Dados de celulares são usados por Trump para monitorar fronteiras

Jornal diz que informações ajudaram a identificar imigrantes presos e a procurar atividades em locais incomuns

Equipe de Donald Trump fiscaliza fronteiras dos EUA rastreando sinal de celulares em lugares incomuns. Foto: Reprodução.

Jornal GGN – A equipe de governo do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, obteve informações de um banco de dados que pode mapear a movimentação de celulares no país e, assim, realizar a fiscalização nas fronteiras do país.

As revelações foram feitas pelo jornal norte-americano The Wall Street Journal. Os dados de localização têm origem em aplicativos como jogos nos celulares, previsão do tempo ou mesmo comércio eletrônico – é comum que tal permissão seja concedida para registrar a localização dos telefones no momento do cadastro.

Tais dados serviram para identificar imigrantes que foram presos e procurar dados de telefones celulares em lugares incomuns, como áreas remotas do deserto nas imediações da fronteira mexicana.

Analistas consultados pelo jornal norte-americano dizem que a dimensão de tais informações representa “uma das maiores quantidades de dados em massa acessados pela polícia dos EUA”. Contudo, o jornal pondera que tais informações foram obtidas de um fornecedor comercial, assim como qualquer empresa privada poderia fazê-lo. As informações são do jornal O Estado de São Paulo.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Acordo TikTok e Oracle: EUA e China disputam controle e transferência de tecnologia, por Edna Aparecida da Silva

1 comentário

  1. Por isso o Google ou seja os EUA querem abocanhar o Serpro e a Dataprev.
    Os dados dos cidadaos representam, para quem os tem, grana e poder

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome