Fachin não comenta mensagem de Dallagnol, e defende punir juiz com “agenda ideológica”

"Ninguém está acima da lei, nem mesmo o legislador, nem o julgador e muito menos o acusador", disse o ministro do STF sem citar especificamente o caso Moro

Foto: Agência Brasil

Jornal GGN – O ministro do Supremo Tribunal Federal Edson Fachin tentou tangenciar a imprensa nesta segunda (8) e não quis comentar, quando questionado, as mensagens trocadas por procuradores da Lava Jato que insinuam que o magistrado estava “fechado” com a operação. Em um dos diálogos, Deltan Dallagnol escreveu expressamente: “Aha Uhu o Fachin é nosso”, após encontro em Brasília com o ministro. Os relatos da fuga de Fachin são do jornal Valor Econômico.

Caro leitor do GGN, estamos em campanha solidária para financiar um documentário sobre as consequências da capitalização da Previdência na vida do povo, tomando o Chile como exemplo. Com apenas R$ 10, você ajuda a tirar esse projeto de jornalismo independente do papel. Participe: www.catarse.me/oexemplodochile

Fachin participou de um evento em Tribunal Regional Federal e, apesar de não comentar os vazamentos do Intercept e citar o caso de Sergio Moro especificamente, o ministro defendeu a punição de juízes que adotam agenda pessoal e “ideológica”, abandonando a legislação e a imparcialidade.

“O juiz não está acima da lei, juiz algum tem uma Constituição para chamar de sua, juiz algum tem o direito à prerrogativa de fazer de seu ofício uma agenda pessoal ou ideológica. Se o fizer, “dentro de qualquer instância do Poder Judiciário, há de submeter-se ao escrutínio da verificação”, afirmou.

“Ninguém está acima da lei, nem mesmo o legislador, nem o julgador e muito menos o acusador”, acrescentou Fachin.

Ainda segundo o Valor, o ministro admitiu que “injustiças podem ter sido cometidas” e que, neste caso, “devem ser reparadas”, pois a lei “se aplica a todos os atores dos poderes e das instituições”.

Leia também:  Um exemplo da falta de governo: o que fazer com municípios que fecham a entrada?

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

6 comentários

  1. Fachin só pode estar se referindo a si próprio.
    Conduziu todas as etapas do processo de forma contrária ao Lula. Não raras vezes, encaminhou, para o plenário, questões que poderiam ser julgadas na Segunda Turma.
    Depois que o Toffoli foi substituído pela Carminha Neves na Segunda Turma, passou a encaminhar as questões envolvendo Lula para a Segunda Turma.
    Por essas e outras que a torcida curitibana comemora: aha, uhu, o Fachin é nosso.
    Se tivesse um mínimo de brio, após as revelações do Intercept, deixaria a relatoria da Lava Jato.
    Esse juiz tem um lado. É torcida!

  2. Oa crimes pelos quais Fachin tem que responder são muito mais graves que os que pesam sobre o Marreco.

  3. O Supremo deu muita corda para acontecer os desvios de função do judiciário. Hoje, a justiça está nas cordas bambas, se espremendo para não ser atingida na base, que é a imparcialidade de quem julga.

  4. Nassif: minha santa vó dizia que quando a água bate na bunda o indivíduo tem que aprender a nadar. Não sei se o caso, mas o ministro “Uhaú, Úh”parece que se enquadra na moldura. É possível que tivesse com medo. Ou por um telhado de vidro, conseguido pelos VerdeSauvas e seus coadjuvantes (CIA, Mossad e M6). Ou até mesmo receoso, depois do “acidente” do Teori. Dizem que quem tem, tem medo. Mas a água tá subindo. Parece chegou quase um plamo acima do joelho. O TogaSuja já tá com o passaporte tinindo. O GogoboyAvivado, seguindo o exemplo, até disse pros caras do Congresso que não vai lá, amanhã. E se insistirem pede por Çupremu impedir. E aí desse ministro, se mijar fora do penico… Queiroz (e amigos) tá de olho nele.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome