5 comentários

  1. (I LOVE YOU, TRUMP! AND “WE HATE” CHINA)

    Aliado de Bolsonaro, Trump cita dificuldades do Brasil no combate ao coronavírus

    Presidente dos EUA diz que Brasil vive se referindo à estratégia da Suécia e afirma: ‘Se tivéssemos feito isso, teríamos perdido até 2 milhões ou mais de vidas’

    Marina Gonçalves

    05/06/2020 – 14:20 / Atualizado em 05/06/2020 – 20:28

    O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, citou nesta sexta-feira o Brasil como exemplo de país com dificuldades para lidar com a pandemia do novo coronavírus. Aliado do presidente Jair Bolsonaro, Trump alfinetou o Brasil, alegando que o país “vive se referindo” à Suécia, que não impôs quarentenas e decidiu se basear principalmente em medidas voluntárias de distanciamento social e higiene pessoal, mantendo aberta a maioria das escolas, restaurantes e empresas. No Brasil, o governo federal não adotou medidas de isolamento social, mas governos estaduais e municipais implantaram quarentenas em diversos níveis.

    — Se você olhar para o Brasil, eles estão passando por grandes dificuldades. A propósito, eles vivem citando o exemplo da Suécia. A Suécia está passando por um momento terrível. Se tivéssemos feito isso, teríamos perdido 1 milhão, 1 milhão e meio, talvez até 2 milhões ou mais de vidas — disse Trump na Casa Branca, acrescentando que agora é hora de acelerar a reabertura.

    https://oglobo.globo.com/mundo/aliado-de-bolsonaro-trump-cita-dificuldades-do-brasil-no-combate-ao-coronavirus-24464583

    I LOVE YOU, TRUMP! And Weintraub hates China! What else do you want
    of us? Do you like ass?

  2. Quer saber o que foi a ditadura militar de 64 no Brasil? Dê uma olhadinha neste vídeo com Bemvindo Sequeira.

    https://youtu.be/PvLvP4dma0s

    E olha que ele não falou do fracassado ato terrorista do Rio Centro: A BOMBA EXPLODIU NO COLO DO TERRORISTA

    O caso Riocentro e o fim da Ditadura Militar
    HISTÓRIA DO BRASIL
    O caso Riocentro foi a última tentativa da linha dura do exército em conter o processo de abertura política no Brasil durante a ditadura militar.

    O caso Riocentro foi uma das últimas tentativas efetuadas por militares da linha-dura do exército brasileiro para conter o lento e gradual processo de abertura política iniciado nos finais na década de 1970. Insatisfeitos com a possibilidade de o país voltar a ter eleições representativas diretas para cargos eletivos, grupos mais reacionários, e desejosos da continuação do controle militar das instituições estatais, passaram a realizar uma série de atentados, principalmente contra líderes e organizações de oposição ao regime militar. (E contra bancas de revistas).

    O ATENTADO ocorreu no Riocentro, em 30 de abril de 1981, no bairro de Jacarepaguá, Rio de Janeiro. O evento marcado para aquela noite tinha como objetivo iniciar as comemorações do Dia do Trabalhador, e contaria com a presença de artistas como Chico Buarque, Alceu Valença, Gonzaguinha e Gal Costa, sendo que alguns se destacaram na oposição ao regime militar, tendo inclusive retornado ao país após a Lei de Anistia de 1979.

    GRAÇAS A DEUS, UMA DAS BOMBA EXPLODIU NO COLO DO MILITAR TERRORISTA QUANDO ELE TENTAVA MANUSEÁ-LA, E O ATENTADO FOI ABORTADO.

    https://brasilescola.uol.com.br/historiab/o-caso-riocentro-fim-ditadura-militar.htm

  3. Bolsonaro defende atraso em boletins de Covid: “acabou matéria no JN”
    Governo tem divulgado apenas às 22h números de casos e mortes de coronavírus que são atualizados às 19h. “Ninguém quer correr para atender à Globo”, disse em frente ao Palácio da Alvorada sobre os novos horários. Ele também chamou a emissora de “TV Funerária”
    5 de junho de 2020, 19:48 h
    39
    Jair Bolsonaro fala à imprensa no Palácio da Alvorada
    Jair Bolsonaro fala à imprensa no Palácio da Alvorada (Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil)
    Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

    247 – Jair Bolsonaro admitiu nesta sexta-feira (5) ser favorável aos novos horários de divulgação de relatórios com dados consolidados do novo coronavírus pelo Ministério da Saúde e indicou que um dos objetivo seria realmente não incluir esses números nos telejornais, conforme foi divulgado pela imprensa ao longo da tarde.

    Desde a demissão dos então ministros da Saúde Henrique Mandetta e Nelson Teich, os relatórios passaram a ser divulgados cada vez mais tarde e as entrevistas coletivas deixaram de ser diárias. Os dados de casos e óbitos passaram a ser divulgados apenas às 22h, mesmo tendo sido atualizados três horas antes, às 19h.

    Na noite desta sexta, questionado por repórteres na porta do Palácio da Alvorada sobre o novo horário da divulgação, Bolsonaro respondeu em tom de brincadeira: “agora acabou matéria no Jornal Nacional”. “Tem que divulgar os dados consolidados do dia”, defendeu, sem mencionar, porém, que os dados ficam consolidados 19h.

    https://www.brasil247.com/regionais/brasilia/bolsonaro-admite-defender-atraso-em-boletins-de-covid-para-nao-atender-a-globo

    NÃO se surpreendam se esse animal genocida resolver acabar com a covid-19 no Brazil por decreto.

  4. Bolsonaro quer matar o maior número possível de brasileiros por covid-19

    Eis a prova: Ministério da Saúde só gasta 10% da verba contra o coronavírus

    De R$ 10,3 bilhões no caixa, só R$ 1 bi foi pago; outros R$ 1,8 bilhão já foram contratados, mas ainda não pagos
    6 de junho de 2020, 05:30 h
    1

    247 – “Ministério da Saúde só conseguiu desembolsar até agora cerca de 10% do total de que tem disponível para ações como compra de respiradores, equipamentos de proteção e insumos para o enfrentamento da Covid-19. De R$ 10,3 bilhões no caixa, só R$ 1 bi foi pago. Outros R$ 1,8 bilhão já foram contratados, mas ainda não pagos”, informa a jornalista Mônica Bergamo, em sua coluna, na Folha de S. Paulo. “O dinheiro faz parte de uma verba de R$ 34,5 bilhões destinada ao Ministério da Saúde exclusivamente para o combate à epidemia”, informa a jornalista. Saiba mais sobre o caos sanitário no Brasil

    (Reuters) – O Brasil registrou nesta sexta-feira mais 1.005 mortes em decorrência do novo coronavírus, elevando a contagem total para 35.026, informou o Ministério da Saúde.

    Em relação ao número de casos, foram contabilizadas 30.830 novas infecções, o que faz com que o total no país atinja 645.771, segundo o ministério.

    O Brasil é o segundo país com maior número de casos confirmados no mundo, atrás apenas dos Estados Unidos, que possuem quase 1,9 milhão de infecções.

    O país é o terceiro na contagem de óbitos, abaixo somente dos EUA (108.068) e do Reino Unido (40.261).

    A divulgação diária dos números da Covid-19 no Brasil pelo Ministério da Saúde não indica que as infecções e óbitos tenham necessariamente ocorrido nas últimas 24 horas, mas sim que os registros foram inseridos no sistema no período.

    A pasta anunciou nesta sexta-feira que a divulgação dos dados seria mais tarde, alegando necessidade de checagens junto a secretarias estaduais e municipais. Até o início desta semana, os dados vinha sendo publicados às 19h.

    “Acabou matéria no Jornal Nacional… O Jornal Nacional gosta de dizer que o Brasil é recordista em mortes. Não interessa de quem partiu (a decisão), é justo sair 10 da noite para sair o dado completamente consolidado”, disse o presidente Jair Bolsonaro a jornalistas sobre o tema.

    De acordo com a contagem de casos realizada pelo ministério por Estados, São Paulo segue como o mais afetado pela Covid-19, atingindo as marcas de 134.565 casos e 8.842 óbitos.

    O governo paulista estimou na quarta-feira que o Estado terá de 190 mil a 265 mil casos de coronavírus até o final deste mês.

    https://www.brasil247.com/regionais/brasilia/ministerio-da-saude-so-gasta-10-da-verba-contra-o-coronavirus

    Você ainda tem dúvidas que Bolsonaro é um genocida? Até o Trump já sabe disso.

  5. No The Guardian: cientistas que fizeram o mais rigoroso estudo sobre a cloroquina esperam ter resolvido a a controvérsia.

    Hydroxychloroquine does not work against Covid-19 and should not be given to any more hospital patients around the world, say the leaders of the biggest and best-designed trial of the drug, which experts will hope finally settle the question.

    “If you are admitted to hospital, don’t take hydroxychloroquine,” said Martin Landray, deputy chief investigator of the Recovery trial and professor of medicine and epidemiology at Oxford University. “It doesn’t work.”

    https://www.theguardian.com/world/2020/jun/05/hydroxychloroquine-does-not-cure-covid-19-say-drug-trial-chiefs

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome