Festival de Direitos Humanos de SP debate a situação do jovem no mercado de trabalho

Segundo levantamento da Fesp-SP, tema do debate, 30% dos jovens paulistanos já sofreram assédio no trabalho

Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

Jornal GGN – O retrato do jovem frente ao declínio social dos temas de trabalho é exposto no relatório da pesquisa “Juventude e Mercado de Trabalho”, realizado pela Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP). O estudo será apresentado na segunda-feira, 9 de dezembro, às 14h, no Auditório SMDHC, durante a programação do 7° Festival de Direitos Humanos “Direito a democracia, direitos para todos”, da Prefeitura de São Paulo.

Desemprego, diversos tipos de assédio, pouco estudo e falta de experiência, são pontos em comum nos 400 jovens pesquisados, entre 15 e 29 anos, nas cinco regiões da cidade. De acordo com o levantamento entre os 30% desempregados, a maior dificuldade para arrumar emprego é a falta de experiência, segundo 44%.  Além disso, 72% dos entrevistados estão fora do ensino superior e 39% vivem com os pais e não possuem renda.

A pesquisa será apresentada pelos professores Paulo Silvino e Stella Schrijnemaeker, que alertam para o assédio. Hoje, 30% desses jovens sofreram ou sofrem algum tipo de constrangimento no ambiente de trabalho e destes 59% são mulheres e 39% têm entre 19 e 21 anos. 

“Se pensarmos que são pessoas que ingressaram a pouco tempo no mercado de trabalho, isso diz muito sobre a desigualdade e o preconceito em nosso país. Será que temos um mercado de trabalho que constrange e assedia as pessoas? Temos jovens mais sensíveis hoje em dia? Podemos chamá-los de mimimi? Creio que não. Podemos ter jovens que não aceitam mais o que se aceitava antes”, explicou a professora Stella Schrijnemaekers

O coordenador de Políticas para a Juventude da Secretaria de Direitos Humanos e Cidadania da Prefeitura de São Paulo, Ramirez Lopes, também convidou redes, conselhos municipais, lideranças comunitárias e partidárias para promover um debate sobre o tema logo após a apresentação da pesquisa.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Delator diz que contratos eram "legais", mas Lava Jato muda a delação

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome