Eduardo precisaria “estudar como fazer” um novo AI-5, diz General Heleno

Para general, se protestos no Brasil um dia chegarem ao nível do que ocorre hoje no Chile, "é lógico que tem de fazer alguma coisa para conter""

Foto: Agência Brasil

Jornal GGN – O general Augusto Heleno, ministro do Gabinete de Segurança Institucional, afirmou nesta quarta (31), durante entrevista exclusiva ao Estadão, que “um novo AI-5” em resposta a eventuais protestos de massa contra Jair Bolsonaro deveria ser “estudado”, porque o “regime democrático” impõe que um proposta dessa passe “em um monte de lugares”.

Heleno foi contatado pelo Estadão após a repercussão negativa da entrevista em que Eduardo Bolsonaro defende um “novo AI-5” contra o que chamou de “radicalização” da “esquerda”. De acordo com o jornal,o general não repudiou, nem nenhum momento, a declaração de Eduardo nem rechaçou a possibilidade de recriar o AI-5.

Heleno disse apenas que aprovar um AI-5 hoje seria “complicado”, porque até o projeto anticrime de Sergio Moro tem tido dificuldade para passar no Congresso. “O pessoal não quer, não quer nada que possa organizar o País.”

Segundo Heleno, o AI-5 não “é assim, vou fazer e faz”, mas considerou que se os protestos no Brasil um dia chegarem ao nível do que ocorre no Chile, “é lógico que tem de fazer alguma coisa para conter”. “Se ele [Eduardo] falou [em AI-5], tem de estudar como fazer, como vai conduzir”, opiniou.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Multimídia do dia

11 comentários

  1. DEUS ME LIVRE QUE DECLARAÇÃO INFELIZ DESSE GENERAL, SERIA BEM MELHOR INFORMAR O QUE FOI FEITO COM AS INVESTIGAÇÕES DOS 39 KG DE COCAINA NA COMITIVA PRESIDENCIAL..
    ABAIXO A DITADURA, FORA FASCISTAS DE PLANTÃO.

    1
    1
  2. Puta que o pariu. As trevas voltaram!
    Mas também, com esta proposta camarada da previdência para oficiais generais em curso no congresso enquanto o povo é esmagado em seus direitos, tem mais é que apoiar o arbítrio mesmo sr general.

  3. Acho que foi o AI2 que perguntaram ao Gama ministro da justiça o que ele precisava para fazer o ato.
    “Papel e lápis” foi a resposta.
    O pretexto do AI5 foi um discurso tolo sobre moças não dançarem com os militares do Márcio Moreira Alves, não precisa muita coisa.

  4. Vindo de um milico com mentalidade ainda presa no passado, perigo nenhum

    digno de pena ver um oficial trocando figurinhas como um moleque desordeiro que só quer incendiar os ânimos contra o povo

  5. Vindo de um milico com mentalidade ainda presa no passado, perigo nenhum

    digno de pena ver um oficial trocando figurinhas como um moleque desordeiro que só quer incendiar os ânimos contra o povo

  6. Nassif: o general está, com o presidente, só tentando desviar o assunto, com esse de “tem que estudar como fazer”. O daBala, em seu alvoroço (segundo um ministro do Çupremu) visava defender o miliciante Queiroz. O VerdeSauva talvez queira apenas disfarçar os planos que de há muito foi traçado lá nas AgulhasNegras. DaBalinha não é bobo, nem dá ponto sem nó. Se fumaçõu é porque o foguinho da Amazônia ainda arde, no submundo da caserna. Os caras treinaram no Haiti prá quê?

  7. A presidente Dilma Rousseff é culpada por não exigir o enquadramento desse desqualificado no RDE, quando o fracassado culpou o Governo pela sua incompetência para cumprir missão no Comando Militar da Amazônia.

  8. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome