Especialistas cogitam sazonalidade do coronavírus

Chave para o controle do avanço do vírus está em seu comportamento no calor; SARS-CoV-2 tem semelhanças com o vírus da gripe

Uma das especulações científicas é sobre o que vai acontecer com o vírus quando o tempo esquentar

Jornal GGN – O coronavírus (Covid-19) é uma descoberta patológica muito recente e os pesquisadores ainda não sabem muito bem como lidar com ele. Em meio ao seu avanço, existe uma especulação sobre a possibilidade de que se torne sazonal, sobre sua adaptação entre humanos e se desenvolveremos imunidade a ele.

O SARS-CoV-2, causador da Covid-19, apresenta semelhanças com o vírus da gripe, e a estratégia inicial considerou a sua erradicação, como se conseguiu com o SARS-CoV, do qual não se sabe nada há mais de 15 anos. Mas esse cenário está cada vez mais distante com o novo coronavírus.

“Não me atreveria a dizer que será erradicado, porque isso significaria que não houvesse absolutamente nenhum caso. Mas estamos a tempo de contê-lo”, dizia María Neira, diretora do Departamento de Saúde Pública e Meio Ambiente da OMS, em entrevista à Agência Sinc, e citada pelo jornal El País.

Uma das especulações científicas é sobre o que vai acontecer com o vírus quando o tempo esquentar, uma vez que agentes deste tipo tem mais dificuldade para contagiar pessoas em temperaturas quentes – o que explica a queda de casos de gripe no verão.

No caso do SARS-CoV-2, não se sabe como a mudança de estação o afetará, embora vários estudos já tenham feito uma aproximação. Existe um estudo a ser revisado que explicava que um aumento de 20 graus na temperatura ambiente retardaria a reprodução do vírus, mas que isso freará sua propagação em 18%, enquanto as políticas de contenção e as medidas sanitárias teriam que ser responsáveis pelos 82% restantes.

Leia também:  O desespero do velho da Havan

Enquanto as pesquisas continuam, o trabalho atual é conter a doença para que o sistema sanitário não seja comprometido. Caso a doença realmente se torne sazonal, especialistas não esperam que vacinas e medicamentos sejam desenvolvimentos em menos de um ano, na melhor das hipóteses.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome