Damares fecha porta a grupos antitortura em agenda ministerial

Maior parte das reuniões da ministra ao longo do ano foi com a bancada evangélica e grupos de pauta religiosa

Foto: Valter Campanato/Ag. Brasil – Fotospublicas.com

Jornal GGN – Ao final de um ano após assumir o recém-criado Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, o direcionamento dado por Damares Alves na pasta é claro ao priorizar evangélicos e grupos religiosos em detrimento de outros representantes da sociedade.

Levantamento elaborado pelo jornal Folha de São Paulo confirma a frase de Damares na posse – “O estado é laico, mas esta ministra é terrivelmente cristã”: 74 dos congressistas recebidos pela ministra entre sua posse e o fim de novembro integram a bancada evangélica, contra 42 não evangélicos.

A bancada evangélica no Congresso conta com 203 congressistas, o que corresponde a 34% das cadeiras – e mesmo assim foram 63% dos recebidos pela ministra. Damares manteve ainda encontros regulares com representantes ligados à pauta religiosa, como pastores e entidades de missionários.

Apenas o presidente da frente parlamentar evangélica, Silas Câmara (PRB-AM), da Assembleia de Deus manauara, passou três vezes pelo gabinete da ministra.

A situação é oposta à dos integrantes da mesa diretora da Comissão de Direitos Humanos da Câmara, que não constam dos compromissos oficiais da ministra. O Conanda (Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente) e o MPCT (Mecanismo de Prevenção e Combate à Tortura) também não aparecem na lista de entidades recebidas. Representantes do Mecanismo de Combate à Tortura tentaram se aproximar de Damares por diversas vezes, mas sem resultados.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

2 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Não é Jesus Cristo

- 2019-12-29 16:37:47

Numa perspectiva bastante, mas muito, exterior, não haveria distanciamento entre religião e a condição humana real. Afinal, a religião - como uma interpretação humana do divino - que não se coloca à luz do bem viver, o conhecimento daquilo que destroça uma vida autêntica e digna de ser vivida, coloca-se em contradição consigo mesma. Por isso, o que ocorre é uma profusão de defesas de entidades religiosas, e não de seus preceitos. Mesmo que cite os preceitos, a atitude de lobista explicita a falsidade. Por isso que a Damaris, na minha modesta opinião, é a mediocridade encarnada

- 2019-12-29 16:03:54

De evangélica está senhora não tem nada. Mas tem cara e jeito de doida. Ou ficou assim depois de virar ministra. Ela é totalmente estranha.???

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador