Defensoria recorre contra nomeação de Sérgio Camargo na Fundação Palmares

Nomeação de jornalista desafia a Constituição Federal e reduz proteção ao direito dos negros, diz pedido da DPU

Jornal GGN – A Defensoria Pública da União (DPU) recorreu contra a decisão do STJ que liberou Sérgio Camargo de assumir a presidência da Fundação Palmares.

O pedido foi impetrado nesta terça-feira (18/02) e, segundo o DPU, a nomeação de Camargo serve apenas para reduzir a proteção à igualdade racial, desafia a Constituição Federal e “abre flanco permissivo à implementação de políticas públicas voltadas à desconstrução dos avanços historicamente alcançados pela sociedade brasileira”.

O texto diz ainda que Camargo corrobora com o “negacionismo do racismo” e já defendeu que a escravidão foi “benéfica para os descendentes”.

O presidente do Superior Tribunal de Justiça, João Otávio de Noronha, atendeu pedido da AGU (Advocacia-Geral da União) e suspendeu a liminar que impedia Sérgio Camargo de assumir o cargo no último dia 12. As informações são do jornal Folha de São Paulo.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Brasil depende de importações porque não produz reagentes para testes, diz Mandetta

1 comentário

  1. O STJ liberou o elemento de assumir a Fundação Palmares ou o liberou PARA assumir a Fundação?
    Essa pessoa é a mais legítima prova do enlouquecimento das instituições da república bozoriana
    Ele deveria passar por um tratamento psiquiátrico rigoroso até conseguir superar esse distúrbio de disfunção cognitiva. Ele sofre de severa distorção de sua autoimagem.
    Na mente dele ele se vê na figura do ministro do meio ambiente: alto, louro, cabelos ondulados, atlético e jovem, corpo sarado e, claro, os olhos azuis.
    É grave.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome