13 comentários

  1. Ministros do STF cobram de Toffoli atitude contra ataques do clã Bolsonaro

    Ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) insatisfeitos com o novo ataque à suprema corte por parte de Jair Bolsonaro estão exigindo uma atitude do presidente do tribunal, Dias Toffoli. A publicação do vídeo no qual Bolsonaro é retratado como um leão atacado por hienas, entre elas o Supremo, detonou as insatisfações

    Bozo não está com essa bola toda
    ACABOU O AMOR, BOLSONARO TRAIDOR
    Esse é o grito dos arrependidos.

    MARCHA DOS ARREPENDIDOS | Em Brasília, eleitores de Bolsonaro realizaram protesto chamando o “mito” de traidor e pedindo seu impeachment. #ForaBolsonaroESeuBandoDeCriminosos

    O vídeo: https://twitter.com/trombetta360/status/1188460653931122688?ref_src=twsrc%5Etfw%7Ctwcamp%5Etweetembed%7Ctwterm%5E1188460653931122688&ref_url=https%3A%2F%2Fwww.diariodocentrodomundo.com.br%2Fvideo-eleitores-de-bolsonaro-arrependidos-marcham-pedindo-impeachment%2F

    Bozo é o leão covarde do filme “O mágico de Oz”

  2. Hundreds shot and beaten as Chile takes to the streets

    https://www.theguardian.com/world/2019/oct/27/chile-hundreds-shot-and-beaten-street-protests
    Trad:
    Os médicos dizem que não têm suprimentos para tratar feridos e acusam as autoridades de não comunicar ferimentos.

    “O soldado estava a cerca de 40 metros de distância. Ele olhou para mim e disparou”, disse Christopher Madrid, apontando para o remendo acima do olho direito. “Eu me afastei e a bala raspou [minha testa] e saiu, deixando uma cicatriz de quatro ou cinco centímetros”.

    Madri, um estudante de 25 anos, foi baleado na segunda-feira passada por tropas do exército chileno quando ele marchou em um protesto de rua perto da Universidade Católica, no centro de Santiago.

    “Muitas pessoas estavam caindo com ferimentos na cabeça”, explicou Madri enquanto esperava impaciente na Posta Central, uma clínica de saúde degradada onde dezenas de vítimas de tiro estavam sendo tratadas, incluindo um amigo próximo, atirou três vezes na cabeça e uma vez na perna com “balines” – balas do tamanho de uma bola de gude que raramente são fatais mas podem perfurar um pulmão ou arrancar um olho.

    Os leitos hospitalares da Posta Central geralmente estão cheios de vítimas de acidentes de trânsito e casos de gripe que ameaçam a vida, mas a revolta chilena – a mais grave desde a queda de Augusto Pinochet – enviou centenas ao hospital com tiros, ferimentos na cabeça e fraturas na cabeça, e deixou pelo menos 19 mortos em todo o país. O pessoal do hospital da Posta Central está agora trabalhando em turnos de 24 horas porque um toque de recolher militar rigoroso tem milhares de soldados patrulhando as ruas desde o final da noite até o amanhecer, tornando perigoso e difícil para o pessoal do hospital viajar.

    O presidente Sebastián Piñera havia declarado que as autoridades “estão em guerra” com aqueles que estão marchando, mas ontem ele anunciou uma remodelação do gabinete e disse que facilitaria o toque de recolher forçado pelos militares. “Eu avisei todos os meus ministros a fim de reestruturar meu gabinete para enfrentar essas novas demandas”, disse Piñera aos repórteres do palácio presidencial La Moneda.

    A falta de tratamento médico básico para as vítimas de ferimentos de bala, em sua maioria da classe trabalhadora, foi notável dentro da Posta Central, já que a equipe descreveu a escassez de suprimentos nas instalações de saúde pública e enfatizou o abismo entre os serviços dessa estrutura degradada e as clínicas privadas brilhantes a apenas 10 km de distância.

    Os doentes da Posta Central estavam a morrer, disseram os trabalhadores, devido à falta de provisões básicas, incluindo luvas cirúrgicas, seringas e máscaras. A escassez de pequenos frascos para amostras de sangue significa que os doentes passam dias sem fazer análises ao sangue, mesmo na unidade de cuidados intensivos de 24 camas. Os recursos são tão limitados que os médicos e enfermeiros têm de decidir se querem reter os fornecimentos para os doentes quase mortos a favor dos que têm mais hipóteses de sobreviver.
    Em um esforço desesperado para salvar a vida dos pacientes, enfermeiros e especialistas respiratórios canibalizam vários dispositivos enquanto remendam e tecem juntos os filtros da traqueia. “É um produto que custa 40.000 pesos [£43], mas não temos muitos, então as pessoas estão inventando o melhor que podem”, disse um profissional que pediu para não ser nomeado por medo de ser colocado na lista negra pelo estabelecimento de saúde pública chileno. Recentemente designado para a Posta, ele disse que pelo menos um paciente por semana estava morrendo desnecessariamente, devido em grande parte à falta de equipamentos básicos.
    Um profissional contou um incidente recente em que um paciente da Posta Central faleceu. O médico virou-se e caminhou para as fichas. Um detalhe no prontuário do paciente chocou-o: o paciente era casado e tinha filhos. Surpreendido, virou-se e disse a um colega: “Pensei que ele era indigente. A falta de empatia pelos pacientes da classe trabalhadora se reflete na atitude do ministro da Saúde, Jaime Mañalich, que na TV nacional ridicularizou o tumulto como “uma marcha” e que tem sabotado repetidamente as tentativas de registrar o número de ferimentos de bala infligidos pelas forças de segurança.

    “Desde o primeiro momento, os diretores do hospital se recusaram a fornecer informações. Nossos colegas [médicos] foram, em parte, intimidados a não fornecer informações”, disse Izkia Siches, presidente da Associação Médica Chilena. “Há uma subnotificação substancial dos feridos e também uma falta de aconselhamento para que muitas dessas [vítimas] denunciem a violação de seus direitos. Siches exigiu que Mañalich divulgasse os números completos e quebrasse o que ela chamou de “apagão da informação”.

    A controvérsia sobre a extensão dos tiroteios durante os protestos envolveu a Posta Central, já que o vice-diretor, Luis Carrasco, proibiu a entrada de observadores de direitos humanos nas instalações e enviou funcionários para comprar cadeados pesados para limitar ainda mais o acesso. Carrasco, que passou anos trabalhando como chefe de cirurgia no Hospital da Polícia Nacional, parecia hostil à idéia de divulgar estatísticas sobre o número de manifestantes baleados por forças militares e policiais.

    Embora o número oficial seja de 470 pessoas baleadas, esse número faz pouco para iluminar o drama de tiroteio individual. Na sala de espera lotada da Posta, grupos de manifestantes angustiados monitoram os amigos feridos. Vítimas de tiroteio vestidas com camisetas ensanguentadas, bandagens brancas grossas em suas cabeças, esperam para que as balas sejam removidas. Outros carregam gases profundos depois de serem atingidos por latas de gás lacrimogêneo de metal lançadas na multidão pela polícia de choque.
    “Eu estava observando um incidente na parada do metrô – os manifestantes estavam lutando contra a polícia, e para dissuadi-los, a polícia começou a atirar nos manifestantes”, disse Camilo Rojas, 30 anos, que está estudando para se formar em turismo. “Em seguida, eles começaram a atirar nas pessoas que estavam observando mais alto. Felizmente, eu tinha minha mochila como escudo, e isso me ajudou. Coloquei minha mochila na minha frente – caso contrário, ela poderia ter batido na minha cabeça”. Uma segunda bala estilhaçou seu relógio e Fora da sala de espera, grupos de estudantes de direito da Universidade do Chile reúnem estatísticas e histórias de casos para as vítimas do tiroteio.

    “Havia uma estudante de jornalismo que foi tão espancada que não conseguia falar, nem lembrar seu nome. Seu corpo inteiro ficou machucado depois de ser chutado e espancado”, disse Felipe Hernández, um estudante de direito. “Tivemos uma mulher ontem com a mandíbula quebrada – os soldados quebraram-na com uma coronhada de rifle.

    As transmissões de notícias da TV chilena têm imagens tão censuradas que as estações foram cercadas por multidões furiosas. A outrora estimada Televisión Nacional de Chile foi forçada a proteger sua sede com pelotões de soldados fortemente armados para impedir que os manifestantes apreendessem suas instalações de transmissão.

    Enquanto isso, nas ruas, os tiroteios continuam inabaláveis. “Tantos manifestantes estão sendo baleados nos olhos”, disse um funcionário da área de saúde ao jornal chileno CIPER. Na unidade de trauma ocular da Posta Central, onde os manifestantes com lesões oculares são levados, “a situação é atroz”, disse ela. “Muitos pacientes têm os olhos despedaçados. Nunca tivemos tantos olhos rompidos ao mesmo tempo. As balas de borracha e o tiro não matam, mas furam o olho. Todos os pacientes têm poucas chances de recuperar a visão. Muitos olhos se perderam”.

  3. Mourão dá uma “cortada” no óleo, mas as manchas insistem e voltam às praias do Nordeste.

    Mourão diz que “não tem mais nenhuma praia suja no Nordeste”
    No mesmo dia, novas manchas de óleo surgem em Sergipe e Pernambuco…

    Publicado 27/10/2019

    Reprodução: GloboNews

    Na tarde deste sábado 26/X uma equipe da GloboNews encontrou o vice-presidente Hamilton Mourão jogando vôlei com amigos em uma quadra em Brasília.

    Mourão assumiu o posto de presidente da República em exercício, enquanto Jair Bolsonaro continua sua viagem pelo Oriente Médio.

    Segundo o general, o vazamento de petróleo na costa do Nordeste já acabou.

    As praias estão todas limpinhas e cheirosas e o mar está próprio para banho!

    “O óleo já foi recolhido, né. Hoje acredito que não tem mais nenhuma praia suja no Nordeste. Todas estão com óleo recolhido. À medida que tá aparecendo, nós estamos deslocando os especialistas para lá, eles fazem a limpeza e pronto, a praia está em condições de banho”, disse o vice-presidente.

    No mesmo dia, entretanto, novas manchas de petróleo aparecem nas praias do Cabo de Santo Agostinho, em Pernambuco e Atalaia e Cinelândia, em Sergipe…

    https://www.conversaafiada.com.br/brasil/mourao-diz-que-nao-tem-mais-nenhuma-praia-suja-no-nordeste

    Mourão é mais um militar que se dedica ao ócio remunerado.

  4. BOLSONARO, UM MILICIANO DE LUXO

    Bolsonaro foi ao hotel mais luxuoso do mundo com dinheiro público

    No Emirates Palace, em Abu Dhabi, onde Jair Bolsonaro resolveu se hospedar, um capuccino custa R$ 82, cerca de oito vezes o que a bebida custa no Brasil. O local tem flocos de ouro de 23 quilates (96% puro). As diárias dos 394 quartos e suítes do Palace começam em R$ 2.665 por noite, no mais simples

    28 de outubro de 2019, 10:18 h

    247 – Jair Bolsonaro escolheu nada menos que o hotel mais luxuoso do Oriente Médio para fazer a sua viagem: o Emirates Palace, em Abu Dhabi, capital do Qatar. No hotel um capuccino custa R$ 82, cerca de oito vezes o que a bebida custa no Brasil. O local tem flocos de ouro de 23 quilates (96% puro). Até 5 quilos do metal precioso são usados todos os anos na decoração de pratos, sobremesas e drinques. O palácio custou R$ 3 bilhões e levou três anos para ser construído, por 20 mil trabalhadores.

    O Emirates é um palácio com um quilômetro de extensão de uma ponta a outra e um domo central de 72,6 metros de altura. É de De propriedade do governo emiradense e administrado pela cadeia alemã Kempinski.

    De acordo com informações do jornal Folha de S.Paulo, as diárias dos 394 quartos e suítes do Palace começam em R$ 2.665 por noite, no mais simples. O preço não inclui café da manhã.

    Há 16 unidades da mais cara, a Palace, com três aposentos e 680 metros quadrados, cortinas de seda e ornamentos de prata e ouro, ao preço de R$ 34.604 por noite (preços pesquisados para a próxima semana).

    https://www.brasil247.com/brasil/bolsonaro-foi-ao-hotel-mais-luxuoso-do-mundo-com-dinheiro-publico?utm_source=notification-mobile&utm_medium=notification

  5. Projeto Ler antes de morrer

    Resenha do livro “A morte da verdade – Notas sobre a Mentira na Era Trump”.

    O livro narra como o governo Trump distorce a verdade nos Estados Unidos.
    A resenha destaca as semelhanças existentes entre as mentiras de Trump e as de Bolsonaro.

    Mas, na qualidade de leitor, eu acrescento: como a economia dos Estados Unidos “vai bem”, a maioria dos americanos não consideram nocivas as mentirinhas de Trump. Por isso ele vai ser reeleito em 2020. Ou seja, quando a economia vai bem, todos os defeitos do governante são perdoados. É também nisso que Bolsonaro aposta para se reeleger em 2022, se ele chegar ao final desse turbulento primeiro mandato, claro.

    Resenha por ISABELLA LUBRANO

    https://youtu.be/lvxZtu1T0L8

  6. RECADO PARA O “MINISTRO” TOFFOLI

    Caminhoneiros vão passar com seus caminhões por cima do STF e o Sr. corre o risco de ser atropelado. E a Globo estará com os caminhoneiros, pode ter certeza.

    Os membros do STF foram se acovardando, se acovardando, e agora nada pode ser feito. A vida de vocês não vale nada. Vocês estão sendo devorados pela hidra de lerna que vocês alimentaram.

    Escuta as vozes da rua, Barroso!

    https://youtu.be/kF0_lJayePA

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome