Catarina e Jarirí – uma paixão sobre-humana

– Eisse sonho qui ucê teve, Catarina,  pódi si tórná réalidadi. Se u puóvo cumeçá a pércebê qui pódi si libértá déssa vida amarga i desesperada qui eile léva, lógo lógo a vitória chégará. Cuandu istava no guverno, Lula mostrou pu puóvo qui a miśeria qui péga milões di brasilero pódi sê vencida. Pricisô vir arguém du puóvo, um ex-métalúrgico, pá móstra qui us ricus jamaisi farão nada pos póbre. Lula nunca abandonô u puóvo, ao contrário, sempre teve ao ladu deile. U póbrema é qui u puóvo acridita nu jórná nacioná da grobo i nas mentiras qui us ricus ispanham nu mei du deile, mentiras qui eiles inventa principarmienti sobri u Lula. Ás veiz, a jienti fica cum disgosto du puóvo, qui num inxérga u quanto eiles são manipuladus, maisi é priciso tê cunfiança nu puóvo, qui érra sim, maisi tumém acérta, cumu acertô cuando élegeu Lula e Dilma.

– É priciso mantê a ispérança, mestre. Ieu nunca vo perdê a minha. Óia cumu u céu ta crarianu divagarim, u Sól vai intrá in cena.

– Qui béleza, Catarina! U azul tá chéganu. Ucê senti que as arves i as fulô tão ficanu ouriçadas? Tá pércebenu u aroma i a énérgia qui vem déilas acórdanu? 

–  Sim, mestre, ieu to maravilhada. I tem jienti qui num sente nada, principarmiente as péçonha du mundu du dinhero, us ricus. Prélas só ixiste os bens materiais. Uilsso ié uma vida muito besta. Num ié não?

– Ié sim. Jienti qui num vale nada, qui nasceru pá acabá cum as béleza du mundo e pá impor pénuria e sófrimentu pu povo póbri. Um dia, uilsso vai acabá. Agóra ieu vo fazê um café pá nóis cumê cum as broa di milho e os pão qui Néja deixô pronto.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora