Home Editoria Economia Copom reduz taxa Selic para 2,25% ao ano

Copom reduz taxa Selic para 2,25% ao ano

Copom reduz taxa Selic para 2,25% ao ano
Foto: Reprodução

Jornal GGN – O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central decidiu reduzir a taxa básica de juros em 0,75 ponto percentual, de 3% para 2,25% ao ano.

Este é o oitavo corte consecutivo da taxa Selic no atual ciclo, chegando assim a um novo piso da série histórica iniciada em junho de 1996.

“Considerando o cenário básico, o balanço de riscos e o amplo conjunto de informações disponíveis, o Copom decidiu, por unanimidade, reduzir a taxa básica de juros em 0,75 ponto percentual, para 2,25% a.a”, diz a autoridade monetária, em nota divulgada após a reunião. “O Comitê entende que essa decisão reflete seu cenário básico e um balanço de riscos de variância maior do que a usual para a inflação prospectiva e é compatível com a convergência da inflação para a meta no horizonte relevante, que inclui o ano-calendário de 2021”.

Por conta dessa redução, o Brasil também passou a registrar juro real (que desconta a inflação) negativo, de -0,78% ao ano, segundo cálculos elaborados pela MoneYou e a Infinity Asset Management, a 27ª menor taxa dentre 40 economias pesquisadas.

Em termos de taxas nominais, o percentual de 2,25% coloca o Brasil na 11ª posição dentre as 40 maiores taxas nominais do mundo.

O corte de 0,75 ponto percentual não foi considerado uma surpresa por parte dos analistas financeiros, muito por conta da desaceleração da atividade econômica decorrente da pandemia da Covid-19.

“O Copom entende que, neste momento, a conjuntura econômica continua a prescrever estímulo monetário extraordinariamente elevado, mas reconhece que o espaço remanescente para utilização da política monetária é incerto e deve ser pequeno. O Comitê avalia que a trajetória fiscal ao longo do próximo ano, assim como a percepção sobre sua sustentabilidade, são decisivas para determinar o prolongamento do estímulo”, pontua o colegiado.

 

Leia Também
Entenda a Teoria Monetária Moderna, em live na TV GGN
O mito do déficit, por Michael Roberts
Presidência do BID – oportunidade perdida, por Andre Motta Araujo
Do Banestado à Lava Jato: o passado de Sergio Moro

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

GGN
Sair da versão mobile