Fechamento da Fafen compromete qualidade do gado brasileiro. Carne poderá conter formol

Fábrica é a maior produtora de ureia pecuária do país, produto utilizado como suplemento para o gado. Com o fim da produção, os pecuaristas passarão a utilizar a ureia agrícola, o que comprometerá a qualidade da carne

Foto: Arquivo/Agência Brasil/Ascom AdePARÁ

da Federação Única dos Petroleiros – FUP

Fechamento da Fafen compromete qualidade do gado brasileiro. Carne poderá conter formol

A qualidade da carne bovina produzida no Brasil será altamente impactada pelo fechamento da Fafen-PR. Aquele churrasquinho do final de semana e o famoso PF de bife com fritas poderão conter formol. O alerta é dos pecuaristas.

Além dos mil trabalhadores que serão demitidos com o fechamento da Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados do Paraná (Fafen), consumidores de carne bovina em todo Brasil podem ser diretamente prejudicados com a hibernação da unidade.

A fábrica é a maior produtora de ureia pecuária do país, produto utilizado como suplemento para o gado. Com o fim da produção, os pecuaristas passarão a utilizar a ureia agrícola, o que comprometerá a qualidade da carne bovina brasileira.

Ao contrário da ureia pecuária produzida pela Fafen-PR, a ureia agrícola possui formol em sua composição, o que pode acarretar graves danos em toda cadeia produtiva, chegando, inclusive, ao consumidor final.

O fechamento da Fafen preocupa produtores de gado e médicos veterinários, que já levaram o tema ao Congresso Nacional. O senador Wellington Fagundes (PL-MT), membro da Academia Brasileira de Medicina Veterinária, discutiu o assunto com os ministros Bento Albuquerque, de Minas e Energia, e Tereza Cristina Corrêa, de Agricultura. Saiba mais aqui

“A ureia pecuária tem a importação cara e complexa pois, pela ausência do formol, pode empedrar no transporte. A dificuldade na importação levará produtores brasileiros a usar a ureia agrícola, com formol, trazendo impactos diretos aos consumidores da carne bovina”, afirma o coordenador-geral do sindicato, Santiago da Silva Santos.

A preocupação em Brasília, no entanto, é com a indústria e o empresariado e não com a saúde dos consumidores. Para os ministros e a bancada ruralista, o desafio está no encarecimento do produto e nas possíveis sanções internacionais à exportação da carne brasileira. As tratativas políticas visam liberar novos importadores de ureia pecuária e incrementar a competitividade do mercado. Os produtores querem um ano para se adaptar e a liberação de impostos para importação.

Leia também:  Greve dos petroleiros: no 17º dia, 64% de adesão de áreas operacionais da Petrobras

“O fechamento da Fafen compromete a economia, a segurança alimentar e também a saúde do consumidor brasileiro. Por que importar insumos se podemos produzir aqui? Temos tecnologia, fábricas, matéria prima e mão de obra especializa”, alerta Gerson Castellano, funcionário da Fafen-PR e diretor da FUP.

Em reportagem feita pelo Estadão no acampamento montado em frente à sede da Petrobras, os petroquímicos denunciam os riscos do fechamento da fábrica para a soberania alimentar:

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

2 comentários

  1. Isto tem importância? Assim estes Pecuaristas não acabarão com a Amazônia!! Para que Indústrias? E Industrias Nacionais, ainda por cima?!! Só promovem estas tais de Meritocracia e Capitalismo !!! Acabemos com o ‘pum’ dos bois que promovem o Aquecimento Global !!! Mas churrasco é tão bom….E faz tão bem para Empregos e Economia Brasileiros !! Pobre país rico. Mas de muito fácil explicação. Para que Indústria Nacional? Pergunte a estes Funcionários.

    1
    1
  2. Táokey. O leite já faz tempo que é uma mistureba de conservantes que só é chamado pelo nome, de hábito. O queijo e a manteiga industrializadas, idem. Agora a carne que além de papelão, hormônios, medicamentos e muita adrenalina que os animais injetam em seus nervos, agora virá com formol.
    Ainda bem que a bancada do boi, convive bem com a da bíblia, que repete – o mal não é o que entra pela boca – mesmo quando mais da metade do adoecimento humano moderno, esteja ligado aos hábitos alimentares.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome