11 comentários

  1. Governo perde e reforma trabalhista terá rito normal

    Tijolaço

    Governo perde e reforma trabalhista terá rito normal

     

    Era preciso 257 votos  – e não os 308 da reforma previdenciária, que é constitucional.

    Mas o Governo Temer teve apenas 230 votos e não conseguiu impor um rito atropelado, de urgência numa redução ao mínimo dos direitos trabalhistas estabelecidos na CLT, alguns deles desde os anos 40, com Getúlio Vargas.

    O governo sabia dos riscos e insistiu porque precisa “mostrar serviço”, apresenta aquilo que “vendeu” ao mercado para que este apoiasse golpe: que seria capaz de passar como um rolo compressor sobre os direitos sociais e do trabalho.

    Emitiu, ao contrário, um sinal negativo.

    Ficou mais evidente que não tem, neste momento, condições de impor esta e outras violências.

    http://www.tijolaco.com.br/blog/governo-perde-e-reforma-trabalhista-tera-rito-normal/

  2. “Duro de matar” é Lula. Pesquisa Vox diz que ele vence com folga

    Tijolaço

    “Duro de matar” é Lula. Pesquisa Vox diz que ele vence com folga 1º e 2º turnos

     

    Não vai dar para forçar uma “onda Dória”.

    A pesquisa Vox Populi encomendada pela CUT e realizada entre 6 e 10 de abril, com 2 mil eleitores,  com amostra distrubuída em  118 municípios, mostra que o o ex-presidente Lula segue crescendo nas intenções de voto e amplia seu favoritismo na disputa eleitoral de 2018.

    Dependendo do candidato tucano, Lula fica perto, inclusive, de uma vitória em primeiro turno, com índices de intenção de voto, na pesquisa estimulada, entre 44% e 45% dos votos, na disputa estimulada, com todos os candidatos. Dependendo do número de votos nulos e brancos, isso pode significar decisão na primeira volta eleitoral.

    Com Aécio, que tinha 13% em dezembro e tem 9% em abril, Lula subiu de 37% para 44%, agora. Jair Bolsonaro  subiu de 7% para 11% das intenções de voto. Marina ficou com 10% em ambas as pesquisas e Ciro Gomes com 4%. Todos os adversários somados ficam com  34% dos votos válidos, 12% a menos do que Lula.

    Já com Alckmin, que registrava 10% em dezembro e tem 6% em abril, Lula passa de 38% para 45%.  Bolsonaro subiu de 7% para 12% ficando em segundo, Marina cai de 12% para 11% e Ciro de 5% para 4%. A soma dos adversários é de 33%.

    Pior ainda vão os tucanos com a “novidade” Doria, incluído pela primeira vez na pesquisa.  Lula tem 45% das intenções de voto; Marina e Bolsonaro empatam com 11%; Ciro e Doria também empatam com 5%.  A soma dos adversários é de 32%.

    Ainda que a decisão vá para o segundo turno, Lula vence folgadamente: 50% a 17% com Aécio; 51% a 17% com Alckmin e 53% a 16% com João Dória. Se o confronto fosse com Marina Silva, o prognóstico seria de 49% para Lula e 19% para a candidata da Rede.

    O único “candidato” capaz de enfrentar Lula, vai ficando cada vez mais claro, é Sérgio Moro.

    Está explicado o sumiço das pesquisas eleitorais.

    E o recrudescimento das campanhas judiciais.

    PS. A íntegra da pesquisa está aqui.

    http://www.tijolaco.com.br/blog/duro-de-matar-e-lula-pesquisa-vox-diz-que-el-vence-com-folga-1o/

  3. Teori morreu em condices
    Teori morreu em condices misteriosas logo apos ter avisado que em poucas horas iria tornar publica a delaçao da OdebrechtSe Teori cumpre sua promessa a Globo e cia iriam ficar de brocha na maoEntao Teori vai pro ceu e os vivos mais do que vivos programam uma audiencia com Lula para 3 de maio e usam a delacao da Odebrecht para criar um clima/timing para, se o jornalismo de guerra da Globo houver criado um clima, o rude juiz Sergio Moro possa efetuar a prisao de LulaNNa verdade nao ha nada que justifique a prisao de Lula…..o caso triplex acabou de ser solucionado pela justica de sp com a absolvicao dos reusO que ha eh uma operaçao de guerra contra Lula…o lawfare denunciado ate por FerrajoliRealmente nossa zelite zelote nao da ponto sem no https://josecarloslima.blogspot.com.br/2017/04/por-que-perseguem-lula.html    

  4. Dilma: Globo tem sido arma contra nossa democracia

    Brasil 247

    Dilma: Globo tem sido arma contra nossa democracia

     

    A presidente deposta Dilma Rousseff criticou nesta terça-feira, 18, a parcialidade do Jornal Nacional, principal telejornal da Globo, na cobertura contra ela e contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, constatado no levantamento do portal Poder 360; “O Jornalismo de Guerra da Rede Globo tem sido a maior arma contra a democracia e o desenvolvimento do país e os direitos da nossa população”, disse Dilma; “A Rede Globo insiste nas suas tentativas de manipular a opinião do povo brasileiro. É tão escancarada a manipulação que não irá dar certo”, acrescentou; de 4 horas, 24 minutos e 51 segundos de reportagens sobre a lista de Fachin, JN dedicou 33 minutos ao ex-presidente Lula e 18 minutos contra Dilma; já Aécio Neves e Michel Temer, articuladores do golpe, tiveram, juntos, 21 minutos do tempo do jornal

    18 de Abril de 2017 às 20:31 //

      

    247 – A presidente deposta Dilma Rousseff criticou nesta terça-feira, 18, a parcialidade do Jornal Nacional, principal telejornal da Globo, na cobertura contra ela e contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. 

    “O Jornalismo de Guerra da Rede Globo tem sido a maior arma contra a democracia e o desenvolvimento do país e os direitos da nossa população. A Rede Globo insiste nas suas tentativas de manipular a opinião do povo brasileiro. É tão escancarada a manipulação que não irá dar certo”, disse a presidente. 

    Dilma comentou o levantamento feito pelo portal Poder 360, que mostra que de 4 horas, 24 minutos e 51 segundos de reportagens sobre a lista de Fachin desde que o STF tornou pública a delação da Odebrecht, até a edição desta segunda 17, o Jornal Nacional dedicou 33 minutos e 32 segundos ao ex-presidente Lula. A segunda na lista é Dilma Rousseff, com 18 minutos e 7 segundos.

    O senador Aécio Neves (PSDB-MG), campeão em número de inquéritos (cinco), entre os quais é acusado de receber R$ 50 milhões em propina, teve a metade do tempo de Lula: 16min27seg; já Michel Temer, citado por delatores por ter participado de uma reunião em que foi combinado o repasse de US$ 40 milhões em propina pela Odebrecht ao PMDB, recebeu uma reportagem de 5 minutos e teve o vídeo em que se defende exibido pelo Jornal Nacional (leia mais).

    Leia a nota de Dilma na íntegra:

    “A prova do “jornalismo de guerra” praticado pela Globo

    O jornalista André Shalders,  do site Poder 360, compilou nesta terça-feira, 18, o tempo dedicado pelo Jornal Nacional da Rede Globo de Televisão a cada um dos citados nas delações da Odebrecht. Você pode ler a reportagem aqui.

    É a prova de que o “jornalismo de guerra” continua, mesmo depois do processo fraudulento de impeachment.

    Vejam a tabela acima. Dedicam a mim e ao Lula quase uma hora de cobertura da TV e “escondem” o PMDB, o PSDB e o  ilegítimo presidente Michel Temer.

    O Jornalismo de Guerra da Rede Globo tem sido a maior arma contra a democracia e o desenvolvimento do país e os direitos da nossa população.

    A Rede Globo insiste nas suas tentativas de manipular a opinião do povo brasileiro.  É tão escancarada a manipulação que não irá dar certo.

    Dilma Rousseff”

    http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/291041/Dilma-Globo-tem-sido-arma-contra-nossa-democracia.htm

  5. POLÍTICA E RELIGIÃO
    Leonardo

    POLÍTICA E RELIGIÃO

    Leonardo Boff: Papa Francisco não tinha motivo para vir ao Brasil apoiar ‘golpista’

    Para teólogo, ao recusar convite de Michel Temer para visitar o país, líder mundial da igreja católica é coerente com a opção pelos pobres: “Por causa disso ele não quis visitar a Argentina de Macri”por Eduardo Maretti, da RBA publicado 18/04/2017 19p2, última modificação 18/04/2017 19p7 EBC

    “Se papa viesse ao Brasil seria legitimar esse estado de coisas, o que ele nunca faria”, diz teólogo

    São Paulo – “O papa não tinha nenhuma razão para vir ao Brasil, apoiar um golpista. Ele é muito coerente com a opção que tem pelos pobres, pelos que sofrem violência e são marginalizados. Por causa disso ele não quis visitar a Argentina de (Mauricio) Macri. Por essa mesma razão ele não quis visitar o Brasil sob Temer.” A declaração é do frei e teólogo Leonardo Boff, sobre a carta enviada pelo papa Francisco ao presidente Michel Temer, recusando o convite para visitar o país para as celebrações dos 300 anos da aparição da imagem de Nossa Senhora Aparecida. 

    Embora reconheça que a crise que o país enfrenta “não é de simples solução”, Francisco enfatiza: “Porém não posso deixar de pensar em tantas pessoas, sobretudo nos mais pobres, que muitas vezes se veem completamente abandonados e costumam ser aqueles que pagam o preço mais amargo e dilacerante de algumas soluções fáceis e superficiais para crises que vão muito além da esfera meramente financeira”.

    Para o frei, o papa deixa claro de que lado está: “Ao lado das vítimas, dos que sofrem, coisa que este governo está produzindo”. “Se ele viesse ao Brasil seria legitimar esse estado de coisas, o que ele nunca faria. Ele foi coerente ao não ir à Argentina e não vir ao Brasil. Enquanto houver formas duras, ditatoriais, eu diria, de governo e de relação com o povo, o papa não dará seu apoio e não visitará essas terras e esses países.”  

    Boff lembra que, após a abertura do processo do impeachment, o papa Francisco escreveu uma mensagem à então presidenta Dilma Rousseff, já afastada, na qual demonstrou apoio. “O papa Francisco mandou uma carta à Dilma enquanto se fazia o julgamento dela, apoiando-a pessoalmente porque ele a conhece. Eu vi isso, estive com Dilma”, disse Boff à RBA.

    Para ele, considerado expoente da Teologia da Libertação e próximo a Francisco, com atitudes como a recusa a vir ao Brasil governado por Michel Temer, o papa está indiretamente dando um recado aos governos “que fazem políticas superficiais, que trazem dificuldades e injustiça para os pobres, e reformas que se fazem com alta velocidade e não atendem às necessidades do povo, são antipopulares e anticonstitucionais”.

    Apesar das enormes dificuldades pelas quais passa o país, “não há dificuldade que não possa ser resolvida” – diz Boff. “Já que os partidos estão corrompidos, com um vazio de lideranças, o grande lugar da pressão é a rua e a praça, com manifestações, grupos de discussão onde se discuta que Brasil nós queremos, que coisas principais devemos fazer para incluir a grande maioria que está à margem, superar a chaga da desigualdade, que é uma das piores do mundo”.

    Apesar do pessimismo de parte da população brasileira com os ataques a direitos pelo governo e suas reformas, Leonardo Boff afirma acreditar que “esse caos, essa confusão que está havendo, lentamente vai criar uma claridade para ver o caminho que devemos seguir, um outro tipo de sociedade, de governo, que seja voltado para o povo, que realize direitos e não apenas defenda privilégios”. 

    http://www.redebrasilatual.com.br/politica/2017/04/leonardo-boff-papa-francisco-nao-tinha-motivo-para-vir-ao-brasil-apoiar-um-golpista

     

     

  6. No entanto, apesar da honesta

    No entanto, apesar da honesta posição de Jorge Bergoglio, é uma LÁSTIMA, que grande parte do falso clero brasileiro continue fazendo o que lhes dá na telha, e até usam a desculpa esfarrapada de que consideram papa a J.  Ratzinger. já que temos essa situação inédita na Igreja Católica, de uma divisão APARENTEMENTE não existente. É o que mais existe, só se unem quando o roubo é grande, e no entanto sempre tem os que confundem Deus com escória.

    Esse FALSO CLERO na realidade é sócio no golpe e outros ENGODOS, da LADRONA REDE GLOBO, e transferem crises economicas do LADRÃO EUA, mais uma vez para o Povo Brasileiro.

    A mensagem do falso clero e da ladra rede globo é: roubamos vocês mas vamos lhe proporcionar “felicidade” pela satisfação de vocês assistirem big brother e outras porcarias (eu heim?!!), e depois no “culto” celebramos essa “grande fraternidade” , na qual nós mandamos e vocês obedecem , pois alguns tranformamos em malandros e ladrões como é o falso clero e a outros consideramos burros. (Vade retro).

    Papa manda carta a Temer e recusa visita ao Brasil

    Na carta, na qual explica os motivos de sua recusa, o pontífice também cobrou que o presidente evite medidas que piorem a situação da população carente

    Em uma carta na qual recusa um convite para visitar o Brasil, o papa Francisco cobrou o presidente Michel Temer para evitar medidas que agravem a situação da população carente no país.

    A correspondência foi uma resposta a outra enviada pelo mandatário no fim de 2016, na qual o líder da Igreja Católica era convidado formalmente para as celebrações dos 300 anos da aparição de Nossa Senhora Aparecida, comemorados em 2017.

    “Sei bem que a crise que o país enfrenta não é de simples solução, uma vez que tem raízes sócio-político-econômicas, e não corresponde à Igreja nem ao Papa dar uma receita concreta para resolver algo tão complexo”, escreveu o Pontífice, segundo trecho publicado pelo jornalista Gerson Camarotti, da “Globo News”.

    “Porém não posso deixar de pensar em tantas pessoas, sobretudo nos mais pobres, que muitas vezes se veem completamente abandonados e costumam ser aqueles que pagam o preço mais amargo e dilacerante de algumas soluções fáceis e superficiais para crises que vão muito além da esfera meramente financeira”, acrescentou. Inflação: Por que os pobres sofrem mais?

    Sobre o convite, o Papa disse que, devido a sua intensa agenda, não poderia visitar o Brasil neste ano. Ainda de acordo com Camarotti, Jorge Bergoglio afirmou rezar pelo país e que acompanha “com atenção” os acontecimentos na maior nação da América Latina.

    Citando sua exortação apostólica “A Alegria do Evangelho”, Francisco também lembrou que não se pode “confiar nas forças cegas e na mão invisível do mercado”, em um momento em que o governo Temer tenta aprovar reformas econômicas para garantir a confiança dos investidores.

    Em setembro passado, na inauguração de uma imagem de Nossa Senhora Aparecida no Vaticano, o Pontífice já havia dito que o Brasil passava por um “momento triste”.

    Um mês antes, Francisco enviara uma carta não oficial em apoio a Dilma Rousseff, que na época ainda não tinha sofrido o impeachment.

    Contudo, Bergoglio sempre evitou se posicionar publicamente sobre a crise política enfrentada pelo país e que culminou na derrubada da presidente petista.

    http://exame.abril.com.br/brasil/papa-manda-carta-a-temer-e-recusa-visita-ao-brasil/ 

  7. “Todo dia era dia do Índio”

    Hoje, a propriedade privada cumpre a sua “função social”, razão pela qual  “não é mais necessária a reforma agrária”.

    Nesse mesma linha,  o “negociado”  deve se sobrepor ao “legislado”.

    Lembrando que “todo dia era dia de Índio”…

     

    [video:https://youtu.be/78kaLgvfLcc%5D

     

  8. Angélica já diz que não lhe

    Angélica já diz que não lhe interessa ser primeira-dama. Ou seja, parece que Ruck, já homenageado no Dia do Exército, ao lado de Dória e Moro, também tá querendo entrar pra listra de pre-candidato a Presidente. É mole?

    Aí, Angélica diz que seu marido não precisa disso, pois já faz muito bem às pessoas, etc.

    Ruck faz muito bem às pessoas, é consertando lata velha, ou impedindo que o povo tome banho nas praias de Angra, onde ele tem sua mansão e quer ser dono das águas também. 

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome