Excesso de poder: ex-Procurador-Geral da Suíça com novas acusações de corrupção

A nova queixa criminal contra Lauber alega que ele tentou subverter as reivindicações legais dos credores da Zeromax na Suíça para uma parte dos US $ 800 milhões mantidos em bancos privados em Genebra ligados a Karimova.

Do Financial Times

As autoridades judiciais da Suíça estão examinando alegações de que o promotor federal Michael Lauber tentou desembolsar indevidamente US $ 800 milhões em dinheiro congelado ligado à filha encarcerada de um ex-líder uzbeque.

O órgão de supervisão encarregado de supervisionar Lauber deve nomear um promotor especial para analisar as reivindicações, que faziam parte de uma denúncia apresentada por um escritório de advocacia de Zurique no mês passado, disseram autoridades judiciais suíças ao Financial Times.

A denúncia alega que Lauber, o mais poderoso oficial da lei da Suíça com autoridade em todos os casos legais, entrou em uma “colaboração ilegal” com o governo suíço, a fim de aumentar os interesses do país no Uzbequistão.

Lauber, que luta contra as acusações de irregularidades desde o ano passado, já é alvo de uma investigação criminal iniciada na semana passada pelo promotor especial Stefan Keller sobre a investigação de longa data de seu escritório sobre corrupção no futebol mundial.

Agora, o AB-BA, o órgão que supervisiona o trabalho de Lauber, pediu a Keller que analisasse as novas alegações relativas ao dinheiro uzbeque. Se Keller recusar, um segundo promotor seria nomeado para investigar o assunto separadamente.

Segundo a lei suíça, um promotor é obrigado a determinar formalmente se as alegações criminais são substanciais o suficiente para serem encaminhadas para uma investigação criminal completa.

O escritório de Lauber disse que eles não tinham conhecimento da nova denúncia ou das atuais deliberações da AB-BA. O escritório do Sr. Lauber não comentou mais.

Leia também:  GGN Covid Brasil: prossegue a queda na curva de casos

O carismático Sr. Lauber apresentou sua renúncia  no mês passado, depois que a AB-BA disse que “violou seriamente seus deveres oficiais e legais”, mantendo reuniões secretas e não minuciosas com Gianni Infantino, presidente da Fifa. No entanto, espera-se que Lauber permaneça no cargo até o final do ano.

A nova queixa legal foi apresentada por um escritório de advocacia de Zurique, agindo em nome dos credores da Zeromax, uma holding suíça de US $ 5,6 bilhões, supostamente controlada por Gulnara Karimova, filha do ex-presidente do Uzbequistão, Islam Karimov.

O Zeromax, o maior canal de investimento estrangeiro no Uzbequistão até o colapso em 2010, foi usado para financiar o estilo de vida luxuoso de Karimova e aqueles próximos a ela, revelaram documentos divulgados após a falência. Centenas de milhões foram retirados da empresa nas semanas anteriores ao colapso.

Socialite poderosa e diplomata aspirante durante a ditadura de 27 anos de seu pai, ela caiu de graça nos últimos anos de seu regime e foi considerada culpada em 2015 por roubar até US $ 1,6 bilhão por sonegação de impostos, peculato e apropriação ilegal de bens do Estado. Ela foi condenada a 13 anos de prisão no Uzbequistão em março.

A nova queixa criminal contra Lauber alega que ele tentou subverter as reivindicações legais dos credores da Zeromax na Suíça para uma parte dos US $ 800 milhões mantidos em bancos privados em Genebra ligados a Karimova.

Alega que Lauber usou provas obtidas indevidamente do Uzbequistão para declarar que Karimova não era a parte controladora final de Zeromax, apesar de a polícia federal da Suíça ter estabelecido que ela era. Os tribunais dos EUA e da Suécia também descobriram que Karimova usou Zeromax como um de seus principais canais financeiros.

Leia também:  Pré-candidato militar é alvo de sindicância por criticar Bolsonaro

Ao tomar essa decisão, o Ministério Público Federal negou as alegações dos credores de Zeromax às contas suíças de Karimova.

A denúncia alega que Lauber e seus representantes ajudaram a facilitar um acordo secreto com os governos suíço e uzbeque que foi mediado em uma viagem não oficial a Tashkent em 2017.

A alegação dirigida a Lauber caracterizou o suposto acordo secreto como uma “colaboração ilegal entre o Conselho Federal [gabinete da Suíça] e o Gabinete do Promotor Federal. . . [a] violação tangível do princípio da separação de poderes ”.

A Suíça tentou devolver os US $ 800 milhões às autoridades uzbeques em troca do retorno do Uzbequistão ao bloco de votação da Suíça no FMI, alega a queixa. A política amistosa da Suíça com o Uzbequistão é de longa data e reconhecida publicamente por Berna.

O governo suíço busca, desde o início dos anos 90, alavancar seu poder nas instituições financeiras internacionais, aliando-se aos países da Ásia Central, fornecendo apoio econômico e ao desenvolvimento em troca de votos. A política ajudou a manter a Suíça no conselho do FMI.

O ministério da justiça do Uzbequistão em junho confirmou que estava em negociações com a Suíça a devolução de bens de propriedade de Karimova, e que os recursos seriam devolvidos ao orçamento uzbeque.

O governo do Uzbequistão, o Ministério das Relações Exteriores do país e sua embaixada em Berlim, que representa o país na Suíça, não responderam aos pedidos de comentários.

Um porta-voz do departamento de relações exteriores da Suíça disse que uma decisão foi tomada pelo gabinete de governo da Suíça em 2018 para devolver os US $ 800 milhões ao Uzbequistão.

“Nesse processo, são respeitadas as respectivas competências legais do Departamento Federal de Justiça e Polícia e do Departamento Federal de Relações Exteriores. O processo descrito acima está em conformidade com a lei suíça e a estratégia de recuperação de ativos adotada pelo Conselho Federal Suíço ”, afirmou em comunicado.

3 comentários

  1. Eu admito que os ianques pousaram na lua, mas não com a explicação a seguir transcrita:

    “In images from the moon landing, it is possible to see certain objects even though they are in shadow. Skeptics argue that if the sun were the only source of light, this wouldn’t be the case. Therefore, the fact that you can see some objects in shadow must be the result of special Hollywood lighting.

    The problem with this theory is that although the sun is the main source of illumination on the moon, it isn’t the only source of illumination. Another source is the lunar ground, which reflects the sun’s light. In the Apollo 11 pictures, “the sunlight is being scattered or reflected off the ground every which way, and some of it—a small fraction but enough to be able to see—scatters into the shadows,” Fienberg says.

    This is why, in some images, you can make out a plaque that Armstrong and Aldrin left on the moon even though it’s lying in shadow”.

    Ora, a luz não se dispersa no vácuo, e na lua não há atmosfera. Portanto, a dispersão não explica porque objetos mergulhados nas sombras projetadas na superfície da lua são vistos nas fotos da Missão Apolo 11. A reflexão da luz solar, idem, pois o ângulo de incidência é igual ao ângulo de reflexão. Se os objetos mergulhados nas sombras projetadas na superfície da lua fossem divisados por reflexão da luz solar, então o ângulo de incidência não seria igual ao ângulo de reflexão.

    O que vc acha, Gollo?

  2. Eu admito que os ianques pousaram na lua, mas não com a explicação a seguir transcrita:

    “In images from the moon landing, it is possible to see certain objects even though they are in shadow. Skeptics argue that if the sun were the only source of light, this wouldn’t be the case. Therefore, the fact that you can see some objects in shadow must be the result of special Hollywood lighting.

    The problem with this theory is that although the sun is the main source of illumination on the moon, it isn’t the only source of illumination. Another source is the lunar ground, which reflects the sun’s light. In the Apollo 11 pictures, “the sunlight is being scattered or reflected off the ground every which way, and some of it—a small fraction but enough to be able to see—scatters into the shadows,” Fienberg says.

    This is why, in some images, you can make out a plaque that Armstrong and Aldrin left on the moon even though it’s lying in shadow”.

    Ora, a luz não se dispersa no vácuo, e na lua não há atmosfera. Portanto, a dispersão não explica porque objetos mergulhados nas sombras projetadas na superfície da lua são vistos nas fotos da Missão Apolo 11. A reflexão da luz solar, idem, pois o ângulo de incidência é igual ao ângulo de reflexão. Se os objetos mergulhados nas sombras projetadas na superfície da lua fossem divisados por reflexão da luz solar, então o ângulo de incidência não seria igual ao ângulo de reflexão.

    O que vc acha, Gollo?

    “CLAIM: Armstrong and the lunar module are seen reflected in Aldrin’s helmet visor in an iconic photo of Aldrin in his spacesuit on the moon. But there’s no sign that either astronaut is holding a camera. So who took the picture?

    THE FACTS: The astronauts’ cameras were mounted on their chests, Drabek-Maunder said. As a result, Armstrong did not have to hold his up to his eye. His hands, in fact, appear to be near his chest in that picture”.

    Então quem tirou a selfie do Buzz Aldrin no espaço?

  3. A discussão central não deveria ser o procurador geral,que é acessório,mas sim o sistema finaceiro internacional.
    Como países como a Suiça recebem altas somas sem o aval do país emitente? O resto todo é demagogia para manchetar jornais.
    A segurança mundial ganharia muito se estas transações financeiras fossem tão transparentes como a transparência que esses hipócritas dizem exigir dos governos do mundo.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome