Catarina e Jarirí – uma paixão sobre-humana

Entoncis, Jarirí aparéseu na puórta isfréganu oszói casmão. 

– Vixi! Éissa craridade du dia nascénu mii ofuscô a visão, paréci qui ieu to noutro mundo. Qui cousa linda, u Sol crarianu as cousas qui são deile.

– Ié vérdadi, Jarirí. Sem u siô Sol, num ixistiria vida na Térra, tudo seria gelo i solidão, um praneta pérdido na imensidão du Universo. Pur qui será qui ixiste péssoa humana na Térra? Argum mutivo dévi  di tê. Tudo ixiste pur arguma razão. Quar será a razão pá raça humana tá aqui ispaiada sobri u praneta? Di uma cousa ieu tenhu cérteza, éissa raça mardita num tá aqui pá distruí sua morada, pá acabá cum eisse praneta maravilhoso.

– Sim, Catarina. Ucê expôs muitu bem. Cumu diz u mestre, tudo u qui ixeste caminha pra arguma diréção, num ixiste nada qui seja istático, parado. I tudo si móvi confórmi u Universo si móvi. Tudo gira infinitamente, inté os mórtos. Ixiste uma vontadi nu Universo, u póbrema é qui a maldade campeia pelo praneta Térra i éla ié curtivada pelus ricus, nu mei deíles. Maisi, mudanu di assuntu, ieu prigunto pu mestre u qui a jienti vai fazê agóra, já qui 20% du puóvo da ciudadi tá cum a jienti. Cumu fazê réuniã cum cum tantas péssoa? Cuandu ieu tava na úrtima reuniã, um casar di jienti mi priguntô sobri uilsso, mi falaru qui nuósso prano tava créscenu iguar uma bixiga chei di gás, voanu pra cima i cumu é qui nósis vai fazê préla num iscapá i num si disviá.

– Bão, Jarirí. Ié éxatamente uilsso qui tem mi préucupado muitu.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora