Como funcionará a taxação de grandes fortunas na Bolívia

Arce frisou que a aprovação da lei é uma forma de redistribuir a riqueza na Bolívia e que o dinheiro arrecadado “chegará a milhares de famílias bolivianas”

Da Carta Campinas

Na segunda-feira (28), o presidente da Bolívia, Luis Arce, promulgou a Lei 1.357, que cria um imposto sobre as fortunas superiores a 30 milhões de bolivianos (moeda local) – o equivalente a aproximadamente R$ 22,3 mi.

A nova tributação anual e permanente para todos que viverem no país, incluindo estrangeiros, já havia sido aprovada pela Câmara dos Deputados por ampla maioria. O imposto será pago por 152 milionários.

A lei estabelece porcentagens graduais para o pagamento da alíquota.

Para pessoas com riqueza de 30 milhões a 40 milhões de bolivianos, por exemplo, a taxa é de 1,4%. Já para aqueles que possuem entre 40 a 50 milhões, 1,9%.

O tributo para os cidadãos que possuem fortunas maiores que esses valores (cerca de R$ 38 milhões) é de 2,4%.

A medida se aplica somente as pessoas com permanência na Bolívia por mais de 183 dias nos últimos 12 meses.

Em seu Twitter, Arce frisou que a aprovação da lei é uma forma de redistribuir a riqueza na Bolívia e que o dinheiro arrecadado “chegará a milhares de famílias bolivianas”.

A estimativa do Ministério da Economia é que, com a tributação das grandes fortunas, cerca de 100 milhões de bolivianos sejam arrecadados.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora