Empresas aéreas querem emergentes no avião

Já que os institutos de pesquisa estão na boca do povo graças às eleições, acho que vale a pena mostrar aqui os números divulgados nesta quinta-feira 5/8 pelo Data Popular, que faz pesquisas e consultorias sobre o consumidor emergente desde 2001.

O levantamento mostra o potencial de pessoas que pretendem viajar de avião pela primeira vez nos próximos 12 meses. Sabe o resultado? Quase 11 milhões de brasileiros, entre os quais 8,7 milhões são pessoas das classes C e D. Ou seja, 82% dos futuros clientes das companhias aéreas são pessoas com uma renda familiar mensal entre três e dez salários mínimos.

E como o importante para as empresas são as cifras vale acrescentar: no próximo ano, a estimativa é que os passageiros das classes C e D movimentem R$ 11 bilhões dos R$ 23 bilhões que devem chegar ao mercado de turismo de lazer.

Não é à toa que as companhias aéreas estão redirecionando suas estratégias e realizando parcerias para vender passagens em redes de varejo e supermercados, como anunciaram a TAM e a Azul nos últimos dias.

Objetivo? Atrair esses brasileiros emergentes, que estão com mais dinheiro no bolso e cada vez mais dispostos a investir seu suado dinheiro em produtos e serviços de boa qualidade. Neste caso, trocando as longas viagens de ônibus pelas de avião.

Mais uma prova que governo democrático é aquele que gera empregos, aumenta o salário mínimo muito acima da inflação, promove a redução da pobreza e da desigualdade por meio de programas sociais e faz o Brasil ter finalmente uma classe média de verdade.

Leia também:  Moro diz que Aras não tem "nada de concreto" contra a Lava Jato em Curitiba

Resta saber se haverá uma articulação concreta entre os poderes público e privado para garantir a expansão da infraestrutura dos aeroportos. Inclusive em relação à capacidade de atendimento das empresas aéreas. Sem isso, não será difícil ver passageiros se engalfinhando nos saguões, nem será impossível que o preconceito velado dos brasileiros coloquem em oposição a elite que já viaja de avião e os emergentes que cada vez mais ocuparão espaço em serviços como o transporte aéreo.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome