9 comentários

  1. EXÉRCITO BRASILEIRO JÁ SONDA CIDADES SOBRE CAPACIDADE EM CEMITÉRIOS

    Exército brasileiro já sonda cidades sobre capacidade em cemitérios
    Com urgência, Ministério da Defesa pede informações sobre quantidade de sepulturas em municípios

    Por Jornal GGN -16/04/2020
    Compartilhar

    Jornal GGN – O Exército Brasileiro encaminhou a cidades do Rio de Janeiro e do Espírito Santo um questionário, em caráter de urgência, abordando a capacidade de cidades realizarem sepultamentos em massa devido à pandemia do coronavírus.

    Os documentos foram encaminhados a diversos postos de recrutamento e mobilização sob ingerência da 1ª Região Militar do Comando Militar do Leste.

    O prefeito de Três Rios (RJ), Josimar Salles (PDT) fez uma gravação na rede social Facebook relatando o recebimento de tal documento, onde também reforçou a gravidade da pandemia.

    “Diante de um documento como esse, vindo de uma das instituições mais respeitadas do Brasil, o Exército Brasileiro, pedindo informações sobre o número de cemitérios, o número de sepulturas, a nossa capacidade para poder sepultar pessoas, eu não posso, de forma alguma, afrouxar as nossas medidas, porque se o Exército está perguntando isso é porque estão fazendo um levantamento estatístico diante da possibilidade de um caos na saúde pública não apenas no Brasil, mas também no mundo”, disse Salles.

    https://jornalggn.com.br/a-grande-crise/exercito-brasileiro-ja-sonda-cidades-sobre-capacidade-em-cemiterios/

    O vídeo com o prefeito Josimar Salles:
    https://vimeo.com/408692282

  2. URUBUS NO EQUADOR, EPICENTRO DO HORROR DO CORONAVÍRUS NA AMÉRICA LATINA

    “Não há espaço nem para vivos, nem para mortos”. Presidente Lenín Moreno anunciou retirada de mais de 770 corpos das calçadas e 630 de hospitais. Sem espaço em cemitério, corpos são incinerados pela própria família. Urubus sobrevoam os céus

    Por Patricia Faermann -16/04/2020
    Compartilhar

    Com falta de caixão, funcionários retiram um cadáver da calçada de Hospital em Guayaquil, Equador – Foto: REUTERS, STRINGER
    Jornal GGN – “Vejo urubus no céu de Guayaquil (Equador) e à tarde a fumaça dos corpos sendo queimados em um dos cemitérios da cidade. Agora, estou vivendo em um filme de terror, apocalíptico.”

    A fala é de um brasileiro, ao G1, que vive há anos na cidade equatoriana Guayaquil, que apesar dos esforços do presidente Lenín Moreno em abafar a repercussão do coronavírus no país, paralisou o mundo, tornando-se o palco mais drástico até agora do Covid-19 na América Latina.

    O GGN foi o primeiro veículo brasileiro a estampar as imagens (aqui) de denúncias que percorreram as redes sociais, no início deste mês, e que impactaram a região. O Equador é hoje o quarto país da América Latina com mais casos de coronavírus, com 8.225 confirmações, e o terceiro no ranking de mortes, com 403, em números oficiais distantes da realidade.

    Fica atrás do Brasil (30.425 casos), do Peru (12.491), que alavancou bruscamente o número de infectados nos últimos dias, e do Chile (8.807). Entre as vítimas fatais, a maior concentração da região está no Brasil, com 1.924 mortos, seguido do México, com 449 falecidos.

    Mas o país de somente 17 milhões de habitantes viu seus sistemas de saúde e funerário colapsados, com centenas de cadáveres contagiados nas ruas, sem lugar em hospitais ou em cemitérios. “Não há espaço nem para vivos, nem para mortos”, resumiu a prefeita de Guayaquil, Cynthia Viteri, em uma de suas manifestações. A prefeita chegou a lançar uma campanha em memória aos mortos que continuavam aguardando ser retirados de suas casas:

    Em meio à pressão da população, de governos locais e sob os olhos do mundo, ainda caíram dois ministros do governo de Lenín Moreno, a da Saúde e o do Trabalho, Catalina Andramuño e Andrés Madero, respectivamente. Nos últimos dias, a população narrava os impactos da devastadora crise sanitária também no abastecimento, gerando a falta de alimentos nas cidades, e obrigando ações emergenciais.

    Vale a pena ler a matéria original por causa das fotos:
    https://jornalggn.com.br/america-latina/urubus-no-equador-epicentro-do-horror-do-coronavirus-na-america-latina/

    AGORA, imaginem como vai ficar o Brasil administrado pelos assassinos do GENOCIDA Bolsonaro.

  3. Cientistas que pesquisam cloroquina sofrem ameaças de morte dos bolsonaristas no AM

    Pesquisadores que investigam os efeitos da cloroquina no tratamento da Covid-19 estão sofrendo ameaças de morte em Manaus. “Filho da puta maldito. Deve ser espancado quando pisar na rua!!” – escreveu um bolsonarista na rede social de um dos cientistas. Motivo: a pesquisa não confirma o que diz Bolsonaro.

    https://www.brasil247.com/coronavirus/cientistas-que-pesquisam-cloroquina-sofrem-ameacas-de-morte-dos-bolsonaristas-no-am

  4. CEARÁ PREVÊ MAIS DE 250 MORTES POR DIA NO ESTADO EM MAIO

    Já haveria fila de espera de 48 pessoas para UTIs. Na quarta-feira (15), 169 pacientes estavam internados em unidades de tratamento intensivo, sendo 113 em Fortaleza
    17 de abril de 2020, 05:48 h Atualizado em 17 de abril de 2020, 08:30
    1

    (Foto: AMANDA PEROBELLI/REUTERS)

    Sputnik – Relatório da Secretaria de Saúde do Ceará projeta que o número de mortos pela COVID-19 a partir de 5 de maio pode passar de 250 por dia no estado.

    O fator que deixaria a situação insustentável é a lotação dos leitos de UTI no estado. A secretária-adjunta de Vigilância e Regulação do órgão, Magda Almeida, alerta que o estado atingiu 100% de ocupação de leitos para pacientes infectados com o novo coronavírus.

    Já haveria fila de espera de 48 pessoas para UTIs. Na quarta-feira (15), 169 pacientes estavam internados em unidades de tratamento intensivo, sendo 113 em Fortaleza.

    “Nesse momento, apesar de não estarmos no pico esperado da epidemia, estamos com leitos de UTI em ocupação máxima”, disse Magda em entrevista para o portal G1.

    Faltam respiradores no estado
    O Ceará é o terceiro estado brasileiro mais afetado pela epidemia do vírus, com 2.386 casos confirmados e 124 mortes.

    De acordo com a projeção da Secretaria de Saúde, em 23 de abril o número de infectados chegará a 3.734 pessoas.

    Um dos problemas enfrentados pelo sistema de saúde do Ceará é a falta de respiradores. Recentemente, o governador Camilo Santana (PT) anunciou a compra de 700 ventiladores da China, mas as negociações para a entrega ainda estão em andamento.

    Segundo balanço do Ministério da Saúde de quarta-feira sobre a COVID-19, o país soma 1.736 mortes e 28.320 casos confirmados da doença.

    https://www.brasil247.com/regionais/nordeste/ceara-preve-mais-de-250-mortes-por-dia-no-estado-em-maio

  5. Coronavirus destroys lungs. But doctors are finding its damage in kidneys, hearts and elsewhere

    https://www.washingtonpost.com/health/coronavirus-destroys-lungs-but-doctors-are-finding-its-damage-in-kidneys-hearts-and-elsewhere/2020/04/14/7ff71ee0-7db1-11ea-a3ee-13e1ae0a3571_story.html
    trad:
    O Coronavírus destrói os pulmões. Mas os médicos estão encontrando seus danos nos rins, corações e em outros lugares.
    O novo coronavírus mata ao inflamar e entupir os pequenos sacos de ar nos pulmões, sufocando o suprimento de oxigênio do corpo até que ele desligue os órgãos essenciais para a vida.

    Mas clínicos ao redor do mundo estão vendo evidências que sugerem que o vírus também pode estar causando inflamação cardíaca, doença renal aguda, mau funcionamento neurológico, coágulos sanguíneos, danos intestinais e problemas hepáticos. Esse desenvolvimento tem complicado o tratamento dos casos mais graves de covid-19, a doença causada pelo vírus, e torna o curso da recuperação menos certo, disseram eles.

    A prevalência desses efeitos é grande demais para atribuí-los apenas à “tempestade de citocinas”, uma poderosa resposta do sistema imunológico que ataca o organismo, causando graves danos, disseram médicos e pesquisadores.

    Quase metade das pessoas hospitalizadas por causa da covid-19 tem sangue ou proteína na urina, indicando danos aos rins precoces, disse Alan Kliger, um nefrologista da Faculdade de Medicina de Yale que co-preside uma força-tarefa que auxilia pacientes com covid-19.
    A tomografia computadorizada mostra tecido danificado dos pulmões de um paciente com covid-19
    Keith Mortman produziu um modelo 3-D dos pulmões de um paciente com covid-19. (Jayne Orenstein/The Washington Post)

    Ainda mais alarmante, ele acrescentou, são os dados iniciais que mostram 14 a 30% dos pacientes de terapia intensiva em Nova York e Wuhan, China – berço da pandemia – perdendo a função renal e exigindo diálise, ou seu primo hospitalar, terapia de substituição renal contínua. As unidades de terapia intensiva de Nova York estão tratando tanta insuficiência renal, disse ele, eles precisam de mais pessoal que possa realizar diálise e fizeram uma chamada urgente para voluntários de outras partes do país. Eles também estão correndo perigosamente com falta dos fluidos estéreis usados para fazer terapia renal contínua, disse ele.

    “É um número enorme de pessoas que têm esse problema”. Isso é novidade para mim”, disse Kliger. “Acho muito possível que o vírus se prenda às células renais e as ataque”.

    Mas, na medicina, as inferências lógicas muitas vezes não se mostram verdadeiras quando a pesquisa é conduzida.Todos os entrevistados para esta história ressaltaram que com a pandemia ainda forte, estão especulando com muito menos dados do que normalmente é necessário para se chegar a conclusões clínicas sólidas.

    Muitas outras possíveis causas de danos aos órgãos e tecidos devem ser investigadas, disseram, incluindo a angústia respiratória, os medicamentos que os pacientes receberam, a febre alta, o estresse da internação em UTI e o impacto agora bem descrito das tempestades de citocinas.

    Ainda assim, quando pesquisadores em Wuhan realizaram autópsias em pessoas que morreram de covid-19, descobriram que nove dos 26 tinham lesões renais agudas e que sete tinham partículas do coronavírus em seus rins, segundo um artigo dos cientistas de Wuhan publicado em 9 de abril na revista médica Kidney International.

    “Isso levanta a suspeita muito clara de que pelo menos uma parte da lesão renal aguda que estamos vendo é resultante do envolvimento viral direto do rim, que é diferente do que foi visto no surto da SRA em 2002”, disse Paul M. Palevsky, nefrologista da Escola de Medicina da Universidade de Pittsburgh e presidente eleito da National Kidney Foundation.

    Um hospital de Nova York teve recentemente 51 pacientes na UTI que precisavam de tratamento renal 24 horas por dia, mas tinham apenas 39 máquinas para fazê-lo, disse ele. O hospital teve que racionar os cuidados, mantendo cada paciente na terapia menos de 24 horas por dia, disse ele.

    O vírus também pode estar danificando o coração. Clínicos na China e em Nova York relataram miocardite, uma inflamação do músculo cardíaco e, mais perigosos, ritmos cardíacos irregulares que podem levar à parada cardíaca em pacientes covardes-19.

    “Eles parecem estar indo muito bem no que diz respeito ao estado respiratório e, de repente, desenvolvem um problema cardíaco que parece desproporcional aos seus problemas respiratórios”, disse Mitchell Elkind, um neurologista da Universidade de Columbia e presidente eleito da Associação Americana do Coração. “Isso parece estar fora de proporção à sua doença pulmonar, o que faz as pessoas se perguntarem sobre esse efeito direto”.

    Uma revisão de pacientes graves na China descobriu que cerca de 40% sofreram arritmias e 20% tiveram algum tipo de lesão cardíaca, disse Elkind. “Há alguma preocupação de que parte dela possa ser devida à influência direta do vírus”, disse ele.

    O novo vírus entra nas células de pessoas que estão infectadas por travamento no receptor ACE2 na superfície celular. Sem dúvida, ataca as células do trato respiratório, mas há uma suspeita crescente de que está usando a mesma porta para entrar em outras células. O trato gastrointestinal, por exemplo, contém 100 vezes mais desses receptores do que outras partes do corpo, e sua superfície é enorme.

    “Se você o desenrolar, é como uma quadra de tênis de superfície – essa tremenda área para o vírus invadir e se replicar”, disse Brennan Spiegel, co-editora chefe do American Journal of Gastroenterology.

    Em um subconjunto de casos de covide-19, pesquisadores descobriram que o sistema imunológico que combate a infecção entra em hyperdrive. A resposta descontrolada leva à liberação de uma inundação de substâncias chamadas citocinas que, em excesso, podem resultar em danos a múltiplos órgãos. Em alguns pacientes gravemente doentes com covídeo-19, os médicos encontraram níveis elevados de uma citocina pró-inflamatória chamada interleucina-6, conhecida pelo estenógrafo médico IL-6.

    A resposta sem restrições, também chamada de “síndrome de liberação de citocinas”, tem sido reconhecida há muito tempo em outros pacientes, incluindo aqueles com doenças auto-imunes como artrite reumatóide ou em pacientes com câncer submetidos a certas imunoterapias.

    Para pacientes com covide-19, as tempestades de citocinas são uma das principais razões pelas quais alguns necessitam de cuidados intensivos e ventilação, disse Jeffrey S. Weber, vice-diretor do Perlmutter Cancer Center do NYU Langone Medical Center.

    “Quando suas citocinas estão sistemicamente fora de controle, coisas ruins acontecem”, disse ele. “Pode ser um desastre completo”. Não está claro porque as tempestades de citocinas ocorrem em alguns pacientes e não em outros, embora fatores genéticos possam ter um papel, dizem alguns médicos.

    Para tratar as tempestades de citocinas, alguns médicos estão usando drogas anti-IL-6 como o tocilizumabe, que é aprovado para pacientes com câncer que desenvolvem tempestades de citocinas como resultado da imunoterapia.

    Outro sintoma estranho, e agora bem conhecido, da covide-19 é a perda do olfato e do gosto. Claire Hopkins, presidente da Sociedade Britânica de Rinologia, disse que estudos de pacientes na Itália e em outros lugares mostraram que alguns perdem o olfato antes de mostrarem sinais de estarem doentes.

    “O coronavírus pode realmente atacar e invadir terminações nervosas olfativas”, disse Hopkins. Quando essas fibras detectoras de aroma são perturbadas, elas não podem enviar odores para o cérebro”.

    Anosmia – o termo médico para incapacidade de cheirar – não foi inicialmente reconhecido como um sintoma de covide-19, disse Hopkins. Os médicos estavam tão sobrecarregados com pacientes com problemas respiratórios graves, disse ela, que “eles não fizeram a pergunta”.

    Mas dados subsequentes de um aplicativo de rastreamento de sintomas mostraram que 60% das pessoas diagnosticadas posteriormente com o covid-19 relataram perda dos sentidos do olfato e do paladar. Cerca de um quarto dos participantes experimentaram anosmia antes de desenvolverem outros sintomas, sugerindo que pode ser um sinal de alerta precoce de infecção.

    Intrigantemente, disse Hopkins, pessoas que perdem o olfato não parecem desenvolver os mesmos graves problemas respiratórios que tornaram a covid-19 tão mortal. Mas um número muito pequeno de pacientes tem experimentado confusão, baixos níveis de oxigênio no sangue e até mesmo perda da consciência – um sinal de que o vírus pode ter viajado ao longo de suas terminações nervosas olfativas diretamente para o sistema nervoso central.

    “Por que você tem essa expressão diferente em pessoas diferentes, ninguém sabe”, disse ela.

    Há também relatos de que a covid-19 pode tornar os olhos das pessoas vermelhos, causando conjuntivite, ou pinkeye, em alguns pacientes. Um estudo de 38 pacientes hospitalizados na província de Hubei, na China, descobriu que um terço tinha conjuntivite.

    Mas, como muitos dos efeitos não respiratórios do vírus, este sintoma pode ser relativamente incomum – e pode se desenvolver apenas em pessoas já gravemente doentes. O fato de o vírus ter sido encontrado na membrana mucosa que cobre o olho em um pequeno número de pacientes, entretanto, sugere que o olho pode ser uma entrada para o vírus – e é um dos motivos pelos quais escudos faciais e óculos de proteção estão sendo usados para proteger os profissionais de saúde.

    O vírus também está tendo um claro impacto sobre o trato gastrointestinal, causando diarréia, vômitos e outros sintomas. Um estudo descobriu que metade dos pacientes covardes-19 tem sintomas gastrointestinais, e especialistas cunharam a hashtag #NotJustCough para as mídias sociais para conscientizar sobre eles.

    Estudos sugerem que pacientes com sintomas digestivos também desenvolverão uma tosse, mas uma pode ocorrer dias antes da outra.

    “A questão é, será que ela se comporta como um híbrido de vírus diferentes?”. disse Spiegel. “O que estamos aprendendo é que, de qualquer forma, parece que este vírus reside em mais de um sistema de órgãos”.

    Relatórios também indicam que o vírus pode atacar o fígado. Uma mulher de 59 anos em Long Island chegou ao hospital com urina escura, que acabou sendo encontrada como sendo causada por hepatite aguda. Após ela desenvolver uma tosse, os médicos atribuíram o dano hepático a uma infecção por covide-19.

    Spiegel disse que tem visto mais relatos desses a cada dia, incluindo um da China em cinco pacientes com hepatite viral aguda.

    Um perigo particular do vírus parece ser sua tendência a produzir coágulos nas veias das pernas e outros vasos, que podem se romper, viajar para o pulmão e causar a morte por uma condição conhecida como embolia pulmonar.
    Um exame de 81 pacientes hospitalizados com pneumonia causada pela covid-19 em Wuhan constatou que 20 tiveram tais eventos e que oito deles morreram. Os dados revistos por pares foram publicados online no dia 9 de abril no Journal of Thrombosis and Hemostasis.

    Em toda a cidade de Nova York, diluentes de sangue estão sendo usados com pacientes com covid-19 muito mais do que o esperado, disse Sanjum Sethi, cardiologista intervencionista e professor assistente de medicina do Centro Médico Irving da Universidade de Columbia.

    “Estamos vendo tantos desses eventos que temos que investigar mais”, disse ele.

  6. COM RELAÇÃO À MACABRA NOTÍCIA “´EXÉRCITO BRASILEIRO JÁ SONDA AS CIDADES SOBRE CAPACIDADE EM CEMITÉRIOS”, LEIA ESTE COMENTÁRIO DO INTERNAUTA FRANCISCO DE ASSIS

    Essa preocupação macabra dá bem a ideia dos interesses do exército de ocupação: já um dos principais assassinos e coveiro da democracia no Brasil, preocupa-se agora em se tornar coveiro do próprio povo.

    Não deveriam estar preocupados em disponibilizar todo o seu sistema de saúde para combater a pandemia, defendendo toda a população civil e não apenas para cuidar dos seus próprios membros militares?

    Só para saber qual deveria ser a real preocupação desses senhores: ”

    O Sistema de Saúde do Exército, responsável por prover assistência médico-hospitalar a militares e seus dependentes, seja em tempo de paz ou de guerra, também possui como encargos a seleção dos que vão compor o Corpo de Médicos, Odontólogos e Farmacêuticos; a manutenção do material de saúde e a medicina preventiva para seus beneficiários. É estruturado em 545 seções de Saúde instaladas em organizações militares da Força; 23 postos médicos de Guarnição; quatro policlínicas militares; 15 hospitais de Guarnição; 11 hospitais-gerais e ainda o Hospital Central do Exército.

    Ainda devem ser destacados a Escola de Saúde do Exército, encarregada da formação de pessoal de Saúde; o Instituto de Biologia do Exército, das pesquisas biológicas; e o Laboratório Químico Farmacêutico do Exército, da produção de medicamentos.” [1]

    – – – – – – – – – – – – –
    [1] http://www.eb.mil.br/saude1

  7. Lula: Bolsonaro leading Brazil ‘to slaughterhouse’ over Covid-19
    https://www.theguardian.com/world/2020/apr/17/lula-bolsonaro-brazil-to-slaughterhouse-covid-19-coronavirus?
    Trad:
    Lula: Bolsonaro conduzindo o Brasil “ao matadouro” sobre o Covid-19

    Ex-presidente marca atualmente líder um ‘troglodita’ que deve ser afastado do cargo
    por Tom Phillips no Rio de Janeiro
    Sex 17 Abr 2020 10.00 BST

    Jair Bolsonaro está levando os brasileiros “ao matadouro” com seu manejo criminalmente irresponsável do coronavírus, disse o ex-presidente do país, Luiz Inácio Lula da Silva.
    Em uma entrevista apaixonada com o Guardião – que chegou com o número de mortos no Covid-19 atingindo 1.924 – Lula disse que, ao minar o distanciamento social e defenestrar seu próprio ministro da saúde, o líder “troglodita” brasileiro correu o risco de repetir as cenas devastadoras que estão acontecendo no Equador, onde famílias tiveram que largar os cadáveres de seus entes queridos nas ruas.
    “Infelizmente eu temo que o Brasil vai sofrer muito por causa da imprudência de Bolsonaro … Eu temo que se isso crescer o Brasil poderá ver alguns casos como aquelas imagens horríveis e monstruosas que vimos em Guayaquil”, disse o esquerdista de 74 anos.
    “Não podemos querer derrubar um presidente só porque não gostamos dele”, admitiu Lula. “Mas] se Bolsonaro continuar cometendo crimes de responsabilidade… [e] tentando levar a sociedade ao matadouro – que é o que ele está fazendo – acho que as instituições vão precisar encontrar uma maneira de separar Bolsonaro. E isso significará que você precisará ter um impeachment”.
    Bolsonaro – um orgulhosamente homofóbico ex-capitão do exército já desprezado pelos progressistas brasileiros por sua hostilidade ao meio ambiente, aos direitos indígenas e às artes, bem como por suas supostas ligações com a máfia carioca – alienou milhões mais com sua postura desdenhosa em relação ao coronavírus, que ele menospreza como “histeria” da mídia e “um pouco de frio”.
    Desde que a Organização Mundial de Saúde declarou a pandemia, em 11 de março, o presidente brasileiro tem repetidamente se distanciado socialmente, primeiro com uma série de visitas provocatórias a padarias, supermercados e farmácias. Durante um passeio desnecessário, declarou Bolsonaro: “Ninguém vai impedir o meu direito de ir e vir.”
    Em março, o populista de direita até sugeriu que os brasileiros não precisam se preocupar com o Covid-19, pois poderiam se banhar em excrementos “e nada acontece”.
    Tais movimentos colocaram Bolsonaro na cabeça dos madeireiros com seu próprio ministro da saúde, Luiz Henrique Mandetta, um médico-político que foi demitido na quinta-feira depois de desafiar o comportamento do presidente.
    Enquanto isso, o filho político de Bolsonaro, Eduardo, levou a bola de demolição aos laços com o parceiro comercial mais importante do Brasil, a China, acusando seus líderes do partido comunista de serem os culpados da crise do coronavírus.
    As ações de Bolsonaro têm provocado protestos noturnos de pancadaria nas cidades de cima a baixo do país e atraído o desprezo de todo o espectro político.
    “O Coronavírus deve estar rindo”, escreveu esta semana Eliane Cantanhêde, colunista do jornal conservador Estado de São Paulo, sobre as artimanhas do Bolsonaro.
    Lula, que governou de 2003 a 2010, disse que as ações “grotescas” de Bolsonaro estavam colocando vidas em risco ao “induzir um pedaço da sociedade a contratar o coronavírus”, ignorando as diretrizes de distanciamento postas em prática pelo próprio Ministério da Saúde do Brasil.
    “É natural que uma parcela da sociedade não entenda a necessidade de ficar em casa ou o quanto isso é sério – especialmente quando o presidente da república é um troglodita que diz ser apenas uma pequena gripe”, disse Lula por vídeo-chamada da cidade brasileira de São Bernardo do Campo, onde está em auto-isolamento depois de voltar de um tour pela Europa.
    “A verdade é que Bolsonaro não tem o equilíbrio psicológico para liderar um país”. Ele não pensa no impacto que seus atos destrutivos têm sobre a sociedade. Ele é imprudente”.
    Após demitir seu ministro da Saúde, Bolsonaro alegou estar lutando pelo “sofrido povo brasileiro” e alertou que o coronavírus ameaçou se tornar “um verdadeiro moedor de carne de trabalho”.
    “Em nenhum momento o governo abandonou os mais necessitados… As massas empobrecidas não podem ficar presas em casa”, disse Bolsonaro. “Eu sei que … a vida não tem preço. Mas a economia e o emprego devem voltar ao normal”.
    Lula, que nasceu na pobreza rural e ganhou aplausos internacionais por sua luta contra a fome, zombou da idéia de que Bolsonaro era um campeão dos pobres.
    “Bolsonaro só está interessado em si mesmo, em seus filhos, em alguns generais bastante conservadores e em seus amigos paramilitares”, afirmou, referindo-se a alegações de longa data sobre os laços familiares do presidente brasileiro com a máfia do Rio de Janeiro.
    “Ele não fala com a sociedade. O bolonaro não tem ouvidos para ouvir. Ele só tem boca para falar bobagens”.
    Enquanto o ex-presidente brasileiro alegou que o impeachment era uma opção, ele admitiu que não havia atualmente apoio para isso no congresso do país, como havia quando sua sucessora de esquerda, Dilma Rousseff, foi destituída do cargo em 2016.
    Ele disse que muitos políticos de direita acharam mais sensato permitir que Bolsonaro continuasse sabotando suas chances de reeleição em 2022 por sua própria incompetência – antes de eleger outro presidente da direita.
    Lula, que foi afastado das eleições de 2018 depois de ser preso por acusações de corrupção disputadas, sinalizou que não seria o candidato de esquerda nessa disputa.
    “Perdi meus direitos políticos e não estou falando de mim”, disse Lula, que foi libertado em novembro de 2019 de 580 dias de prisão após uma decisão do Supremo Tribunal Federal.
    “Mas vou lhe dizer uma coisa, você pode ter certeza de que a esquerda vai governar o Brasil novamente depois de 2022. Não precisamos falar sobre quem é o candidato neste momento”. Mas vamos votar em alguém que esteja comprometido com os direitos humanos e os respeite, que respeite a proteção ambiental, que respeite a Amazônia… que respeite os negros e os indígenas”. Vamos eleger alguém que esteja comprometido com os pobres deste país”.
    Os observadores da política brasileira estão menos seguros de que Bolsonaro está totalmente acabado – ou que a esquerda está bem posicionada para substituí-lo.
    Alguns acreditam que Bolsonaro – um dos apenas quatro líderes mundiais que ainda desvaloriza o coronavírus ao lado dos presidentes autoritários da Nicarágua, Bielorrússia e Turcomenistão – obliterou suas chances de um segundo mandato com sua resposta à crise.
    Mas Thomas Traumann, comentarista político e ministro das comunicações sob o comando de Dilma, disse que tal certeza era prematura: “Faltam dois séculos até 2022.”
    Traumann disse que era claro que Bolsonaro tinha se enfraquecido seriamente – mas até agora políticos de direita como os governadores do Rio de Janeiro e de São Paulo pareciam estar capitalizando mais os erros de Bolsonaro.
    E, no final das contas, o Brasil estava se precipitando em semanas tão imprevisíveis e potencialmente tumultuadas que era impossível saber quais poderiam ser as consequências políticas.
    “Sabemos que o bolonaro sairá mais fraco”. Sabemos que seus erros não serão perdoados”, disse Traumann.
    Como as fichas políticas cairiam depois disso era o palpite de qualquer um, acrescentou Traumman, comparando a situação do Brasil ao início de um passeio de montanha-russa.
    “Tudo o que sabemos é que muitos loops estão pela frente… Estamos nos movendo para um mundo desconhecido… Estamos navegando na escuridão”.
    Lula disse ter certeza de uma coisa: que, em um momento de crise nacional, o Brasil precisava de um líder capaz de unir seus 211 milhões de cidadãos.
    “Um presidente deveria ser como o maestro de uma orquestra”, disse ele. O problema é que nosso maestro não sabe nada de música, não sabe ler uma partitura e nem sabe como funcionam os bastões”.
    “Ele está tentando tocar música clássica com os instrumentos que você usa para tocar samba”. Ele transformou sua orquestra em uma loucura – uma Torre de Babel”, disse Lula. “Ele não sabe o que está fazendo no palácio presidencial… Nem Trump o leva a sério”.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome