Contra impeachment, Bia Kicis defende intervenção militar constitucional

"Tratam um dispositivo constitucional como pauta ilegítima, como clamor pelo golpe. E é por isso que é preciso parar essas usurpações para que a intervenção não seja o último remédio"

Jornal GGN – A reação da deputada bolsonarista Bia Kicis ao saber que o presidente Jair Bolsonaro já acumulava 39 pedidos de impeachment na Câmara foi a de defender que uma intervenção militar constitucional. Na quinta (21), a parlamentar argumentou que não é crime pedir o emprego do artigo 142 da Constituição.

“Inúmeras vozes têm tratado como criminosos os que não veem outra solução, no desespero, senão pedir ao chefe do Executivo o emprego do artigo 142 como se tal dispositivo não fizesse parte da Constituição.”

Segundo Kicis, “tratam um dispositivo constitucional como pauta ilegítima, como clamor pelo golpe. E é por isso que é preciso parar essas usurpações para que a intervenção não seja o último remédio constitucional que permita a um presidente atender livremente ao povo que o elegeu”, disse ela, segundo relatos da Agência Câmara.

O artigo 142 da Constituição diz que as Forças Armadas devem defender a Pátria, a garantia dos poderes constitucionais e, por iniciativa de qualquer Poder, da lei e da ordem.

Leia mais:

Bolsonaro já acumula 39 pedidos de impeachment

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Clipping do dia

6 comentários

  1. E a Regina Duarte do congresso, ou seja: toalmente improdutiva é imprestável para a democracia e para o progresso.

  2. Nosso patético país onde, para vergonha internacional:
    1. ~55% do eleitorado coloca um adolinquente miliciano alucinado na presidência.
    2. Um vereador municipal “dá bronca” e decide sobre propagandas de um banco da União (federal).
    3. Uma parlamentar defende golpe contra seu próprio parlamento.
    4. Praticamente todos os “sinistros” são anti-ministros ideológicos, trabalhando contra as áreas de suas pastas.
    5. Tem mais militares em seu governo que todos os governos militares da época da ditadura.
    6. Governa não com base em competência, mas fidelidade e obediência, pensando que o país é um quartel.
    7. É criticado e ridicularizado internacionalmente, causando-nos enorme vergonha.
    8. Governa favorecendo “parças debaixo calão”, como sonegadores, empresários da religião, milicianos, grileiros (bandidos) e interesses estrangeiros diversos, até sem solicitação.
    9. Fomenta perigosamente, por interesses privados de poucos bandidos, a destruição de um patrimônio brasileiro de interesse planetário: a Amazônia.
    10. Cria atritos com todos, pessoas, instituições e países (exceto o “beloved” Trump e Netanyahu).
    11. Se esconde em pouca transparência.
    12. Mente e fomenta a desinformação.
    13. Privilegia interesses particulares e familiares, como se o governo pertencesse a seu”clã”.
    14. Promove o caos com interesses de rachar instituições..
    15. Demonstra desprezo por seu povo em suas opiniões e ações.

    A lista passa das centenas, vamos parar por aqui, para minimizar o sofrimento…

  3. Para essa senhora desocupada, deus é bom porque o diabo existe.
    A lógica dela (cacófato proposital) é explicável pela natureza de suas intenções: se há perigo de golpe militar é preciso intervenção militar para evitar o golpe militar e, assim sucessivamente, até que os militares governem sem intervenção.

  4. É a preocupação dessa gentalha que ocupa funções de Estado: em seguida, pensam que é o seu jardim.
    Inúteis, canalhas.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome