Home Editoria Cidadania Com camiseta manchada de óleo, Bahia entra em campo para cobrar medidas do Governo

Com camiseta manchada de óleo, Bahia entra em campo para cobrar medidas do Governo

Com camiseta manchada de óleo, Bahia entra em campo para cobrar medidas do Governo
Foto: Reprodução/Esporte Clube Bahia

Jornal GGN – O governo de Jair Bolsonaro permanece inerte enquanto a população se mobiliza para dar um fim aos resíduos de óleo que invadiram o litoral do Nordeste, desde o último mês. Em ato viabilizando a mobilização e cobrando estratégias de redução de impacto do governo federal sobre a tragédia ambiental, o time do Bahia entre em campo contra Ceará, em Pituaçu (BA), com camisetas reproduzindo as manchas de óleo, nesta segunda-feira, 21 de outubro.

Um manifesto foi assinado pelo Clube e divulgado nas redes sociais no domingo, 20 de outubro. O texto cobra ações ambientais do governo e a punição dos autores dquilo que tem afetado trabalhadores, moradores e o turismo regional das praias atingidas. “Quem derramou esse óleo? Quem será punido por tamanha irresponsabilidade? Será que esse assunto vai ficar esquecido?”, questionou o Clube no manifesto. 

O Ibama informou neste domingo, dia 20, que a mancha de óleo atingiu 194 pontos do Nordeste. De acordo com a Marinha, foram retiradas 525 toneladas de óleo dos oceanos desde de setembro. Mas, a maior parte deste trabalho tem sido feito por voluntários e pescadores locais, que estão colocando a saúde em risco tirando o óleo das praias com as próprias mãos sem equipamentos adequados.

Voluntários gravaram diversos vídeos do trabalho na praias e postaram em suas redes sociais. A ação ocasionou o aumento do número de ajudantes em praias da Bahia, Pernambuco e Sergipe, mas as equipes ainda são insuficientes diante da dimensão do desastre ambiental. 

Cobrado, o governo federal disse que dois comitês e comissões do Plano Nacional de Contingência para Incidentes de Poluição por Óleo em Água (PNC), extinto em abril, estão funcionando. Mas, segundo voluntários, isso não é visto nas áreas contaminadas.

Jair Bolsonaro (PSL) ainda acusou a Venezuela sobre a situação e falou em “crime premeditado”, mas nada fez para uma investigação efetiva e medidas para evitar que o óleo não se alastrasse pelas praias nordestinas. 

Neste cenário, o time do Bahia decidiu chamar atenção para o problema. “O que faz um ser humano atacar e destruir espaços sagrados? O lucro a qualquer custo pode ser capaz de destruir a ética e as leis que regem e viabilizam a humanidade?”, apontou o Clube no manifesto. 

Não é a primeira vez que o tricolor se manifesta sobre pautas sociais e no ano passado chegou reverenciar Marielle Franco e Moa do Katendê. No início deste mês, o Clube virou assunto após discurso do treinador Roger Machado sobre racismo dentro da comunidade do futebol.

“A barbárie deve ser tratada como tal, não como algo natural.”, completou o Bahia no manifesto. 

Com informações da Central Única dos Trabalhadores – CUT.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

2 COMMENTS

  1. Este Brasil é uma piada de 5 séculos, onde não conseguimos sequer falar “quinquagésima sexta DP”.
    Os que são do “ramo” falam “cinquenta e seis DP”. Isso porque são do ramo!
    Talvez nós comecemos a ter jeito quando pelo menos falarmos DP cinquenta e seis, que pelo menos está correto e resolve o problema do ordinal com o cardinal.
    Fora isso, vocês irão me perguntar aqui: “tá maluco”?
    Eu direi, com ironia: pacto neste país, entre o Senhores da Casa Grande e os da grande Nação Senzala?
    Infelizmente, nada a ver.
    Como meu (correto) comentário.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Sair da versão mobile