Déficit do setor público consolidado chega a R$ 188,7 bilhões

Resultado apurado em junho é o maior da série iniciada em dezembro de 2001; dívida bruta do governo geral chega a 85,5% do PIB

Jornal GGN – O setor público consolidado (contas que englobam governo federal, Estados, municípios e estatais menos Petrobrás e Eletrobrás) apresentou um déficit primário de R$ 188,7 bilhões no mês de junho, segundo dados divulgados pelo Banco Central. O resultado é o maior da série histórica do BC, iniciada em dezembro de 2001.

O déficit primário do setor público acumulado durante o primeiro semestre chegou a R$ 402,7 bilhões, ante um saldo negativo de R$ 5,7 bilhões no mesmo período de 2019. No acumulado em doze meses o déficit primário atingiu R$458,8 bilhões (6,38% do PIB – Produto Interno Bruto).

Ao longo do mês de junho, o Governo Central contabilizou déficit de R$195,2 bilhões, enquanto os governos regionais e empresas estatais registraram superávits de R$5,8 bilhões e R$719 milhões, respectivamente.

Pode-se dizer que a perda está ligada ao aumento de despesas autorizado para o combate da pandemia do novo coronavírus, além da queda na arrecadação com a menor atividade econômica e o adiamento no prazo do pagamento de impostos.

O resultado nominal do setor público consolidado, que inclui o resultado primário e os juros nominais apropriados, foi deficitário em R$210,2 bilhões em junho. No acumulado em 12 meses, o déficit nominal alcançou R$ 818,6 bilhões (11,38% do PIB), elevando-se 2,56 pontos percentuais do PIB em relação ao déficit acumulado até maio.

Já a dívida bruta do governo geral (DBGG), que engloba o governo federal, o INSS e os governos estaduais e municipais – chegou a R$ 6,153 trilhões, equivalente a 85,5% do PIB, alta de 3,6 pontos do PIB em relação ao mês anterior.

No ano, o aumento de 9,7 pontos percentuais na relação DBGG/PIB resultou, em especial, das emissões líquidas de dívida (aumento de 5,3 pontos percentuais), da incorporação de juros nominais (aumento de 2,2 pontos), da desvalorização cambial acumulada (aumento de 1,7 ponto), e do efeito da variação do PIB nominal (aumento de 0,7 ponto).

Leia também:  Eduardo Bolsonaro e alvos do STF foram os que mais espalharam fake news contra eleições

 

Leia Também
Crise econômica se instalou no Brasil muito antes da pandemia, diz especialista
Reforma tributária de Guedes favorece bancos, seguradora e planos de saúde
Celso Furtado, Subdesenvolvimento e a Educação; por André Roncaglia e Fernanda Cardoso
Centrão frustra Guedes após votação do Fundeb

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

1 comentário

  1. Afinal, onde se consulta para saber os seguintes dados?: 1) DÍVIDA PÚBLICA TOTAL EM 31/07/2020….2)QUANTO DESSA DÍVIDA ESTÁ NAS MÃOS DE ESTRANGEIROS? …3) QUANTO TEM JUROS ACIMA DOS ATUAIS 2,25%AA? Por favor, alguém pode me responder?

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome