sê a próchima a ir me encontrá cum as péssoas da mia confiança. Ieu tô muito anciosa pá incontrá cum eiles i agaranto qui éssa péssoas mias amigas vão sê ponta firme. Tem a Minérva, a Rosinha, a Xiquita, a Simone, o Inácio i os meos irmãos. Ieu acho qui as mias amigas vão sê as premera muié a serem cunvidadas i, a partir déilas, uma porção di otras vão se ajuntá a nósis.

– É vérdadi, falô Tuxo. As muié são muitu boas pá sabê convencê as muié i os homi qui éilas cunvidá. Tava fartanu o convite prélas. Uilsso é muito impórtanti.

– Uilsso memo, Tuxo. Ieu vo lá pá trazê éilas pru nuósso lado. A Minérva ié cuzinhera du pai di Catarina, éila vai discubrí tudo u qui se passa na casa deile. Vai sê os nossos zói i zuvido qui vai trazê tudas as informação cajiente pricisa. I pur falá in pricisa, nósis já fizemos u armoço i ucêis qui fizeru éissa jórnada dévi di tá mórrenu di fomi.

Entoncis, Vardí disse pá Néja:

– Ieu já comi a cumida qui Néja faiz. Nunca maisi isquicí du gosto, qui ié uma dilícia, ieu nunca comi cousa iguar. Ieu, pur num inxergá, tenho u paladar muito apurado, entoncis ucêis pódi acriditá nimim. Ié cousa du otro mundo.

I tudos eiles concordaru cum Vardí i ficaru mórreno di vontadi di armuçá.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora