Coronavírus: Brasil perde 1.264 vidas nas últimas 24 horas

Total de óbitos registrados no país chega a 63.254, segundo dados do consórcio de imprensa; também foram contabilizados 41.988 novos casos

Foto: Reprodução

Jornal GGN – O Brasil perdeu 1.264 vidas para a Covid-19 nas últimas 24 horas, enquanto registrou 41.988 novos casos, segundo dados divulgados pelo consórcio de imprensa. Com isso, o país contabiliza 63.254 mortos e 1.543.341 casos.

O estado de Minas Gerais voltou a registrar um elevado número de mortes: 51 óbitos em 24 horas. O recorde mineiro foi visto na última quinta-feira (02/07), com 52 mortes.  Outros estados que registraram recordes de vítimas fatais foram Mato Grosso do Sul, com 16 mortos em 24 h; Piauí, com 29 mortes; Rio Grande do Norte, com 76 mortes; e Sergipe, com 39 óbitos em 24 horas.

São Paulo e Rio de Janeiro seguem como os estados com mais mortes registradas no dia, com, respectivamente, 343 e 168 óbitos. São Paulo acumula 15.694 mortes e 310.517 casos diagnosticados e o Rio, 10.500 mortos e 118.956 casos.

Já o boletim divulgado pelo Ministério da Saúde contabilizou 1.290 novas mortes em decorrência do coronavírus, elevando o total de vítimas fatais para 63.174.

O relatório do governo federal contabiliza 42.223 novos registros de pacientes com covid-19, o que eleva o total de casos confirmados para 1.539.081.

(com informações do jornal Folha de São Paulo)

 

Leia Também
Covid GGN: Brasil mantém velocidade em óbitos e em novos casos
Não é bom momento para reabrir, alerta representante da OMS ao Brasil
Lei que obriga uso de máscaras é sancionada com vetos por Bolsonaro
As estatísticas enganadoras sobre o coronavírus no Brasil (TV GGN)

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Na luta pela vida, sindicatos ameaçam greve contra volta às aulas presenciais

3 comentários

  1. E infelizmente, como todos sabem, esse número entristecedor de mortes está sendo divulgado bem abaixo da realidade.
    Trata-se de um número maquiado pelos ditadores generais maçons assassinos nazi-fascistas que usurparam todos os poderes do país, inclusive dos que seriam responsáveis pela divulgação correta desses números.

    Para livrarmo-nos desse maçons milicos-milicianos traficantes espiões dos eua, teremos que rezar muito pedindo a ajuda de Deus.
    Amém

    GOLPE DE ESTADO MAÇOM MILICO-MILICIANO-EVANGÉLICO DESDE 2016 DEMOLINDO O PAÍS!!!!

  2. ATENÇÃO:

    Estudo do Henry Ford Health System em Detroit, com mais de 2 mil pacientes indicou que pacientes tratados com Hidroxicloroquina precocemente tiveram redução de mortalidade de 70%. Esse estudo foi publicado dia 02/07 na revista medica International Journal of Infection Deceases.

    https://www.ijidonline.com/article/S1201-9712(20)30534-8/fulltext

    Não vi nenhuma referencia a esse estudo na Falha de São Paul, Estadão, Antagonistas, Rede Globo e nem aqui na GGN.

  3. ATENÇÃO:

    Estudo do Henry Ford Health System em Detroit, com mais de 2 mil pacientes indicou que pacientes tratados com Hidroxicloroquina precocemente tiveram redução de mortalidade de 70%. Esse estudo foi publicado dia 02/07 na revista medica International Journal of Infection Deceases.

    https://www.ijidonline.com/article/S1201-9712(20)30534-8/fulltext

    “The results of this study demonstrate that in a strictly monitored protocol-driven in-hospital setting, treatment with hydroxychloroquine alone and hydroxychloroquine + azithromycin was associated with a significant reduction in mortality among patients hospitalized with COVID-19.

    The benefits of hydroxychloroquine in our cohort as compared to previous studies maybe related to its use early in the disease course with standardized, and safe dosing, inclusion criteria, comorbidities, or larger cohort.

    The postulated pathophysiology of COVID-19 of the initial viral infection phase followed by the hyperimmune response suggest potential benefit of early administration of hydroxychloroquine for its antiviral and antithrombotic properties.

    Later therapy in patients that have already experienced hyperimmune response or critical illness is less likely to be of benefit.”

    Não vi nenhuma referencia a esse estudo na Falha de São Paulo, Estadão, Antagonistas, Rede Globo e nem aqui na GGN.

    Mas vi referencia na CNN e no Wall Street Journal

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome