Catarina e Jarirí – uma paixão sobre-humana

Entoncis, adispois de cinco sumanas, tudos eiles já tinham feito contatu cum suas péssoas di cunfiança. Mestre Bódim i tudos eiles istavam muitu contentis purque, inté aqueli mómentu, num havia ninhum sinar di qui us démonhus tinham discubértu os planos deiles. Minérva, a amiga di Néja, cunsiguia acumpanhá tudo u qui tava acuntecénu na casa du pai di Catarina. Ficava, cumu si éila fossi um gravadô, inditraizi das pórta iscuitanu tudo u qui us démonhus falavam i num tinha ninhum sinar di qui us démonhus tinham ficadu sabenu da móvimentação deiles pá limpá a ciudadi i acabá cum sófrimentu du puóvo.

Eiles tinham feitu os cárculo i viram qui os planos tinham viradu uma bóla di neve i maisi di vinte pur cento da ciudadi já istavam cum eiles. Uilsso éira impréssionanti, ninguém tinha traídu eiles, u qui móstrava qui a puóvo num aguentava maisi aquelis démonhus térriveis. Além dilsso, eiles tavam tenu muita sórti, faziam as réunião cum o puóvo embaixo du nariz dus démonhus i num tinham cido vistos pur ninhum assassinu.

Indaí, mestre Bódim tinha si alevantadu as cinco hóra da madrugada i ficô na varandinha pá admirá u nascimento du Sol. Catarina, entoncis, tumém acordou i foi cunversá cum o mestre:

– Ieu tive um sonho, mestre. Ieu sonhei qui ieu tava andanu na ciudadi cum Jarirí i, dérepenti, nósis vimos qui u puóvo todo tava saínu pás ruas pá cómemorá a derróta dus démonhus. U puóvo tava tão féliz qui eiles dançavam, si abraçavam i  dançavam  nu mei das ruas i das praças.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora