Coronavírus: pandemia pode dizimar povos indígenas inteiros

Números de entidades mostram o triplo de óbitos ante os dados do Ministério da Saúde; 228 índios já morreram vítimas da covid-19

Foto: Reprodução

Jornal GGN – A 228ª morte confirmada pelo novo coronavírus dentro da Amazônia Legal mostra que uma tragédia está em andamento: o avanço do vírus entre um dos grupos mais vulneráveis do país em termos de acesso ao sistema de saúde, colocando em risco culturas e povos inteiros.

Segundo informações do jornal O Globo, números da Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai) do Ministério da Saúde indicavam 73 óbitos, 1.716 casos confirmados e 254 casos suspeitos na Amazônia brasileira – um dado até três vezes menores ante os dados elaborados por outras entidades indígenas, que considera casos não computados na base do ministério.

Fatores como invasões de terra por garimpeiros ilegais, a chegada de agentes de saúde contaminados e o deslocamento de indígenas para retirar o auxílio emergencial são vetores de contaminação. Ao chegar às terras indígenas, torna-se improvável controlar a disseminação, uma vez que a organização social em tais espaços é integralmente coletiva.

Pode-se dizer que o avanço do coronavírus entre os povos indígenas também é um desdobramento do sistema de saúde da região: o Amazonas é um dos estados mais afetados pela Covid-19 no país – ontem, o estado registrou 1.615 novos casos, totalizando 52.849 casos confirmados, segundo boletim epidemiológico da Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS-AM).

 

Leia Também
OMS diz que situação do Brasil na pandemia é preocupante
Covid-19, a tragédia do Rio de Janeiro de Wilson Witzel
Bolsonaro atiça seus seguidores a invadirem hospitais e filmarem leitos vazios
A vida pregressa de Sergio Moro: saiba como ajudar o projeto do GGN

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

2 comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome