Revista GGN

Assine

Clipping do dia

As matérias para serem lidas e comentadas.

Média: 3 (2 votos)
7 comentários

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Opções de exibição de comentários

Escolha o modo de exibição que você preferir e clique em "Salvar configurações".

A lupa da Piauí desmonta a ração do Dória...

A lupa da revista Piauí desmontou a ração humana que o Dória queria empurrar pea São Paulo, inclusive provando com documentos que a tal plataforma Sinergia mentiu e usou o nome da FAO indevidamente:

http://piaui.folha.uol.com.br/c/lupa/2017/10/24/farinata-allimento-doria...

         A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

A farinata, o Allimento e os erros no combate à fome em São Paulopor CLARA BECKER, JULIANA DAL PIVA, TIAGO AGUIAR24.10.2017 | 13H10 | PAÍS  

No intuito de combater a fome em São Paulo, no último dia 8, o prefeito João Doria sancionou o projeto de lei que instituiu a Política Municipal de Erradicação da Fome e de Promoção da Função Social dos Alimentos, abrindo um polêmico debate sobre o uso de farinata em merendas escolares e nas refeições destinadas a pessoas carentes. A Lupa monitorou e checou algumas frases em torno do assunto. Confira.

“O descarte de alimentos é o maior emissor de gases de efeito estufa do planeta”

Rosana Perrotti, fundadora da Plataforma Sinergia, produtora da farinata, em entrevista coletiva concedida no dia 18 de outubro Recortes-Posts_FALSOEstudo divulgado em 2014 pelo Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas, organização ligada às Nações Unidas e internacionalmente conhecida pela sigla IPCC, mostra que a principal fonte de gases de efeito estufa é a queima de carvão, gás e petróleo para produção de eletricidade e calefação.

Essa atividade respondeu por 25% do total das emissões medidas no estudo e ficou em primeiro lugar na lista. Em segundo, respondendo por 24% da produção de gases poluentes emitidos em escala global, ficou a agricultura, com o cultivo de plantações e o desmatamento. O IPCC estima que apenas 20% das emissões feitas pela agricultura sejam decorrentes da retenção de carbono e decomposição de matéria orgânica no solo, como é o caso do descarte de alimentos e outros tipos de lixo.

Se observado o levantamento feito por tipo de gás de efeito estufa emitido – e não mais a atividade emissora, o dióxido de carbono aparece em primeiro lugar, com 76% do total dos gases. Ele é emitido principalmente pela queima de combustíveis, processos industriais, desmatamento e preparação de pasto para agricultura. A fermentação produzida pelo descarte de lixo solta principalmente o gás metano, que responde por apenas 16% dos gases de efeito estufa.

Procurada, a fundadora da Plataforma Sinergia não retornou.

“Esta farinata [produzida pela Plataforma Sinergia] já tem um teste que foi elaborado e, como eu disse, já foi chancelado pela agência das Nações Unidas de combate à fome, que é a FAO”

Eloísa Arruda, secretária municipal de Direitos Humanos, em entrevista ao portal G1, no dia 16 de outubroRecortes-Posts_FALSOA Lupa procurou a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), solicitando a lista de testes a que a farinata produzida pela Plataforma Sinergia havia sido submetida. Por nota oficial, foi informada, no entanto, de que a FAO não fez qualquer avaliação sobre esse produto e que não possui “nenhuma parceria” direta com a Plataforma Sinergia. Esta empresa faz parte da iniciativa “Save Food”, que reúne projetos de combate à fome e contra o desperdício de alimentos no mundo. A FAO apoia a “Save Food”, mas destaca que esse grupo não integra a ONU.

Procurada, a Prefeitura de São Paulo disse que “as informações acerca do reconhecimento da farinata em âmbito internacional estão em documentos apresentados pelo Projeto Sinergia, que pode explicar suas certificações detalhadamente”. A prefeitura, porém, não apresentou esses documentos, e a Sinergia não retornou os contatos da Lupa.

“[A farinata] Será utilizada sempre como complemento alimentar. Ela não é alimentação em si, mas suplementar”

Prefeito de São Paulo, João Doria, em entrevista à GloboNews no dia 18RECORTES-POSTS-CONTRADITORIONo dia 8 de outubro, a Prefeitura de São Paulo sancionou o projeto de lei que instituiu a Política Municipal de Erradicação da Fome e de Promoção da Função Social dos Alimentos. Nesta ocasião, também lançou o programa Alimento Para Todos e apresentou um biscoito chamado “Allimento” feito à base da farinata produzida pela Plataforma Sinergia. Naquele dia, na primeira vez em que se referiu ao produto, o prefeito João Doria classificou a farinata como “um alimento completo: em proteínas, vitaminas e sais minerais”, algo “abençoado” e que parecia um “biscoitinho de polvilho”.

Quatro dias depois, no dia 12, em viagem à Itália, o prefeito de São Paulo comparou o alimento à comida de astronauta, reforçando sua capacidade nutricional. No dia 18 de outubro, entanto, o alimento completo virou um suplemento. “[A farinata] Será utilizada sempre como complemento alimentar. Ela não é alimentação em si, mas suplementar”, disse o prefeito novamente viajando, desta vez em Goiânia.

Procurada, a Prefeitura de São Paulo disse, em nota, que “a eventual distribuição do composto alimentar do programa Alimento para todos, no formato de farinata, será de atribuição, principalmente, dos serviços municipais de assistência social”. A prefeitura, no entanto, não explicou as mudanças de posição a que esta checagem se refere.

“[A complementação da merenda com farinata terá] Inícioneste mês de outubro”

Prefeito de São Paulo, João Doria, em coletiva concedida no dia 18 de outubroRECORTES-POSTS-CONTRADITORIONo dia seguinte, no entanto, Doria voltou atrás. Em um evento realizado em Goiânia (GO), afirmou que não estava decidido quanto ao uso do produto na merenda escolar. “Não está decidido se será na merenda. Na alimentação para pessoas em situação de rua, sim”, afirmou.

Ainda vale ressaltar que a lei que institui a Política Municipal de Erradicação da Fome e de Promoção da Função Social dos Alimentos não faz menção à suplementação para merendasescolares.

Procurada, a Prefeitura de São Paulo disse, em nota, que “a eventual distribuição do composto alimentar do programa Alimento para todos, no formato de farinata, será de atribuição, principalmente, dos serviços municipais de assistência social”. A prefeitura, porém, não explicou as mudanças de posição pontuadas nesta checagem.

 

Seu voto: Nenhum

Primeiramente: FORA TEMER! E pra encerrar: FORA TEMER!

UFMG desenvolve vacina para tratar dependente de cocaína

UFMG desenvolve vacina para tratar dependentes de cocaína

Substância foi testada em roedores e gerou anticorpos que retiveram boa parte da droga no sangue, impedindo que chegasse ao cérebro dos animais.

https://ufmg.br/comunicacao/noticias/ufmg-desenvolve-vacina-para-tratar-dependentes-de-cocaina

Seu voto: Nenhum

*

CPI da Previdência vota relatório final nos próximos dias

 

Depois de mais de dez horas de leitura, o senador Hélio José (Pros-DF) concluiu a apresentação de seu relatório final sobre os trabalhos da CPI da Previdência nesta segunda-feira (23) às 22h10. A leitura das 253 páginas do documento foi revezada entre o relator e o presidente da CPI, o senador Paulo Paim (PT-RS). O relatório deve ser votado na quarta-feira (25) ou na próxima semana, afirmou Paim. No final da leitura, Hélio José decidiu incluir em seu relatório sugestão para que sejam indiciados os ministros da Fazenda, Henrique Meirelles, e da Casa Civil, Eliseu Padilha, por ter fornecido “dados enganosos” à CPI. De acordo com o relator, esses ministros forneceram dados não confiáveis, “mentirosos e falaciosos” para defender a necessidade da Reforma da Previdência junto aos parlamentares e junto à população brasileira.

 

https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2017/10/23/cpi-da-previdencia-vota-relatorio-final-nos-proximos-dias

 

Seu voto: Nenhum

Retrocessos em série: projeto governista expulsará os idosos dos

Brasil 247

Tereza Cruvinel

Colunista do 247, Tereza Cruvinel é uma das mais respeitadas jornalistas políticas do País

 

Retrocessos em série: projeto governista expulsará os idosos dos planos de saúde

 

 

23 de Outubro de 2017

 

Marcos Corrêa/PR | ABr | Reprodução

 

 

A agenda do retrocesso sob Temer é um poço que não tem fundo. O relatório apresentado em comissão especial da Câmara na semana passada, alterando a Lei dos Planos de Saúde, impõe regras de reajustes que acabarão expulsando dos planos milhares de pessoas com mais de 60 anos. Cada retrocesso beneficia um segmento empresarial. Se a portaria do trabalho escravo atende aos ruralistas, este projeto premia as operadoras de planos de saúde com a flexibilização das multas por descumprimento de obrigações, a redução dos ressarcimentos ao SUS pelo atendimento de segurados e a segmentação como princípio norteador do mercado. Contra mais este retrocesso, o Idec (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor) está lançando a campanha “Não mexam na minha saúde” e advertindo os deputados membros da comissão de que a proposta viola o Estatuto do Idoso e o Código de Defesa do Consumidor. Eles querem aprová-lo em regime de urgência, antes que a sociedade perceba a patranha e reaja.

A mudança na lei dos planos de saúde está sendo tocada na Câmara com apoio do governo,  a partir do exame de 149 projetos sobre o assunto. Assim, não fica parecendo que proposta do Planalto. O relator é um queridinho da tropa de choque de Temer, o deputado Rogério Marinho (PSDB-RN). Hoje, a lei permite o reajuste anual dos planos para todos os contratantes, inclusive os idosos, mas proíbe que sejam impostos aumentos por faixa etária para os que já tenham completado 60 anos. O parecer acaba com esta garantia e permitirá que, a cada aniversário, o idoso tenha que pagar mais, afora o reajuste anual, que é sempre superior à inflação. Assim, como disse a professora da URFJ Lígia Bahia,    em artigo publicado hoje em O Globo, “se a regra dos aumentos for aprovada, a partir de certa idade cada aniversário será uma ameaça e não uma celebração”. Para ela, o projeto “prevê a expulsão dos velhos e transforma o SUS em prestador de serviços para os planos”.

- É fundamental que a população entenda quais mudanças estão sendo discutidas e que saiba que pode pressionar para que retrocesso tão grave não seja aprovado. É nosso direito ter informação e acompanhar a atuação dos parlamentares - diz a advogada e pesquisadora em Saúde do Idec, Ana Carolina Navarrete.

O Idec e outras nove organizações da sociedade civil, inclusive algumas defensorias públicas estaduais, enviaram carta ao relator pedindo acesso ao conteúdo de seu parecer e o adiamento da votação, para que a proposta possa ser amplamente discutida, inclusive em audiências públicas com representantes da sociedade.

https://www.brasil247.com/pt/blog/terezacruvinel/323761/Retrocessos-em-s...

Seu voto: Nenhum

webster franklin

As madalenas do golpe

Tijolaço

As madalenas do golpe

mada

Miriam Leitão, sexta-feira, e Ricardo Noblat, hoje, lembram-me uma expressão – comum nos meus tempos de guri:  a de “fazer cara de Madalena Arrependida”, quando se fazia algo errado e desastroso e fingia-se não ter nada com aquilo.

Até os títulos se parecem: Miriam escreve “Quanto (Temer) custa” e Noblat “O preço de manter Temer”.

Têm razão, sim: o país está pagando caro por este desastre político, econômico e civilizatório representado pela ascensão, há quase um ano e meio, de uma figura que todos, depois da sordidez da traição conspiratória e da evidente aliança com Eduardo Cunha, indigna sequer de respeito pessoal.

Noblat diz que Temer, aquele a quem achava “um senhor elegante”, entre outras coisas com a portaria do trabalho escravo (daqui a pouco falaremos sobre esta outra “esperteza”), “parou o relógio da História. Atrasou os ponteiros. Ganhou mais alguns votinhos para permanecer impune”.

Miriam, envenenada por sua hipocrisia, ataca o Governo impiedosamente, mas sempre se referindo à “chapa Dilma-Temer” como se, coitada, não soubesse que as políticas do usurpador são a negação completa de quase tudo o que o que significava o governo petista. E, quando não é traição “original”, é o aprofundamento brutal do que já tinha sido cedido por conta das pressões do “mercado”, do qual a jornalista sempre foi um dos porta-vozes.

Os dois, amplificados pelo poder que lhes dão as Organizações Globo, são dos principais artífices da demolição de um governo que, com todos os defeitos que pudesse ter, não empurrava o país para um século atrás.

Aos dois, certamente, não se pode negar o direito  humano de mudar seus pensamentos, dede que nisso haja a sinceridade de reconhecer os erros e, neste caso, o atentado irresponsável à ordem democrática.

Porque é impossível travar uma discussão honesta sobre qualquer problema quando se parte do cinismo como suporte.

O jornalista Bob Fernandes, na semana passada, pontuou isso de forma claríssima (veja o vídeo ao final) antes mesmo de Leitão e Noblat publicarem seus artigos:

Espantoso é jornalista não ter entendido antes quais forças pilotavam o impeachment. Quem, o que e como tomaria o Poder.Espantoso é quem é do ramo não saber das consequências. Ou pior: fazer de conta não saber a que rumos e gambiarras a gambiarra “pedalada fiscal” nos arrastaria.

Quem abre a Caixa de Pandora do golpismo, quem rompe o lacre da ordem institucional não pode reclamar dos demônios que surgem.

A exorcização deles, agora – e não será simples – depende da restauração do rito democrático, que está severamente ameaçado, só não vê quem não quer.

Claramente, de um lado, a ser mutilado por um poder extrapolítico, fortemente autoritário e classista (judicial, prima facie, ou militaresco), com a interdição de quem lidera com folga todas as pesquisas de intenção de voto.

E, depois da absolvição de Michel Temer, esta semana, da putrefação da própria ideia de que se deve ter eleições ou só resta mesmo a “solução” autoritária.

Noblat devia levar mais a sério a frase de Sócrates que usa como epígrafe de sua coluna, hoje: “As pessoas precisam de três coisas: prudência no ânimo, silêncio na língua e vergonha na cara.”

http://www.tijolaco.com.br/blog/as-madalenas-do-golpe/

 

Seu voto: Nenhum (1 voto)

webster franklin

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.