Em busca de recursos, Consórcio Nordeste fará giro pela Europa em novembro

Bloco regional recém-criado busca investimentos e parcerias internacionais para obras de infraestrutura e tecnologia

Os governadores de nove estados nordestinos reunidos durante o lançamento do consórcio, em julho | Foto: Ascom governo da Bahia

Brasil de Fato

Em busca de recursos, Consórcio Nordeste fará giro pela Europa em novembro

por Juca Guimarães, do Brasil de Fato | São Paulo (SP)

O Consórcio Nordeste – entidade criada pelos nove governadores da região para formular estratégias comuns de gestão e desenvolvimento – fará em novembro sua primeira viagem internacional com o objetivo de obter recursos e parcerias.

Uma delegação da entidade deve visitar Itália, França, Alemanha e Espanha – com possibilidade de a viagem se estender até Rússia, China e Coreia do Sul. Nas rodadas de negócios, os governadores e seus representantes devem buscar financiamento para projetos de infraestrutura, como saneamento básico e tecnologia, por exemplo, redes de fibra ótica.

Para a vice-governadora do Ceará, Izolda Cela (PDT), a unidade regional demonstrada pelo consórcio deve ter grande poder atrativo sobre investidores estrangeiros. “A área de energia renovável, como a eólica e a solar, é um potencial muito forte nosso”, exemplifica.

Os nove estados do Nordeste (Bahia, Sergipe, Alagoas, Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte, Ceará, Maranhão e Piauí) têm um Produto Interno Bruto (PIB) de R$ 889 bilhões, o equivalente a cerca de 14% do PIB brasileiro – os últimos dados disponíveis do IBGE são de 2016. São quase 60 milhões de habitantes distribuídos por 1.794 cidades, cobrindo uma área de 1,5 milhão de quilômetros quadrados.

Apesar do crescimento econômico e da melhoria de condições de vida que marcaram a região durante os governos do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), muitas áreas do Nordeste ainda apresentam baixo Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) – situação que voltou a se agravar com o fim ou a paralisação de vários programas sociais nos últimos anos, sobretudo a partir da posse de Jair Bolsonaro (PSL).

Leia também:  'Consórcio Nordeste é a consolidação de uma tendência moderna de federalismo', pondera Dino

O economista Pedro Rafael Lapa, ex-diretor de desenvolvimento do Banco do Nordeste e integrante da equipe do Consórcio, lembra que, além dos cortes e dos ataques a políticas essenciais, o atual governo também retirou as operações da Petrobras da região, causando um grande impacto negativo nas economias locais.

“É a única oportunidade que o Nordeste tem de entrar no processo de industrialização, pela via da cadeia produtiva de petróleo e gás. Houve um avanço com a presença da Petrobras no Nordeste, a partir de 2003. E desde 2016 há um recuo. A Petrobras anuncia, de maneira formal que está saindo do Nordeste porque o Nordeste não cabe no plano de negócio dela. Particularmente em Pernambuco isso é desastroso, porque ela atinge os três elementos principais do complexo portuário de Suape. O pólo petroquímico foi vendido, mas é uma maneira de dizer, porque ele foi doado por 10% do seu valor; o estaleiro Atlântico Sul já está parado e todo o sistema de distribuição do gasoduto do Nordeste já foi privatizado”, cita o economista.

Articulação

Lançado oficialmente no dia 29 de julho, com sede provisória em Salvador (BA) e presidido neste primeiro ano pelo governador baiano Rui Costa (PT), o Consórcio Nordeste também pretende otimizar instrumentos de gestão, como a realização de compras governamentais em conjunto, de maneira a reduzir preços por ganho de escala.

“Vamos fazer a nossa parte, já que o governo não acerta, a curto prazo, com a retoma do crescimento do país”, disse Rui Costa durante o lançamento da entidade.

Leia também:  Bolsonaro suspende bombeamento da transposição do Rio São Francisco à Paraíba

A ação articulada deve trazer bons resultados para setores como a Saúde, segundo acredita o médico de família e professor universitário Aristóteles Cardona Júnior. Ele cita como exemplo um caso de Petrolina (BA).

“A gente tem um hospital universitário que é referência no tratamento de traumas de acidentes de trânsito para uma região que pega cidades da Bahia, de Pernambuco e Piauí. Normalmente, há uma briga, uma disputa muito grande sobre quem bota dinheiro, quem não bota, quem precisava botar mais, e não sei o quê. Aí o consórcio vem no sentido de ajudar neste diálogo para que, em conjunto, todos possam gastar melhor os recursos”, argumenta o médico.

Outra área que poderá ganhar com o consórcio, na avaliação da vice-governadora cearense, Izolda Cela, é a da segurança pública, a partir da troca de informações e tecnologias de combate à criminalidade.

Edição: João Paulo Soares

Ouça o áudio:

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

3 comentários

  1. Parabéns ao consórcio, e boa sorte.
    Sou carioca e nunca pensei em deixar o estado, mas o RJ já era. Governo estadual fanfarrão, prefeitura de merda e com um ridículo grupo de deputados recentemente eleito.
    Então, assim que as iniciativas se transformem em oportunidades faço as malas e #partiunordeste

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome