Coronavírus: anticorpos não são garantia de imunidade

Pesquisa da UFRJ mostra que até 40% das pessoas seguem com resultados positivos em testes após 15 dias de surgimento dos sintomas

Foto: Reprodução

Jornal GGN – O passaporte imunológico, que garantiria a imunidade ao coronavírus e o fim do distanciamento social de maneira segura, não parece ter sinais de que irá acontecer tão cedo.

Estudo elaborado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) revela que a maioria das pessoas que contrai Covid-19 só desenvolve anticorpos específicos contra o coronavírus a partir de 20 dias após o surgimento dos primeiros sintomas – e não se sabe se eles garantem proteção.

Além de tais anticorpos não serem um atestado de imunidade contra a doença, a pesquisa mostra que 40% das pessoas continuam positivas em testes moleculares (RT-PCR) após 15 dias do aparecimento dos sintomas. Ou seja: potencialmente, as pessoas continuam contagiosas mesmo após o desaparecimento dos sintomas.

Tais dados causam preocupação, uma vez que o prazo de quarentena para as pessoas com Covid-19 é de 14 dias. E existem outras que positivam os exames após um resultado negativo obtido em exame molecular. A pesquisa da UFRJ estudou os resultados de testes de 648 pessoas e 1.536 amostras. As informações são do jornal O Globo.

 

Leia Também
Coronavírus: Brasil é o quarto país do mundo em casos confirmados de Covid-19
Coronavírus chega ao maior campo de refugiados do mundo
“Nós cavamos o buraco onde nos encontramos agora”, diz virologista Átila Iamarino
GGN prepara dossiê sobre trajetória de Sergio Moro. Saiba como apoiar

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora