Ex-deputado Domingos Brazão teria “arquitetado” morte de Marielle

É a primeira vez que uma autoridade aponta um mandante para o crime que tirou a vida da vereadora do PSOL e do motorista Anderson Gomes

Foto: Mídia Ninja

Jornal GGN – Pela primeira vez em mais de um ano e 7 meses, o Ministério Público aponta o nome de um mandante do crime que tirou a vida da vereadora do PSOL, Marielle Franco, e do motorista Anderson Gomes, em março de 2018.

De acordo com denúncia enviada pela Procuradoria-Geral da República ao Superior Tribunal de Justiça, o político Domingos Brazão teria “arquitetado” o homicídio e, para manter-se impune, “esquematizou a difusão de notícia falsa sobre os responsáveis.”

Brazão é ex-deputado pelo MDB e deixou o cargo em 2015, para assumir o conselho do Tribunal de Contas do Rio de Janeiro.

Apesar da declaração taxativa da PGR, a Polícia Civil no Rio de Janeiro ainda investiga a motivação e trata oficialmente Brazão como “testemunha” no inquérito que está em andamento.

A denúncia, assinada pela ex-procuradora-geral Raquel Dodge, diz que “fazia parte da estratégia que alguém prestasse falso testemunho sobre a autoria do crime e a notícia falsa chegasse à Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro, desviando o curso da investigação em andamento e afastando a linha investigativa que pudesse identificá-lo como mentor intelectual dos crimes de homicídio.”

Dodge ainda apontou 5 pessoas como responsáveis por tentativa de obstruir as investigações: Brazão, o conselheiro do TCE-RJ; o agente aposentado da Polícia Federal, Gilberto Ribeiro da Costa; o policial militar do Rio, Rodrigo Jorge Ferreira; a advogada Camila Moreira Lima Nogueira o delegado da polícia federal, Hélio Khristian Cunha de Almeida.

As informações são do UOL.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

2 comentários

  1. Então, de acordo com o MP, os cinco cidadãos de “bem”, nas horas vagas em que não estavam ajudando o país com suas “bondades”, se divertiam brincando de QUADRILHA.

    Falta explicar aos leitores a suposta motivação do crime.

    Falta ainda verificar se as “provas” levantadas pelo MP são sólidas, realmente, ou se, ao final, os acusados serão absolvidos por excesso de convicção da promotoria.

    O fato de a polícia civil do RJ seguir considerando os acusados pelo MP como meras testemunhas, já por si é um péssimo sinal para os que têm esperança que a justiça seja feita contra os assassinos da Marielle.

  2. è preciso observar a sutileza do texto das procuradoras. Elas não falam ” mandante”, mas “arquiteto” do crime. Arquiteto faz projetos a pedido de alguém. Alguns sites descuidados , inclusive progressistas, estando fazendo chamadas com Brazão sendo o “mandante”….Ou seja, estão caindo na armadilha. A verdade , mais cedo ou mais tarde, aparecerá. Entendedores entenderão.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome