Entenda: o trabalho de Harvard que está dando o que falar no mundo científico

Em todos os cenários, houve um ressurgimento da infecção quando as medidas simuladas de distanciamento social foram levantadas. Mas quando o distanciamento social era muito eficaz praticamente nenhuma imunidade populacional foi construída.

Quanto tempo durará a pandemia do Covid-19? Esta é a grande questão que atormenta o mundo todo. O futuro da economia mundial, os impactos sobre empresas e emprego, riqueza e miséria, democracia e autocracia dependem de uma resposta a essa questão. Aqui, um estudo da Universidade de Harvard trazendo elementos de discussão, com uma afirmação polêmica: a necessidade de isolamento até 2022.

O trabalho mostra o que pode acontecer se a capacidade de cuidados extensivos são excedidas e qual a eficácia de hospitais de campanha e aumento na fabricação e distribuição de ventiladores. Analisa também a sazonalidade do vírus – propagando-se mais no inverno.

Sobre as dúvidas acerca da gripe pandêmica

O SARS-CoV-1 pôde ser erradicado por medidas intensivas de saúde pública após causar uma epidemia breve, mas intensa. No entanto, cada vez mais as autoridades de saúde pública consideram esse cenário improvável. Há a possibilidade do SARS-CoV-2 se assemelhar à da gripe pandêmica, circulando sazonalmente após causar uma onda global inicial de infecção. 

Sobre distanciamento social

Em todos os cenários, houve um ressurgimento da infecção quando as medidas simuladas de distanciamento social foram levantadas. Mas quando o distanciamento social era muito eficaz praticamente nenhuma imunidade populacional foi construída. Nos cenários de distanciamento temporário, o distanciamento social de longo prazo (20 semanas), moderadamente eficaz (20% a 40%) produz o menor pico geral e tamanho total de surto.

Sobre distanciamento social e sazonalidade

A observação de que um distanciamento social temporário forte pode levar a ressurgimentos especialmente grandes concorda com os dados da pandemia de gripe de 1918 nos Estados Unidos , na qual o tamanho do pico de infecção do outono de 1918 foi inversamente associado ao de um inverno subsequente pico após intervenções não estavam mais no local.

Ou seja, se o distanciamento social no outono reduzir a auto-imunização, poderá surgir uma onda maior no inverno.

Sobre autoimunização

No entanto, há dúvidas de monta sobre o prazo de imunidade de quem adquiriu o Covid-19: cinco ou dois anos? Ainda não há resposta para essa questão fundamental.

O trabalho assumiu a hipótese que a infecção por SARS-CoV-2 induz imunidade que dura pelo menos dois anos, mas medidas de distanciamento social podem precisar ser estendidas se a imunidade de SARS-CoV-2 diminuir mais rapidamente .

Aqui, a íntegra do trabalho, publicado na revista  Science e traduzido pelo Google Tradutor.

Projetar a dinâmica de transmissão do SARS-CoV-2 durante o período pós-pandemia – Ciência

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora