Clipping do dia

As matérias para serem lidas e comentadas.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Uma entrevista com Carol Dartora (PT), primeira mulher negra eleita vereadora em Curitiba

9 comentários

  1. BR: Em carta aberta divulgada nesta sexta-feira 3, o cônsul da China no Rio de Janeiro, Li Yang, passou uma verdadeira descompostura no deputado Eduardo Bolsonaro, filho 03 do presidente Jair Bolsonaro, por ele ter chamado o novo coronavírus de ‘vírus chinês’.

    https://br2pontos.com.br/nacional/voce-e-realmente-tao-ingenuo-e-ignorante-pergunta-consul-da-china-a-eduardo-bolsonaro-seria-mais-prudente-nao-criar-mais-confusoes/#.XofG_Y7O6zS.twitter

  2. Artigo: Valorize as relações China-Brasil, deputado Eduardo – Jornal O Globo

    https://twitter.com/BlogdoNoblat/status/1246303409881387010

    Do consul da China para Bananinha (em chinês tradicional, 香蕉皮
    Xiāngjiāo pí):

    “Felizmente, mesmo com todos os seus insultos à China, você não conseguirá tornar a China inimiga do Brasil, porque você realmente não pode representar o grande país que é o Brasil.”

  3. BOLSONERO QUER DESTRUIR O CORONAVÍRUS COM JEJUM E ORAÇÕES. E A LOUQUINHA DA DAMARES CONCORDA.

    Com rejeição crescente por atuação na epidemia, Bolsonaro apela a evangélicos ao convocar jejum

    04/04/2020 16h00

    Por Lisandra Paraguassu

    BRASÍLIA (Reuters) – A redução do apoio às suas posições em meio à epidemia de coronavírus levou o presidente Jair Bolsonaro a voltar suas forças para um eleitorado que, em parte, tem se mantido fiel a seu governo, os evangélicos, e convocar um dia de “jejum e oração” a favor de seu governo e contra a epidemia.

    A ideia foi levada ao presidente por um grupo de pastores de Minas Gerais que o esperava na tarde de quinta-feira em frente ao Alvorada. Um deles disse a Bolsonaro que ele, como “autoridade maior”, deveria proclamar um “jejum para toda a nação”.

    “Nós todos vamos jejuar, vamos orar”, diz o pastor, sem se identificar, em um vídeo que foi transmitido ao vivo pelo Facebook do presidente.

    Mais tarde, em entrevista à rádio Jovem Pan, Bolsonaro consolidou a ideia: “A gente vai junto com pastores e religiosos anunciar para pedir um dia de jejum ao povo brasileiro em nome de que o Brasil fique livre desse mal o mais rápido possível”, disse.

    https://www.conversaafiada.com.br/brasil/damares-volta-a-defender-dia-de-jejum-e-oracao-contra-o-coronavirus

    DEPOIS DO JEJUM VEM O DESJEJUM

    Sugestão para o desjejum: sopa de coronavírus com aspargo.

    RECEITA:
    – Colete numa grande panela de ferro fundido esmaltado a água proveniente da lavagem das mãos dos pastores Silas Malafaia e Edir Macedo, depois da contagem do dinheiro proveniente das ofertas dos fiéis bolsonaristas num dia qualquer da semana. Lembre-se que nenhuma mão pega em tanto dinheiro quanto a mão de um pastor fascista, e esqueça essa frescura de pedir para eles lavarem as mãos com álcool em gel para o vírus perder sua fortidão.

    Para você ter uma pálida ideia dos números, calcula-se que a média da concentração de coronavírus na mão de um pastor da Universal ou da Assembleia de Deus Vitória em Cristo é de aproximadamente 50 milhões de bichinhos por polegada quadrada (de mão), todos eles ansiosos por um corpinho em jejum para se reproduzirem.

    Use os ingredientes listados segundo a receita encontrada em https://naminhapanela.com/2017/06/sopa-de-aspargos/, aqui parcialmente modificada e reproduzida:

    Sopa de aspargos (com milhões de coronavírus,acrescento)

    Esse é um creme de aspargos bem levinho (o coronavírus tem o peso de um próton), é super fácil de preparar e fatal. A receita é a seguinte:

    450g de aspargo verde fresco
    1 cebola pequena
    1 colher de sopa de manteiga
    ½ litro de caldo de legumes
    100ml de creme de leite
    1 colher de chá de azeite
    50g de queijo parmesão
    Sal e pimenta do reino a gosto
    Modo de Preparo
    Comece refogando a cebola junto com a manteiga e o azeite.
    Posteriormente, quando a cebola estiver bem macia, adicione os aspargos cortados em pedaços (não esqueça de separar algumas partes de cima para enfeitar).
    Então, adicione o caldo de legumes e em fogo baixo, deixe cozinhar bem e o líquido reduzir.
    Quando os aspargos estiverem bem macios, processe a mistura (você pode usar também um mixer ou um liquidificador) até formar um creme uniforme.

    Então, deixe o creme esfriar bem muito e adicione os 10 litros da água provenientes da lavagem de mãos dos pastores já mencionados.

    OBS: Não leve mais ao fogo: esta sopa é saborosa quando tomada bem friinha.

    Ah, sim! Não se esqueça de orar bem muito pela sua alma e de seus familiares. Boa entrada no céu.

  4. https://fr.wikipedia.org/wiki/Didier_Raoult
    trad:

    Didier Raoult

    Didier Raoult, nascido em 13 de março de 1952 em Dakar, Senegal, é um especialista francês em doenças infecciosas e professor de microbiologia. Ele é especialista em doenças infecciosas tropicais emergentes na Faculdade de Ciências Médicas e Paramédicas de Marselha e no Instituto Hospitalar Universitário de Doenças Infecciosas de Marselha (IHU).

    Vencedor do Grande Prêmio Inserm em 2010, ele e sua equipe de Marselha descrevem vírus complexos. Ele é um dos mais citados pesquisadores franceses, com inúmeras publicações científicas a seu crédito.

    Conhecido por sua franqueza e posição iconoclasta, ganhou notoriedade na mídia internacional em 2020 quando, com sua equipe, alegou ter encontrado um tratamento para o coronavírus 2019.
    Conteúdo

    1 Biografia
    2 Carreira profissional
    2.1 Pesquisa
    2.2 Conscientização do Público
    3 Campos de busca
    3.1 Microbiologia Clínica
    3.2 Vírus gigantes
    3.3 Novas Bactérias
    3.4 Rickettsia, bartonella, febre Q
    3.5. Doença de Whipple
    3.6 Paleomicrobiologia
    3.7 Microbiogenómica
    3.8 Análise de Microbiota Humana
    3.9 Estudo Probiótico
    3.10 O HIV no caminho da endogeneização
    4 Posições
    4.1 Notícias políticas
    4.2 Priorizando os riscos: o que acontece versus o que pode acontecer
    4.3 Pandemia da Covid-19
    5 Controvérsias
    5.1 Mudanças Climáticas
    5.2 Suspeita de Fraude Científica
    5.3 Acusações de sexismo dentro de sua unidade
    5.4 Relações com instituições
    6 Publicações e livros
    6.1 Número de publicações e taxas de citação
    6.2 Relatórios
    6.3 Livros publicados
    7 Prêmios
    7.1 Prêmios e Premiações
    7.2 Decorações
    8 Referências
    9 Veja também
    9.1 Links externos
    9.2 Artigos Relacionados

    Biografia

    Ele nasceu em 13 de março de 1952 em Dakar, Senegal. Seu pai era médico militar normando, fundador da organização de pesquisa sobre alimentação e nutrição africana (Orana)1,2 e sua mãe enfermeira bretã. A família mudou-se para Marselha em 1961.

    Ele passou parte de seus estudos em uma escola secundária em Nice, depois em um internato em Briançon3. Didier Raoult foi um mau aluno2,4 e saiu para trabalhar aos 174 anos por dois anos em navios (transatlântico4 e navio mercante5).

    Em 1972, passou no bacharelado literário como candidato livre e depois se matriculou na Faculdade de Medicina de Marselha6 , pois “estes eram os únicos estudos que seu pai aceitava financiar”.2 Passou no estágio e obteve o doutorado. Ele queria se tornar um obstetra, mas sua classificação de estagiário lhe permitiu tornar-se um infectologista, como seu bisavô Paul Legendre7,8.

    7,8 Casado em 1982 com Natacha Cain, psiquiatra, ele é pai de três filhos.

    Carreira Profissional

    Didier Raoult descobriu uma forma de cultivar os rickettsies, o que lhe permitiu estudá-los e em 1983, criou a Unidade Rickettsies. Tendo se tornado professor, ele dirige teses sobre doenças infecciosas na Faculdade de Ciências Médicas e Paramédicas de Marselha1.Foi Presidente da Université de la Méditerranée Aix-Marseille II de 1994 (onde foi eleito ao invés de Michel Fougereau) a 1999

    A pedido do governo, após a epidemia da SRA, ele escreveu um relatório sobre bioterrorismo e riscos epidemiológicos em 2003. Nele, ele aponta o despreparo do sistema de saúde francês no caso de uma pandemia. Ele recomendou um grande discurso que lançaria as bases para uma nova política de saúde capaz de antecipar melhor os riscos epidemiológicos, que ele via como um dos maiores desafios de um mundo interligado. Ele adverte contra os riscos de sobrecarregar os serviços de saúde franceses e recomenda equipar os hospitais com infectiopolos, incluindo unidades de produção de testes, a fim de identificar os primeiros doentes o mais rapidamente possível.

    De 2008 a 2017, chefia a Unidade de Pesquisa sobre Doenças Infecciosas e Tropicais Emergentes (Urmite) em Marselha e Dakar dentro do campus de Hann do Institut de recherche pour le développement (IRD) e da Universidade Cheikh-Anta-Diop (UCAD)15.

    Sua equipe está por trás da criação de uma série de start-ups. Entretanto, diante dos problemas de financiamento, ele critica o sistema francês “igualitário” e pede avaliações individuais.

    Em 19 de Novembro de 2010, foi premiado com o Inserm Grand Prix 2010 por toda a sua carreira.

    Graças à maior bolsa concedida na França para pesquisa médica (72,3 milhões de euros da ANR20 como parte do PIA (Programa Investissements d’Avenir)21,22 , Didier Raoult está tendo um novo prédio construído para abrigar a IHU Infecção Méditerrânea, que será inaugurado em 201823. Este instituto dedica-se ao diagnóstico, manejo e estudo de doenças infecciosas, incluindo cuidados, pesquisa e ensino24. Os membros fundadores da IHU Méditerranée Infecção são: a Universidade de Aix-Marseille, Assistance publique – Hôpitaux de Marseille, BioMérieux, o Estabelecimento Francês de Sangue, o IRD, o Serviço de Saúde do Exército Francês25. Recebe apoio da União Européia e do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional, assim como inúmeras parcerias26.
    Notoriedade

    O site americano Expertscape, especializado em referenciar médicos especialistas27 , o classifica em primeiro lugar no mundo em doenças transmissíveis em 202028,29.

    Com suas posições sobre a pandemia de Covid-19, criticadas por parte da comunidade científica, Didier Raoult se tornou em 2020 uma das personalidades mais seguidas pela grande mídia e redes sociais na França e no mundo. Em março de 2020, ele apareceu em segundo lugar no barômetro Odoxa das figuras políticas favoritas da França. Seu canal do Youtube na IHU em Marselha tem milhões de visualizações, e sua conta pessoal no Twitter tem mais de 100.000 assinantes. Ele é apoiado por várias personalidades (Valérie Boyer, Christian Estrosi, Philippe Douste-Blazy, Éric Cantona, Dieudonné…) e grupos do Facebook30 – incluindo Coletes Amarelos31. O grupo do Facebook “Didier Raoult Vs Coronavirus”, criado em 20 de março de 2020, tem 370 mil membros em poucos dias; de acordo com a análise do INA’s Media Review, o conteúdo do que é publicado ali é semelhante à comunicação institucional da IHU de Marselha, o que limita o escopo da comparação com os “casacos amarelos “30. De acordo com alguns meios de comunicação, adquire um status de denunciante32 e figura central33 em círculos conspiratórios. Nas redes sociais, alguns vídeos de Didier Raoult são objeto de comentários anti-semitas34 [relevância contestada]. Essas acusações e polêmicas acrescentadas ao debate sobre cloroquina dão a Didier Raoult imensa notoriedade midiática31. O nome cloroquina foi mencionado quase 250 vezes no canal de notícias da BFM TV em 2230 de março.
    Campos de busca
    Microbiologia Clínica

    Didier Raoult tem investido em microbiologia clínica35,36.

    35,36 Sua equipe foi uma das primeiras a utilizar um sequenciador de DNA em um laboratório de microbiologia clínica para sequenciar 16S de RNA ribossômico para identificação bacteriana.

    37 Seu laboratório foi então o primeiro a utilizar rotineiramente o MALDI-TOF para identificação bacteriana de rotina. Então Didier Raoult foi o primeiro a montar um laboratório de atendimento em um hospital39,40.

    A equipe de Didier Raoult relata casos de endocardite com hemoculturas negativas e determina as etiologias das bactérias que são fastidiosas ou destruídas por antibióticos41. Propôs um tratamento específico para endocardite negativa da hemocultura42 e também apresenta uma nova referência no manejo da endocardite43. Com relação à pericardite, a equipe de Didier Raoult tem relatado séries de pericardite que permitem o diagnóstico etiológico destas infecções e a descoberta de vírus anteriormente desconhecidos nesta situação44.

    A equipe de Didier Raoult trabalha com doenças transmitidas por carrapatos desde 1984 e produziu um grande número de publicações nas áreas de rickettsiose, borreliose e bartonelose.
    Vírus gigantes
    Vírus Sputnik

    Em relação aos vírus gigantes, ele identificou com Bernard La Scola um vírus ameba gigante, o mimivírus45. Desde então, a pesquisa sobre mimivírus continuou com a publicação de seu genoma46 e a descoberta do Sputnik o primeiro virofago, ou seja, um vírus capaz de infectar outro vírus a fim de se reproduzir47; a descoberta em mimivírus de um mecanismo de defesa que impede a implantação do virofago na fábrica de vírus (MIMIVIRE)48; e finalmente a demonstração de que este virofago poderia se integrar em células na forma de pró-virofago e que poderia estar associado a estruturas do tipo transposon chamado transpovírus49. Uma equipe chinesa provou em 2018 que a atividade enzimática do MIMIVIRE é comparável à do CRISPR50.
    Além disso, sua equipe descobriu Marseillevirus51 e Faustovirus (pt)52,53. Sua co-descoberta (com a equipe de Jean-Michel Claverie e Chantal Abergel54,55) de vírus gigantes desafia profundamente a classificação dos vírus. Didier Raoult relatou várias vezes que considerava que os vírus gigantes são de natureza diferente dos outros vírus e que constituem um quarto ramo de micróbios conhecido como TRUC for Things Resisting Uncompleted Classification, ou em francês “escolhe résistantes aux classifications incomplètes “56,57.

    Em 2018, a equipe, em colaboração com pesquisadores franceses, brasileiros e suecos, descobriu duas cepas de novos vírus gigantes, o Tupanvirus, os vírus mais longos da virosfera atualmente conhecida, e que representam um novo passo para a compreensão do mundo dos vírus gigantes58.
    Novas bactérias

    Desde os anos 90, ele e sua equipe identificaram e descreveram cerca de 100 novas bactérias patogênicas59. 59 Duas bactérias receberam seu nome: Raoultella planticola (pt) e Rickettsia raoultii (pt)60.
    Rickettsies, bartonella, febre Q
    Rickettsia conorii, uma espécie de Rickettsia conorii…

    Ele e sua equipe identificaram dez novas espécies de Rickettsia patogênica para humanos. Ele dirigiu e foi co-autor de duas revisões de referência61,62 e em particular mostrou que além da transmissão por piolhos, pulgas e carrapatos, uma Rickettsia também é suscetível à transmissão por mosquitos, sendo a espécie mais comum nos trópicos a Rickettsia felis (pt).63 A espécie mais comum nos trópicos é a Rickettsia felis (pt).

    O laboratório é um centro de referência nacional (parceria com o Institut de veille sanitaire) e um centro colaborador da OMS.

    Para os Bartonellas, a equipe foi a primeira a identificar seu papel na endocardite64.

    Para a febre Q, doença transmitida pelo agente bacteriano Coxiella burnetii, foi necessário redefinir os critérios diagnósticos, descrever todos os aspectos da doença e destacar o papel da bactéria na gênese dos linfomas não-Hodgkin’s65.

    Ele e sua equipe têm demonstrado o papel dos anticorpos antifosfolípidos na Coxiella burnetii endocardite66 e na trombose. Recentemente ele descreveu endocardite aguda67 e redefiniu a endocardite persistente. Ele desenvolveu as estratégias terapêuticas atualmente utilizadas pelo mundo médico (doxiciclina e hidroxicloroquina) utilizando pela primeira vez plaquetas para alcalinizar o vacúolo ácido no qual vivem as bactérias para permitir a atividade dos antibióticos inibidos por esta acidez68.
    Doença de Whipple

    Tropheryma whipplei, o agente causador da doença de Whipple, descrito em 1907 pelo Dr. Georges Hoyt Whipple, foi isolado pela primeira vez no laboratório de Didier Raoult69. 69 Sua equipe é uma das duas equipes mundiais que sequenciaram o genoma da bactéria. A descoberta de Tropheryma whipplei mostrou que a bactéria é relativamente comum no ambiente ou nas mucosas dos pacientes, sem necessariamente estar associada à patologia71.

    Para a doença de Whipple, ele introduziu o tratamento que se tornou o tratamento de referência com doxiciclina e hidroxicloroquina72 e descreve as formas agudas da doença que incluem pneumopatias73.
    Paleomicrobiologia

    Trabalhando com equipes de antropólogos, Didier Raoult, Michel Drancourt e Gérard Aboudharam estiveram entre os primeiros a se interessar pela paleomicrobiologia. Eles desenvolveram uma técnica de extração de DNA da polpa dental e estabeleceram o primeiro diagnóstico retrospectivo da peste da Idade Média, cujo ressurgimento ocorreu em Marselha no início do século XVIII74 e depois confirmaram, em amostras da peste do século XIV, que Yersinia pestis era o agente causal da Peste Negra75. Este trabalho foi contestado por Marcus Thomas Pius Gilbert (pt)76.

    A equipe de Didier Raoult também demonstrou que a peste Justiniana também era devida à peste Yersinia e sua equipe postulou que a transmissão extremamente rápida desta bactéria se devia à infecção do piolho que provavelmente desempenhou o papel de revezamento nesta epidemia77.

    Essas técnicas também levaram à descoberta da causa de morte de alguns soldados do exército de Napoleão I durante a retirada da Rússia das valas comuns descobertas em Vilnius78.
    Microbiogenómica

    Em 1999, Didier Raoult decidiu iniciar um novo programa de genômica e aplicá-lo em microbiologia e doenças infecciosas. A equipe começou com a Rickettsia conorii79.
    Análise da microbiota humana
    Se esta venda não for mais relevante, remova-a. Clique aqui para saber mais sobre as headbands.
    Este artigo ou seção não se baseia em fontes secundárias ou terciárias, ou não se baseia suficientemente em fontes secundárias ou terciárias (março de 2020).
    Para melhorar a verificabilidade do artigo ou desta seção, cite as fontes primárias através da análise das fontes secundárias indicadas por notas de rodapé (edite o artigo).

    A análise da microbiota humana, ou “culturomia microbiana “80 para utilizar o neologismo cunhado pelas equipes de Didier Raoult, deu origem a publicações, a primeira das quais (J.C. Lagier et al.) data de 2012, e é considerada como pertencente às primeiras 1.000 culturas microbianas conhecidas81. Esta pesquisa foi realizada para expressar a multiplicação de técnicas de cultura, identificação por MALDI-TOF e confirmação por seqüenciamento de 16S ribosomal RNA. A equipe do professor Raoult o descreveu em um encarte da revista Science de março de 201882.

    Esta nova abordagem técnica envolve a análise de quase 1.000 amostras do trato digestivo humano (fezes, estômago, intestino delgado e cólon), e a cultura de 1.170 diferentes bactérias presentes no trato digestivo, incluindo 247 espécies de bactérias totalmente novas. Além disso, 269 bactérias que eram conhecidas apenas do meio ambiente e 250 bactérias que já haviam sido isoladas de humanos mas nunca do trato digestivo foram isoladas pela primeira vez em humanos. Todas essas novas espécies bacterianas estão disponíveis em coleções internacionais de cepas (Collection de Souches de l’Unité des Rickettsies, e Deutsche Sammlung von Mikroorganismen und Zellkulturen). da biodiversidade é aplicada a microbiotos humanos. Assim, no estudo descrito na revista Nature Microbiology (en) em 201683,

    Após trabalho realizado pelo laboratório e publicado na Clinical Microbiology and Infection em setembro de 2012 , a equipe considera que esta abordagem da microbiota digestiva levou a um repensar do papel da microbiota na desnutrição85.

    Segundo ele ou sua equipe, esta produção de alto rendimento de novas espécies tornou necessário criar uma nova abordagem para a descrição das espécies chamada Taxonogenómica86,87.
    Microbianos e câncer

    Para melhorar a verificabilidade do artigo ou seção, citar fontes primárias através da análise das fontes secundárias indicadas por notas de rodapé (editar o artigo).

    Entre 2015 e 2018, Didier Raoult está desenvolvendo, em colaboração com outras equipes, pesquisas sobre a relação entre microbiota e câncer, em particular sobre as alterações no sistema imunológico de acordo com a composição da microbiota intestinal88,89. De fato, a estrutura do microbioma pode induzir mudanças no sistema imunológico e modular a farmacodinâmica dos medicamentos quimioterápicos e, portanto, a resposta dos pacientes às terapias82.
    Estudo Probiótico

    Um dos campos de pesquisa desenvolvidos por Didier Raoult é altamente controverso, mas em sua opinião representa uma grande questão de saúde pública. Diz respeito à manipulação da flora intestinal e obesidade90.

    Na revista científica Nature Reviews Microbiology91 de setembro de 2009, Didier Raoult afirma: “Iogurtes e bebidas lácteas contendo probióticos, por quase vinte anos, tiveram sua parcela de responsabilidade na epidemia de obesidade…”.

    Ele diz que “os probióticos são usados como promotores de crescimento no setor agrícola”. Estudos adicionais devem ser realizados para confirmar que são seguros para uso em humanos.
    O HIV no caminho da endogeneização

    Um trabalho conduzido por Didier Raoult e publicado em 2014 faz a analogia entre a evolução do coala retrovirus (en)92 atualmente em endogenização e uma aparente cura espontânea da infecção pelo HIV em dois pacientes nunca tratados com drogas anti-retrovirais e sem sintomas clínicos relacionados ao HIV ou ácido nucléico do HIV detectáveis no sangue por testes diagnósticos padrão. Seqüências de HIV obtidas desses dois pacientes utilizando técnicas modernas de seqüenciamento mostraram que os genes do HIV foram inativados pela substituição dos códons triptofanos por stop-codons, o que provavelmente se deve à ação de uma enzima celular, APOBEC (pt).
    Declarações de posição

    As posições assumidas por Didier Raoult, um médico autoconfiante que tem feito inúmeras intervenções na mídia, são descritas como às vezes iconoclastas, mas certamente polarizadoras, o que lhe rendeu um amplo apoio, incluindo o de muitos teóricos da conspiração.

    O professor Didier Raoult aparece regularmente na mídia. Escreve uma coluna, incluindo notícias políticas, no jornal Le Figaro de 1998 a 2001,97 na revista Le Point98 de 2011 a 2018,99 e desde 2017, aproximadamente trimestralmente, no jornal diário Les Échos.100 É também o editor da revista Le Point98.
    Priorizando os riscos: o que acontece contra o que pode acontecer

    Durante suas intervenções no debate público, Didier Raoult defendeu uma hierarquia de riscos, dando menos prioridade aos riscos “que poderiam acontecer”, resultado de modelos de previsão (epidemia global, bioterrorismo, crises ligadas ao aquecimento global), e mais prioridade aos riscos “que acontecem”, como as mortes ligadas ao açúcar, sal e tabaco. Ele dedica seu livro Your Health a esta edição101.

    Por exemplo, em artigo datado de 25 de janeiro de 2015, ele compara a taxa de mortalidade por ciclismo, que ele diz ser maior que a da mídia, como “a crise das vacas loucas, gripe aviária, Ébola, bioterrorismo, Chikungunya, SARS e o coronavírus do Oriente Médio “102.
    Pandemia da Covid-19
    Artigo detalhado: Desenvolvimento e pesquisa de medicamentos contra a Covid-19#Chloroquina e hidroxicloroquina.

    Em 21 de janeiro de 2020, no canal da IHU no YouTube, Didier Raoult relativizou o escopo da pandemia do coronavírus de 2020 na França, dizendo: “Há três chineses morrendo e isso faz um alerta global”. A OMS está se envolvendo, está sendo falado na televisão e no rádio. Tudo isso é uma loucura, não há mais lucidez “3.103. No início de fevereiro no JDD, ele persiste: “este vírus não é tão ruim “104.105.

    Em fevereiro de 2020, com suas equipes, monitorou medicamente as 181 pessoas repatriadas de Wuhan (China) e confinadas à quarentena em Carry-le-Rouet por causa da epidemia de Covid-197.

    Ele anuncia o “endgame” para o coronavírus em 25 de fevereiro de 2020, considerando que a hidroxicloroquina (droga relacionada ao medicamento antimalárico cloroquina) é “provavelmente o tratamento mais barato e simples para tratar o coronavírus Covid-19″105.106.107. Sua posição108 segue duas comunicações chinesas: a primeira em 25 de janeiro relatou alta eficácia in vitro, a segunda em 15 de fevereiro com resultados preliminares positivos em cerca de 100 pacientes109. É objeto de inúmeras advertências110 devido a inúmeras falhas no tratamento de outros vírus após resultados promissores in vitro, a falta de dados clínicos e a ausência de dados clínicos e contra-indicações, efeitos colaterais, riscos de overdose e problemas conhecidos de interação medicamentosa105.111. Em 6 de março, um primeiro estudo randomizado chinês realizado em uma pequena coorte de pacientes não demonstrou maior eficácia da hidroxicloroquina na remoção da Covid-19 em um teste no sétimo dia de tratamento, resultado que foi esmagadoramente alcançado com o tratamento convencional112. 112 O Departamento de Saúde afirma então que nenhum estudo rigoroso publicado em uma revista internacional revisada por pares demonstrou a eficácia da cloroquina no tratamento do coronavírus.

    113 Didier Raoult teria recebido ameaças de morte em 1 e 2 de março de 2020 para dissuadi-lo de defender a cloroquina.

    Em 11 de março de 2020, Didier Raoult tornou-se um dos 11 especialistas escolhidos para fazer parte do conselho científico da Covid-19, encarregado de informar as decisões a serem tomadas pelas autoridades para combater a pandemia na França115 , mas não compareceu a nenhuma das sessões e anunciou em 24 de março que se recusava a participar116.117.118. 116.117.118 Ele rapidamente se posicionou contra a política de baixa triagem e se dissociou das medidas de contenção adotadas na França,119 julgando que a mortalidade devida à doença era insignificante, tendo em vista sua baixa letalidade registrada, o que, em sua área geográfica (PACA), então dizia respeito a apenas duas pessoas com mais de 87 anos de idade para cento e vinte casos confirmados. Ele culpa a intensa super-mediatização do vírus sem nenhuma base científica, comparando estes números com os da Diamond Princess120.

    Em 16 de março de 2020, ele transmite um vídeo gravado na frente de seus alunos, no qual anuncia os resultados positivos de seu próprio estudo clínico105.121.122 , que será publicado no dia 20 de março.

    Inicialmente, a hidroxicloroquina não estava entre os medicamentos testados no primeiro ensaio clínico nacional anunciado em 11 de março. A justificativa dada então foi o risco de interação da droga com tratamentos de reanimação, efeitos colaterais e a ausência de hidroxicloroquina na lista de tratamentos prioritários recomendados pela OMS123. No entanto, em 17 de março, o Ministro da Saúde Olivier Véran, julgando os resultados de Didier Raoult e sua equipe como “promissores”, deu permissão para que outras equipes realizassem um julgamento maior “o mais rápido possível “124.

    Em 19 de março de 2020, Donald Trump declarou ter “aprovado” o uso da hidroxicloroquina, que segundo ele “mostrou resultados preliminares muito animadores” na luta contra a Covid-19.125 É muito provável que ele esteja se referindo e tenha sido influenciado pelo trabalho de Didier Raoult126.127. Foi imediatamente temperado pelo FDA, que quis tomar mais tempo para avaliar este tratamento e lançar “um ensaio clínico prolongado “128.129 , mas em 28 de março autorizou a prescrição hospitalar de cloroquina e hidroxicloroquina com base em dados franceses, que descreveu como “anedótico “130.

    130 Em 20 de março de 2020, os resultados preliminares deste experimento foram publicados sob o título “Hydroxychloroquine and Azithromycin as a treatment of COVID-19: preliminary results of an open-label non-randomized clinical trial”, na forma de uma “pré-publicação” não validada no site do MedRxiv131 e no International Journal of Antimicrobial Agents132. Críticas focadas principalmente na debilidade metodológica do estudo são feitas pela comunidade científica3.130.133.134.135 , pelo Conselho Científico Covid-19136 , e comentadas no site PubPeer137.

    A hidroxicloroquina participa de muitos ensaios clínicos rigorosos105 , incluindo o europeu Discovery138.139 do qual foi inicialmente excluída140.141. Os anúncios de Didier Raoult complicam a sua realização, com pacientes que exigem tratamento com hidroxicloro142.

    142 A equipe de Raoult anunciou em 22 de março que ofereceria a todos os pacientes infectados tratamento combinando hidroxicloroquina e o antibiótico azitromicina, excluindo o AMM143.144. O Alto Conselho de Saúde Pública (HCSP) recomenda que esta molécula não deve ser utilizada neste contexto, com exceção das formas graves da doença adquiridas em hospitais105. Em 23 de março, o ministro francês da Saúde anunciou que autorizaria o uso de hidroxicloroquina fora do MA para a Covid-19 em suas “formas graves, hospitalares, por decisão colegiada dos médicos e sob rigorosa supervisão” (autorização em vigor a partir de 26 de março de 2020145.146). Permanece desaconselhável em outros casos, enquanto se aguarda prova de sua eficácia147. De acordo com o INA Media Review, a mídia e as redes sociais estão divulgando as notícias muito amplamente30.

    Didier Raoult continua a defender o tratamento que ele propõe para “casos moderados a graves”. Quando os pacientes estão em terapia intensiva, é tarde demais “148. Em 27 de março, publicou no site da IHU os resultados de seu novo estudo sobre o efeito da combinação hidroxicloroquina + azitromicina em 80 pacientes com sintomas leves, estudo que, segundo ele, demonstra a eficácia do protocolo149.150 ; é rapidamente criticado, por um lado porque a maioria dos pacientes se recupera da doença com ou sem tratamento e, por outro, porque não inclui uma comparação com um grupo controle130.139.151. 130.139.151 Rony Brauman, diretor de estudos e ex-presidente da Médicos Sem Fronteiras, considera que “a forma como Didier Raoult apresentou a cloroquina como um medicamento milagroso pertence mais a um profeta do que a um especialista em saúde”. … Didier Raoult tem uma história como pesquisador sério, mas seu gênio autoproclamado não inspira confiança. Quanto à validade do seu ensaio, ele foi analisado com muita precisão “152.

    152 Alguns médicos, como o ex-ministro da Saúde Philippe Douste-Blazy153 ou o chefe do departamento de emergência do Hospital Europeu Georges-Pompidou Philippe Juvin154 , apoiam Didier Raoult e pedem a generalização do uso do Plaquenil nas cidades. No entanto, a revista médica independente Prescrire relata que a hidroxicloroquina poderia agravar a Covid-19, com base nos resultados iniciais de um estudo randomizado realizado na China em fevereiro155. As primeiras conclusões deste teste, publicadas no final de março de 2020, indicam que os quatro pacientes que evoluíram para doença grave estavam no grupo controle sem hidroxicloroquina156. Os centros de farmacovigilância estão relatando envenenamento cardíaco relacionado principalmente ao uso de Lopinavir/ritonavir, mas também Plaquenil envolvido em três mortes sem nenhuma certeza de causa.157.158 Para o professor Christian Perronne, chefe do departamento de infectologia do hospital Raymond-Poincaré em Garches, “é terrível notar que na medicina atual a abordagem empírica pode ser desprezada, sob o pretexto de que testes aleatórios com sorteio não foram utilizados “159.

    Em uma petição datada de 3 de abril de 2020, uma dúzia de personalidades médicas francesas conclamamam o Primeiro Ministro Edouard Philippe a autorizar mais amplamente e sem demora o uso da hidroxicloroquina, ou na falta desta, por todos os médicos do meu hospital, e se sua eficácia for confirmada, a estender sua disponibilidade aos médicos particulares. Assinado em particular por Philippe Douste-Blazy, Christian Perronne, Michèle Barzach, Isabelle Bourgault Villada, François Bricaire, Marc Gentilini, Olivier Goulet, Jacques Marescaux, Catherine Neuwirth, Patrick Pelloux, Paul Trouillas e Martine Wonner, este manifesto se baseia em uma taxa de mortalidade que seria menor em Marselha do que em toda a França e nas “ousadas decisões terapêuticas” tomadas em outros países. Pede ao Estado que encomende e reserve alguns deles160.
    Controvérsias

    Didier Raoult não gosta de consórcios nem de consensos. No retrato do pesquisador elaborado por Inserm6 , ele acolhe a controvérsia: “Nada me diverte mais do que destruir teorias tão bem estabelecidas”. »
    Mudanças Climáticas

    Em 2013, Didier Raoult publicou um artigo em que expressava seu ceticismo sobre modelos matemáticos de previsão climática161. Em particular, ele disse que os modelos matemáticos são a versão moderna da adivinhação. Em artigo datado de 1º de novembro de 2014162 , ele ironicamente observa, com relação à “pausa” observada no aquecimento global desde o final da década de 1990, que “a natureza esqueceu de obedecer a previsões”. “Na mesma publicação, em referência a um artigo publicado pouco antes na revista Nature, segundo o qual a temperatura global da Terra não é mais o indicador certo do aquecimento global, ele comentou: “É melhor quebrar o termômetro que te contradiz! »

    Em Le Point, em junho de 2014, ele estima que “após um significativo surto térmico nos anos 90, a Terra geralmente parou de aquecer desde 1998”. “Ele conclui que “o aquecimento global é incerto e a responsabilidade humana é questionável”. »

    Stéphane Foucart, jornalista científico do Le Monde, critica-o como um dos que propagam “embustes climáticos “164.
    Suspeita de fraude científica
    A relevância desta seção é questionada. Considere cuidadosamente o seu conteúdo. Melhore ou discuta.

    Segundo os pesquisadores Leonid Schneider e Elisabeth Bik, vários artigos publicados por Didier Raoult e suas equipes a partir de 2005 apresentam problemas metodológicos e falsificação ou manipulação de dados. Os artigos em questão foram sujeitos a correções, mas nenhum foi oficialmente retirado pelos editores científicos.165.166.167.168 [trabalho inédito?] Um desses estudos, referente ao tifo, levou em 2006 aos cinco autores do artigo, incluindo Didier Raoult, a serem proibidos de publicar por um ano em todas as revistas publicadas pela Sociedade Americana de Microbiologia.169.170.171.103,3 [trabalho inédito?] Os cinco autores do artigo, incluindo Didier Raoult, foram proibidos de publicar por um ano em todas as revistas publicadas pela Sociedade Americana de Microbiologia.
    Acusações de sexismo dentro de sua unidade

    Em carta anônima, datada de 31 de março de 2017 e endereçada aos comitês de saúde, segurança e condições de trabalho (CHSCT) do Inserm, CNRS e Universidade de Aix-Marseille, doze engenheiros e técnicos destacam graves disfunções no sentido do Eremita e suas unidades filhas, e denunciam condições deploráveis de trabalho e uma situação “insuportável e degradante”. Além disso, denunciam a total falta de reconhecimento e consideração, o comportamento inadequado, através de humilhações, alterações verbais e ameaças repetidas, de certos pesquisadores e diretores, a ausência de representantes eleitos e condições de trabalho “fora de qualquer regra “172.173.174. 172.173.174 Quatro queixas de assédio ou agressão sexual foram apresentadas contra pesquisadores ou professores no Eremita175.176.

    Didier Raoult nega a presença de qualquer clima insalubre dentro de sua unidade. Segundo ele, essas acusações são resultado de uma minoria de detratores, invejosos do sucesso da IHU172.177. Com relação às acusações de assédio e agressão sexual, afirma ter resolvido o problema e denuncia o fato de que a própria CNRS quis fazer justiça ao demitir o pesquisador acusado de assédio178.179.180.
    Após investigação, os CHSCTs do Inserm, CNRS, Universidade de Aix-Marseille e Instituto de Pesquisa para o Desenvolvimento (IRD) confirmaram os fatos denunciados pela equipe da unidade, mencionando em particular o assédio diário por Didier Raoult e seus colaboradores, condições deploráveis de trabalho, em termos de horário de trabalho, instalações e relações hierárquicas, bem como violações graves e repetidas das normas de segurança extremamente rigorosas para patógenos manipulados em tais instalações181.182.
    Relações com instituições

    Didier Raoult atribui ao Instituto Nacional de Saúde e Pesquisa Médica (Inserm) a perda de influência da pesquisa médica francesa no mundo, considerando que “o Inserm não financia pesquisas médicas, mas pesquisas sobre medicina”. Suas críticas tornaram-se mais pronunciadas com a nomeação de Yves Lévy à frente da organização, em 2014. Didier Raoult há muito critica o comprometimento de fundos colossais na busca de uma vacina contra a AIDS, a área de especialização de Yves Lévy. A nomeação de Agnès Buzyn, esposa de Yves Lévy, para o cargo de Ministra da Saúde foi seguida de uma decisão ministerial, em 2 de outubro de 2017, de trazer o Instituts Hospitalo-universitário (IHU) de volta para o Dobra Inserm, dividindo seus créditos por dois, tudo de acordo com os critérios solicitados por seu marido, alimentando suspeitas de conflito de interesses. Raoult, que é muito ligado ao status de “fundação” da IHU, é apoiado pelo neurocientista Richard Frackowiak, que renunciou “com um estrondo” em 6 de outubro de 2017 como presidente do júri internacional da IHU, afirmando: “Eu tinha visto as ligações entre o ministério e o Inserm. Apresentei então minha renúncia defendendo o modelo IHU e os 200 milhões tirados de nós. No final, ganhei o caso porque a posição deles era insustentável” 183.184.

    Em 2018, os selos Inserm e CNRS foram retirados das unidades de pesquisa do Dider Raoult, devido a uma má avaliação do Conselho Superior de Avaliação de Pesquisa e Ensino Superior (HCERES) e a acusações de assédio na IHU3. Nem Agnès Buzyn nem Frédérique Vidal estiveram presentes na inauguração das novas instalações.178 Essa não rotulagem de suas unidades de pesquisa e seu desprezo por um certo mundo de pesquisa médica7 poderiam explicar por que o anúncio de 25 de fevereiro de 2020 de resultados “promissores” de cloroquina sobre a doença coronavírus 2019 foi largamente ignorado.184
    Publicações e livros
    Número de publicações e taxas de citação

    Didier Raoult é um fervoroso defensor da bibliometria, o que ele explica como um meio de agilizar a competição entre os estudiosos através de algoritmos que avaliam os pesquisadores quantificando suas publicações e o impacto dessas publicações55.185. Segundo a análise do jornalista Benoit Gilles de Marsactu, ele o utiliza como um meio de construir sua reputação e suas redes, contando com uma estratégia de publicação destinada a colocá-lo na vanguarda185. Didier Raoult foi co-autor de um grande número de artigos (mais de 3.000 em sua carreira55 ), alguns em revistas de grande prestígio, mas muitos em revistas de baixo impacto55 , incluindo várias centenas em revistas publicadas por seus próprios colaboradores117.

    Em 2008, foi classificado entre os dez melhores pesquisadores franceses pela revista Nature, tanto em termos de publicações quanto de citações de seu trabalho17. Além disso, de acordo com a fonte ISI Web of Knowledge Didier Raoult é um dos pesquisadores que mais publica na França186. No início de 2019, nas citações do Google Scholar, ele tinha mais de 135.397 citações e um índice h de 166187. Em 2015, Didier Raoult aparecerá no ranking da Thomson-Reuters dos 69 pesquisadores científicos franceses mais influentes do mundo188. Está também incluída na lista de “Highly Cited Researchers” da Clarivate Analytics189 , que lista os pesquisadores que mais influenciam a pesquisa em suas áreas e cujas publicações estão entre os 1% mais consultados em periódicos acadêmicos. Em 2017, ele aparecerá como um dos 99 microbiologistas mundiais e um dos 73 mais citados cientistas franceses190.191. Ele também está na lista dos 400 autores mais citados no campo biomédico192. De acordo com a análise de Kathleen Gransalke das publicações de 2007 a 2013 para a Labtimes em fevereiro de 2017, Didier Raoult aparece no topo do ranking europeu com 18.128 citações.
    Este elevado número de publicações é importante para o financiamento da IHU: o sistema de consulta de gestão e análise de publicações científicas (Sigaps) vincula a alocação anual de cada IHU ao número de publicações de seus pesquisadores e profissionais55.194. Em 2018, Didier Raoult explicou: “Eu trago pelo menos 11 milhões de euros por ano para o AP-HM”.55 Em 2018, Didier Raoult explicou: “Eu trago pelo menos 11 milhões de euros por ano para o AP-HM”.56 Em 2018, Didier Raoult explicou: “Eu trago pelo menos 11 milhões de euros por ano para o AP-HM.
    Relatório

    A pedido do Ministro da Saúde, Jean-François Mattei, escreveu um relatório, publicado em julho de 2003, com o objetivo de desenvolver um plano de ação no caso de um ataque bioterrorista ou o retorno de epidemias. De acordo com o relatório, a França não está preparada “para um problema epidêmico maciço “196.
    Livros publicados
    A relevância desta seção é questionada. Considere cuidadosamente o seu conteúdo. Melhore ou discuta. (abril de 2020)
    Justificativa: Encontrar fontes secundárias que atestem a notoriedade de cada trabalho. Esta lista ajuda a fazer o artigo parecer um currículo.

    (pt) com Kazar J, Rickettsiae e doenças de Rickettsial. Academia Eslovaca de Ciências ed. Editora da Academia Eslovaca de Ciências, 1991
    Coletivo (Argenson JN, Aubaniac JM, Curvale G, Groulier P, Drancourt M, Raoult D), Infecção Osteoarticular em Prótese – Prevenção, Diagnóstico, Tratamento. 1992
    (en) Agentes Antimicrobianos e Parasitas Intracelulares. Boca Raton: CRC Press Book, 1993.
    Jean-Louis Mège, Didier Raoult e Jean-Pierre Revillard, Immunity and infection: immunopathological concepts and therapeutic perspectives, Paris, Arnette, 1997, XII-448 p. (ISBN 2-7184-0855-3, aviso BnF no FRBNF36698987).
    Didier Raoult (dir.), Maîtrise de la prescription des antitiques dans les hôpitaux, Paris, Elsevier, 1998, 82 pp. (ISBN 2-84299-084-6, aviso BnF no FRBNF37003796).
    Dictionnaire de maladies infectieuses: diagnostic, epidemiology, geographical distribution, taxonomy, symptomatology, Paris, Editions scientifiques et médicales Elsevier, 1998, 1162 p. (ISBN 978-2-84299-036-7, aviso BnF no FRBNF38439044, lido online)
    Didier Raoult e Philippe Brouqui, Les rickettsioses, Paris, Elsevier, 1998, 190 p. (ISBN 2-84299-064-1, aviso BnF no FRBNF37002841, lido online)
    Coletivos: Yu VL, Merigan TC, Barriere SL, et al. Terapia Antimicrobiana e Vacinas. Williams & Wilkins, 1998
    Une ambition pour la recherche française, Paris, Association des amis de Jacques Chirac, col. “Les Notes de l’Association des amis de Jacques Chirac”, 1999, 33 p. (ISBN 2-9513375-4-X, aviso BnF nº FRBNF37083883).
    Didier Raoult e Richard Tilton, Dicionário de doenças infecciosas: diagnóstico, epidemiologia, distribuição geográfica, taxonomia, sintomatologia. Paris, Elsevier, 1999, 1126 p. (ISBN 2-84299-146-X, aviso BnF no FRBNF37563461).
    Les nouvelles maladies infectieuses. Paris: Presses universitaires de France, “Que sais-je” coll. 1999; 127 pp. (ISBN 2-13-050256-3, BnF nº FRBNF37051672).
    (en) Didier Raoult (ed.) e Philippe Brouqui (ed.), Rickettsiae e doenças do rickettsial na virada do terceiro milênio, Paris, Elsevier, 1999, 455 pp. (ISBN 2-84299-138-9, aviso BnF no FRBNF37045180).
    Didier Raoult (dir.), Jean-Pierre Nigoghossian (dir.) e André Cartapanis (dir.), L’Université de la Méditerranée face aux défis du troisième millénaire, Paris, Economica, 1999, XIV-259 p. (ISBN 2-7178-3907-0, notificação BnF nº FRBNF37079203).
    Didier Raoult e Frédérique Bonneau (préf. Jean-Claude Gaudin), Le sport à Marseille, Marseille, Mairie de Marseille, 1999, 242 pp. (Aviso BnF nº FRBNF37703433).
    (pt) Coletivo: Yu VL, Weber R, Raoult D. Antimicrobiana e Vacina. 2ª ed. New York: Apple Trees Production, LLC, 2002.
    (pt) Coletivo: Hechemy KE, Avsic-Zupanc T, Childs JE, Raoult DA. Rickettsiology – Direções presentes e futuras. Annals of the New York Academy of Sciences ed. United States of America: K-M Research/PCP, 2003.
    (en) Coletivo: Hechemy KE, Oteo JA, Raoult DA, Silverman DJ, Blanco JR. Rickettsioses – Do Genoma ao Proteoma, Patobiologia e Rickettsiae como uma Ameaça Internacional. Anais da Academia de Ciências de Nova York ed. New York: GYAT/PCP, 2005
    Les nouveaux risques infectieux: SARS, grippe aviaire, et après ?, Paris, Ligne de repères, 2005, 271 p. (ISBN 2-915752-09-5, aviso BnF no FRBNF40083574).
    (en) Coletivo: Hechemy KE, Oteo JA, Raoult DA, Silverman DJ, Blanco JR. Século da Rickettsiologia – Rickettsioses Emergentes, Diagnóstico Molecular e Rickettsioses Veterinárias Emergentes. Anais da New York Academy of Sciences ed. Boston, EUA: Blackwell Publishing, 2006
    com Parola P. Rickettsial Diseases. Nova Iorque: Informa Healthcare USA, Inc., 2007
    (pt) Didier Raoult e Michel Drancourt, Paleomicrobiologia: infecções humanas passadas, Berlim, Springer, 2008 (ISBN 9783540758556, BnF notice no FRBNF44695991).
    Didier Raoult e Véronique Dupont, Dépasser Darwin, Paris, Plon, 2010, 164 p. (ISBN 978-2-259-21114-7, aviso BnF no FRBNF42302751
    Influenza Aviária, SARS: Vivendo com Novos Riscos Infecciosos, 2012, Ebook Kindle, Amazônia.
    (pt) Didier Raoult, Eugene V Koonin, “Microbial genomics Challenge Darwin”, Fronteiras em Microbiologia Celular e Infecção, Outubro 2012 (DOI 10.3389/fcimb.2012.00127, leia-se online).
    From Ignorance and Blinding: For a Postmodern Science Ebook Kindle, Amazon, 2012. Of Ignorance and Blindness, 2013, Ebook Kindle, Amazon, 2013.
    Didier Raoult e Sabine Casalonga, Votre santé : tous les mensonges qu’on vous raconte et comment la science vous aide à y voir clair, Neuilly-sur-Seine, Éditions Michel Lafon, 2015, 302 p. (ISBN 978-2-7499-2555-4, aviso BnF no FRBNF44313859).
    Pare de ter medo! Santé, environnement, climat, flux migratoires et société : la science vous aide à y voir clair, Neuilly-sur-Seine, Éditions Michel Lafon, 2016, 347 p. (ISBN 978-2-7499-3003-9, aviso BnF no FRBNF45031036, ler online)
    Mieux vaut cérir que prédicte : santé, société, vivre ensemble, Neuilly-sur-Seine, Éditions Michel Lafon, 2017, 280 p. (ISBN 978-2-7499-3149-4, aviso BnF no FRBNF45184038, lido online)
    Didier Raoult e Olivia Recasens, La vérité sur les vacins: tout ce que vous devez savoir pour faire le bon choix, Neuilly-sur-Seine, Éditions Michel Lafon, 2018, 221 p. (ISBN 978-2-7499-3136-4, aviso BnF no FRBNF45424036, lido online)
    Hervé Vaudoit, L’IHU méditerranée infection – Le défi de la recherche et de la médecine intégrée, Éditions Michel Lafon, 2 de agosto de 2018, 267 p. (ISBN 9782749933832, lido online [Kindle])
    Didier Raoult, Epidemias: perigos reais e falsos alarmes, Éditions Michel Lafon, Março 2020 (ISBN 9782749944241)

    Prêmios
    Prêmios e Premiações

    2002: Prêmio de Excelência da Sociedade Européia de Microbiologia Clínica e Doenças Infecciosas198.
    2003: Prêmio Jean Valade, Foundation for Medical Research199.
    2005: Grande ronda médica, Hospital de Chicago (Estados Unidos)200.
    2006: Grande rodada médica, Universidade de Stanford (Estados Unidos)201.
    2008: Prêmio Sackler Lecturer Award, Tel Aviv University, Israel.202
    2009: Prêmio Éloi Collery, Academia Nacional de Medicina.203.204
    2010: Grande Prêmio Inserm.18,19
    2015: prêmio da Fundação Louis D., Institut de France205 sobre o tema “Estudo do mundo microbiano: novos conceitos, novas abordagens”. (450.000 euros)206.

    Decorações

    2011: Oficial da Legião de Honra Oficial da Legião de Honra (decreto de 31 de dezembro de 2010207 – Chevalier em dezembro de 2000208).
    2015: Comandante da Ordem Nacional de Mérito Comandante da Ordem Nacional de Mérito (decreto de 15 de maio de 2015

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome