Diretor da pasta de combate ao coronavírus do Ministério da Saúde se afasta e deve deixar cargo

Após discordâncias internas, Júlio Croda deve assumir a coordenação de especialistas da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz)

Júlio Croda. | Foto: Agência Brasil

Jornal GGN – Em meio a divergências no núcleo central do Ministério da Saúde no combate ao novo coronavírus, o diretor do Departamento de Imunização e Doenças Transmissíveis, Júlio Croda, foi afastado de suas funções.

Croda está de férias da pasta até 4 de abril, mas não há registros no Diário Oficial. Após o afastamento, o diretor não deverá retomar suas atividades por causa de discordâncias com seu chefe, o secretário de Vigilância em Saúde do ministério, Wanderson de Oliveira, relata o jornal O Globo. 

De acordo com a reportagem, “ruídos internos, potencializados pelo estresse vivido pela equipe”, fizeram que Croda afastar-se das suas funções até “baixar a temperatura”. 

Segundo informações do portal R7, Croda deve assumir no dia 5 de abril a coordenação de especialistas da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS).

Até então, Croda era um dos protagonistas nas ações contra o coronavírus junto ao seu chefe, com quem participou de algumas coletivas de imprensa sobre o tema na companhia do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta.

O cenário toma forma em meio a insatisfação de Jair Bolsonaro com as ações do Ministério da Saúde no combate à pandemia do Covid-19. Para o líder do legislativo, há exagero nas ações do Ministério, que chegou voltar a atrás em algumas medidas.  

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Do Banestado à Lava Jato: a polêmica cooperação entre Brasil e EUA

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome