Entrevista ao vivo: Alcântara volta a ameaçar territórios quilombolas

Depois de quase 40 anos de tragédia de reassentamento quilombolas, cenário pode se repetir com o projeto de ampliação do Centro de Lançamento de Alcântara. Antropólogos que traçaram o histórico dessa disputa territorial e mediram os impactos conversam com o GGN

Foto: Agência Senado

Jornal GGN – O projeto de ampliação do Centro de Lançamento de Alcântara, exposto em resolução publicada no dia 27 de março deste ano, assinada pelo ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional, general Augusto Heleno, se apropriará de uma área de mais de 12 mil hectares além do que já é ocupado pela base espacial de Alcântara, á revelia de cerca de 800 famílias quilombolas que vivem na região, que serão reassentadas.

O impacto do projeto preparado pelo governo de Jair Bolsonaro para a base de Alcântara, além das particularidades técnicas e críticas sobre a perda de soberania nacional em território brasileiro, sem obter os esperados ganhos de desenvolvimento tecnológico em troca, reascende uma luta de quase 4 décadas dos povos originários de Alcântara, cujos territórios se viram ameaçados desde 1983, quando foi criado o Centro de Lançamento, expulsando 312 famílias quilombolas.

Depois de 37 anos, a tragédia histórica para os quilombolas da região pode se repetir, em um nível duas vezes maior do que o ocorrido a fins da ditadura brasileira. Recheado de polêmicas e embates contra e a favor do projeto que prometeu tornar o Brasil o epicentro do desenvolvimento tecnológico espacial, o histórico da base de Alcântara também versa sobre outras contradições menos discutidas quando o tema é levantado: a retirada forçada de centenas de famílias quilombolas de seus territórios.

E é este outro lado da história que os antropólogos Benedito Souza Filho e Maristela de Paula Andrade detalharam no livro “A Dois Graus do Equador – O Estado brasileiro contra os quilombolas de Alcântara”, em edição digital publicada neste ano, trazendo o contexto, cronologia e impactos da disputa territorial a que os quilombolas foram submetidos e seguem, até hoje, ameaçados pela nova resolução editada pelo governo Bolsonaro.

Leia também:  Raio X das eleições - 1: PSDB perdeu 7 milhões de votos; PT ganhou 62 mil

Para entender essa disputa territorial, o GGN conversa ao vivo com os autores do livro, em entrevista que será transmitida às 16h desta segunda-feira, na TV GGN.

Aqui disponibilizamos a edição digital do livro.

 

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome