Catarina e Jarirí – uma paixão sobre-humana

– I tem maisi uma cousa. Cunfórmi ucêis forem subinu pela pirâmide, apruveita pá réfórçá u pidido pra qui eiles cunsigam trazê maisi jienti pu nuósso lado.

– Ieu ia falá uilsso memo, Jarirí. Cuandu a jienti términá eisse sélviço, vai engrossá em muito u número dos nuósso apoiadores.

– Ié vérdadi, nósis vamu dar uma rastera nus canalhas.

Indaí, eiles viram qui já éira tarde, co Sol já si préparanu pá nascê. Tuxo, entonces, falô qui ia ficá na ciudadi :

– Ucêis pódi ir, queu vo ficá pá passá a mensaji pros meus amigos. Num pricisa ucêis si préucupá não, ieu vo mi esgueirando pelas ruas i anssim qui ieu términá u sélviçu ieu vórto dipréssa.

– É pirigoso, Tuxo. Ié mélhor ucê num ficá não.

– Num tem pirigo ninhum, Vardí. Hoji us assassinus tão ócupadus, eiles vão tê di enterra u morto di onti, eiles num vão rondá a ciudadi não.

– Ieu tumém acho qui ié pirigoso. Argum Judas pódi ti vê pelas ruas i denunciá ucê pros assassinu.

– Não, Jarirí. Ieu faço quéstão, vo corrê u risco.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora