Fabrício Queiroz não deve fechar delação premiada

Informação veio de seu advogado, Paulo Catta Preta; ex-assessor de Flávio Bolsonaro está preso em Bangu 8, no Rio de Janeiro

foto Policia Civil (via fotospublicas.com)

Jornal GGN – O ex-assessor Fabrício Queiroz não deve fazer delação premiada no caso das rachadinhas envolvendo o atual senador Flávio Bolsonaro.

“Doutor, eu não quero delatar e não tenho o que delatar”, respondeu ao ser questionado sobre a informação de que uma delação premiada estava em negociação com os investigadores, segundo o advogado Paulo Catta Preta. As informações são da jornalista Monica Bergamo, em sua coluna no jornal Folha de São Paulo.

“Eu estou seguro com o que ele me disse. Não teria por que mentir”, afirma o defensor. “Se quisesse fazer delação, ele teria que eticamente me comunicar”. No momento, Queiroz está detido no Presídio Pedrolino Werling de Oliveira (Bangu 8), no Rio de Janeiro.

Catta Preta assumiu a defesa de Fabrício Queiroz em 18 de junho. Ele também é defensor da família de Adriano da Nóbrega, amigo de Queiroz e também ligado a Flávio Bolsonaro, morto no começo do ano em operação policial realizada na Bahia.

 

Leia Também

Enquanto irmão ganha foro especial, Carlos Bolsonaro perde

Gilmar Mendes irá julgar ação contra foro privilegiado de Flávio Bolsonaro

Flávio Bolsonaro tenta evitar decisão de Celso de Mello, por Marcelo Auler

Do Banestado à Lava Jato: um dossiê sobre o passado de Sergio Moro

4 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Bruno Vieira

- 2020-07-01 18:29:21

Torço pra que a criminosa foragida esposa dele seja presa pra ver se aceitam pagar pelos seus crimes sem entregar o Flávio e o pai dele. Pra ser justo, acho que a filha tem que ser processada e condenada pra só então ser presa.

Edivaldo Dias de Oliveira

- 2020-07-01 16:19:32

“Doutor, eu não quero delatar e não tenho o que delatar” Segundo o google tradutor: "Doutor, eu não quero morrer, eu não tenho porque morrer"

jcordeiro

- 2020-07-01 15:35:23

Nassif: essa do bicocalado do amigo e empregado não é novidade da linha de crime "miliciano" do Rio. Antigamente (não sei se continua), quando um apontador de jogo (Bicheiro) era preso o dono da Banca dava assistência à família durante a cana. E bicocalado, durante todo tempo. Evidentemente, em se tratando de altas autoridades políticas e militares provavelmente envolvidas na maracutaia de agora, a grana será altíssima. Ricardo III, segundo a maledicência do Shakespeare, gritava doidamente "Meu Reino por um cavalo!". Acho que um campinho de Petróleo (do PreSal) faria um bem enorme por meliante em questão. É só ficar na sua, pianinho. Sem essa de "cuspir feijões". O "larjan" dá até pra compra Palacete na Av. Foch, em Paris. Nem vai precisar das IlhasCahimãs para viver principescamente...

JP

- 2020-07-01 15:22:16

Detectado comentário repetido; parece que você já disse isso!

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador