Embate entre Lava-Jato e PGR extrapola poderes

Disputa já deixou o âmbito do Ministério Público Federal, enquanto Gilmar Mendes mostra posicionamento favorável a decisão de Dias Toffoli

Foto: Reprodução

Jornal GGN – O embate entre a Procuradoria-Geral da República (PGR) e os procuradores da força-tarefa da operação Lava-Jato já ultrapassou o âmbito do Ministério Público Federal, provocando opiniões contundentes e embates.

Em live realizada pelo grupo Prerrogativas neste sábado, o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Gilmar Mendes defendeu a decisão tomada pelo presidente da Corte, ministro Dias Toffoli, sobre o compartilhamento de informações das forças-tarefa da Lava Jato com a PGR, e chegou a chamar os procuradores que resistem à medida de “chantagistas eméritos”.

De acordo com o jornal Correio Braziliense, o acirramento em torno da operação Lava-Jato ganhou força por conta de proposta elaborada pelo Conselho Superior do Ministério Público Federal, que envolve a criação de uma unidade de combate à corrupção que centraliza os dados das investigações em curso, e que estaria subordinada ao procurador-geral da República, Augusto Aras.

O estopim para o embate surgiu após a decisão de Aras de enviar uma procuradora ao MPF do Paraná para coletar informações da Lava-Jato. Os ânimos esse acirraram ao ponto de estar em andamento uma petição (que conta com a assinatura de 300 procuradores) pedindo a saída de Eitel Santiago, secretário-geral do MPF que não só apoia o governo Bolsonaro como já declarou que a eleição do presidente foi uma “obra divina”.

 

Leia Também
Aras prepara equipe para coletar dados sobre operação Lava-Jato
Bolsonaristas atacam MBL após prisão de membros do movimento 
Presidente do STJ negou diversos habeas corpus, mas soltou Queiroz

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Embaixador dos EUA trabalha pesado por tarifa zero em etanol americano

1 comentário

  1. Falta a Turminha de Curitiba responder pela morte do ex-deputado Nelson Meurer. Toda a cadeia sanguinolenta paranaense.
    Juiz de piso do Paraná, relator TRF4 do Paraná, relator STJ do Paraná e relator STF do Paraná.
    Difícil acreditar que esta cadeia punitivista não foi tramada.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome