EUA: Pesquisas colocam Biden na liderança de disputa presidencial

Favoritismo democrata ganhou força com manifestações antirracistas; recessão criada pela pandemia piorou cenário para Trump

Jornal GGN – Pesquisas eleitorais nos Estados Unidos colocam o democrata Joe Biden à frente de Donald Trump – antes favorecido pelos bons números da economia, o republicano foi diretamente afetado pela recessão decorrente da pandemia e pelos protestos antirracismo ao longo do país.

A 100 dias das eleições presidenciais, Trump tenta ganhar campo nos redutos republicanos, enquanto Biden lidera as pesquisas nos Estados-chave que vão decidir o embate.

A média das pesquisas eleitorais coloca Biden 8 pontos à frente do atual presidente dos Estados Unidos. Embora a maioria do voto popular não seja suficiente para garantir a vitória, os números nacionais se refletem na maioria dos Estados-chave.

Por exemplo: no chamado Cinturão da Ferrugem, Biden registra mais de 7 pontos acima de Trump nas pesquisas em Wisconsin, Michigan e Pensilvânia. Na Flórida, a vantagem do democrata é de 7,6 pontos. Em Carolina do Norte, Arizona e Ohio, também Estados-chave, Biden tem mais de 2 pontos de vantagem.

Segundo o jornal O Estado de São Paulo, o ineditismo da pandemia e seu efeito político em termos sanitários, econômicos e sociais têm indicado que o mapa de Estados-chave pode mudar, assim como aconteceu em 2016, com Estados tradicionalmente republicanos tornando-se competitivos e os democratas apostam em vitórias, tanto na corrida presidencial quanto nas disputas ao Senado.

Trump tem sido pressionado pela perda de apoio e o avanço da covid-19 nos Estados Unidos, o que o levou a mudar de estratégia: além de encurtar as entrevistas coletivas na Casa Branca, o republicano passou a defender o uso das máscaras “como gesto patriótico” e afirmou que a situação deve piorar antes da melhora, além de cancelar um dos eventos da convenção republicana.

Além do coronavírus, os protestos antirracismo levaram Trump a adotar a mesma tática da eleição que venceu em 2016: explorar as divisões sociais para mexer com sua base de apoio. Porém, tal plano tem incomodado diversos republicanos.

 

Leia Também
Em retaliação a Trump, China fecha consulado dos EUA em Chengdu
A crise econômica da pandemia: como os países a estão enfrentando, por Ronaldo Bicalho
Twitter adverte para Fake News de Trump, que ameaça com fechar rede social
“Brasil já paga preço alto pelas palhaçadas de Bolsonaro”, diz Financial Times

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

2 comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome