Clínicas privadas brasileiras estão atrás de vacina indiana que ainda não provou eficácia

Embora tenha sido aprovada pelo governo indiano, a Covaxin não teve os resultados da fase 3 de testes clínicos divulgados e submetidos à análise científica independente

Jornal GGN – Representantes de clínicas particulares no Brasil viajam nesta semana para conhecer melhor uma vacina indiana que ainda não teve seus resultados de segurança e eficácia divulgados e submetidos à análise independente. É o que informa a BBC Brasil nesta segunda (4).

Na semana passada, o presidente da Associação Brasileira das Clínicas das Vacinas, Geraldo Barbosa, disse à GloboNews que há intenção de comprar 5 milhões de doses da vacina Covaxin, desenvolvida pelo laboratório Bharat Biotech, na Índia. Um protocolo de intenção de compra foi assinado.

No cenário mais otimista, as clínicas brasileiras receberiam o produto em março. Para isso, Barbosa acredita que os resultados da fase 3 serão divulgados em janeiro e um pedido de registro no Brasil será feito à Anvisa em fevereiro.

A Covaxin foi autorizada para uso na Índia pelo governo local, que não divulgou os dados detalhados da segurança e eficácia da vacina. A Índia também produz e autorizou uso local da vacina de Oxford, desenvolvida pela Astrazeneca.

Os desenvolvedores e reguladores indianos da Covaxin dizem que a vacina é segura e eficaz.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora