Dilma e a superação da síndrome das medidas heroicas

Há dois fantasmas assombrando o mercado: o risco de desequilíbrio fiscal e a impulsividade da presidente Dilma Rousseff.

O desequilíbrio fiscal resolve-se com um plano exequível e gradativo de recomposição das contas públicas. A impulsividade se controla com um plano exequível e gradativo. São dois coelhos com uma só cajadada de um plano exequível e gradativo

Os balões que vêm de Brasília, indicando a iminência de um choque fiscal, logo após o Copom (Comitê de Política Monetária do Banco Central) cometer a temeridade de aumentar a Selic com a economia patinando, transformarão os fantasmas em assombrações. Pode ser apenas um desses balões que precisam ser empinados para suprir a falta de emoções que se sucede ao final de cada eleição.

Mas o que menos o país necessita, agora, são planos heroicos.

No início de seu primeiro governo, Dilma adotou medidas heroicas contra a inflação, um conjunto das chamadas medidas prudenciais que derrubaram a economia, sem derrubar a inflação.

No meio do seu governo, adotou um conjunto de medidas heroicas para recuperar a economia. Não recuperou a economia e desarrumou as contas públicas.

Anunciar um choque fiscal em um quadro de quase recessão e apontar para um superávit irrealista seria o caminho mais curto para desmoralizar seu segundo mandato.

As agências de rating e o mercado não esperam (nem acreditam) em choques com resultados imediatos. O que reverte expectativas negativas são planos bem elaborados que indiquem uma trajetória realista para as contas públicas, ainda que demore dois anos para os objetivos serem alcançados; e, especialmente, que apontem para uma política econômica consistente, lógica, que não dê margem para improvisos e golpes heroicos.

Dilma recebeu, das urnas, a segunda e última grande oportunidade de fazer um grande governo.

Nessa hora, é preciso prudência, definir a próxima equipe econômica, mergulhar em um plano exequível, exaustivamente discutido – inclusive com outras áreas, para minimizar ao máximo os efeitos deletérios dos cortes. E planejar seu lançamento com pompa, circunstância e racionalidade.

O segundo governo dará a oportunidade para Dilma entrar para o quadro das grandes estadistas mulheres do milênio. Ou não.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Loading comments...