CNMP abre processo para apurar como Castor de Mattos pagou outdoor lavajatista

"Caso ele tenha se utilizado de sistemas de informações oficiais para [obter] informações de terceiro, é possível que tenha havido desvio de finalidade", diz conselheiro

Jornal GGN – O Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) decidiu, por unanimidade, abrir um processo para apurar a origem dos recursos utilizados pelo procurador da República, Diogo Castor de Mattos, para custear a instalação de um outdoor que exalta o trabalho da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba.

Pelas informações apuradas até agora, Castor de Mattos usou um nome de terceiro para fazer o pagamento. O cidadão fez um boletim de ocorrência porque não sabia que seus dados estavam sendo usados para tal finalidade. [Leia mais abaixo]

“Quem seria a pessoa do contato do reclamado [Castor de Mattos] que procedeu à efetiva contratação? Quem obteve e como foram obtidos os dados pessoais? Caso ele tenha se utilizado de sistemas de informações oficiais para informações de terceiro, é possível que tenha havido desvio de finalidade”, afirmou o corregedor do CNMP, Rinaldo Reis.

Segundo o conselheiro Bandeira de Mello, é “preciso saber de onde partiu a ideia e quem pagou por ela”. As informações foram divulgadas por Pedro Canário no site O Antagonista.

Castor de Mattos era membro da equipe da Lava Jato em Curitiba mas, quando o outdoor foi descoberto e ele, representado no CNMP, acabou apresentando um atestado médico e pediu afastamento da operação por motivos de saúde.

Ao CNMP, Mattos já confessou ser o mentor do outdoor. Os conselheiros entendem que ele cometeu uma infração disciplinar, mas arquivaram o pedido de punição contra o procurador.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

3 comentários

  1. Será que eu entendi ? Quer dizer que se ele não se utilizou de sistemas de informações oficiais para obter informação de terceiro é possível que não tenha havido desvio de finalidade ? Então a um procurador da república seria permitido, por exemplo, perguntar ao “inspetor de quarteirão”, sobre a vida privada de um cidadão e usar os dados para exaltar um operação ?

  2. Estes conselhos corporativistas, são uma vergonha, só servem para acomodar as falcatruas dos protegidos…. vergonha, vergonha…o povo merece o que sofre nas mãos dessa “casta” chamada de justiça!

  3. Não vai dar em nada. O CNMP é um dos principais órgãos do mais recente golpe de Estado. Esse rapaz aí, o procurador do MP é um típico representante da classe média concursada e fascistóide. São golpistas por natureza. Se julgam acima da lei. Lei é para os outros, para os inimigos. Essa gente repugnante está na vanguarda do novo tipo de golpismo patrocinada pelo Departamento de Estado dos Estados Unidos. Dalagnois, Moros, Fachins (esse é mérito do PT!) são os representantes do golpe. Antes os golpes de Estado eram patrocinados pela CIA e usavam as patas dos generais corruptos. Agora os golpes de Estado são patrocinados pelo Departamento de Justiça dos EUA e eles mobilizam as patas da classe média concursada encastelada no aparato jurídico-policial do Estado: juízes, promotores, delegados e outros. Antes eram os fardados, agora são os togados. Mas o golpe está sempre aí.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome