Coronavírus: Brasil é apontado como uma das ameaças globais

Crise sanitária global completa seis meses na próxima semana; ordem nos bastidores é de não responder às críticas e provocações de Bolsonaro

Foto: Reprodução

Jornal GGN – A pandemia de coronavírus completa seis meses de registros na próxima semana, e não mostra sinais de perder forças. Pelo contrário: a situação do Brasil ocupa grande parte dos debates nos bastidores da OMS (Organização Mundial de Saúde).

Em artigo publicado no portal UOL, o jornalista Jamil Chade diz que os especialistas da entidade consideram o país como uma “ameaça global” no combate ao coronavírus, ao lado dos Estados Unidos.

Desde a contagem dos primeiros casos, o Brasil aparece na segunda colocação em termos de mortes e casos, mas uma fotografia mais precisa da situação pode ser vista em dados mais recentes: números da UE indicam que, apenas nos últimos 30 dias, o Brasil liderou tanto o registro de novos casos (863 mil) como de mortes (30,6 mil).

Mas não são apenas esses números que preocupam: o Brasil não tem um plano sobre como sair da crise, aliado à fatiga da população sobre a quarentena, os limites do pacote de ajuda econômica e a falta de testes suficientes mostram um país cada vez mais frágil para lidar com a questão.

Um sinal da reação global às medidas do Brasil é a exclusão do país na lista de nações autorizadas a voltar a voar para a Europa a partir de 1º de julho, e existe grande resistência entre os diplomatas quanto a uma eventual inclusão no futuro imediato.

Nos bastidores, a ordem na OMS é de não responder às criticas e provocações do presidente Jair Bolsonaro – além do entendimento de que uma crise política maior não ajudaria a salvar vidas, a organização considera que muitas das críticas e ameaças são apenas discursos para atender a base eleitoral.

 

Leia também:  OMS: Temos uma grande onda de Covid-19, não segunda ou terceira
Leia Também
Brasil vai produzir vacina de Oxford contra covid-19, anuncia Ministério da Saúde
Projeto deve destinar R$ 160 bi de recursos constitucionais para crise da Covid-19
Os números estranhos da pandemia em Belo Horizonte

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

4 comentários

  1. Debaixo de uma ditadura milico maçônica infernal, o Brasil é dominado pela pior espécie de maçons – milicos-milicianos do planêta!!! Aqui, todos os male, alguns implantados e outros potencializados por essa máfia maçônica, evoluem de forma maçônica ultrasônica!!! Com uma pandemia não seria diferente é óbvio…

    E, para escapar-mos dessa verdadeira tortura ditatorial milico-maçônica-miliciana encabeçada pelos maçons milicos mourão, braga, heleno, vilasboas etc, só mesmo rezando muito e pedindo demais para Deus!!!
    Amém.

  2. A nação está desgovernada em tudo, como pode dar certo com um milico para administrar a saúde nessa grave pandemia, é uma aberração muito grave, já deveria ser responsabilizado há muito tempo pela incapacidade no cargo, infelizmente muitas vidas ainda irão ser perdidas, lamentavelmente…

    • E a BURGUESIA nacional insiste em deixá-lo na Presidência da República, exigindo apenas que esteja de banho tomado, de roupinha limpinha e que reze o Pai Nosso antes de dormir!!!

      Desse jeito o País Brasil Acabou!!!

  3. O Brasil se tornou ameaça global desde 2016, com o golpe aplicado por um conluio midiatico/jurídico/militar/legislativo que descambou neste traste que encabeça um desgoverno onde nada, nem um simples currículo, é honesto ou crível.

    Sobra agora para um STF desacreditado tentar impor alguma sanidade a um bando insano de governantes e outras “autoridades”:
    https://www.jb.com.br/pais/justica/2020/06/1024415-moraes-manda-mello-tavares–do-tj-rj–explicar-liminar-de-flexibilizacao-do-isolamento.html

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome