Flexibilização trabalhista leva mães de SP a deixarem bebês de 1 mês na creche

Falta de licença-maternidade e necessidade de sustentar filhos são algumas das razões; mais de 3 mil bebês com menos de quatro meses estão nas creches paulistanas

Foto: Reprodução/Brasil de Fato

Jornal GGN – Em um mercado de trabalho cada vez mais informal, o comprometimento de direitos como licença-maternidade e férias têm levado pais e mães a deixarem seus filhos cada vez mais cedo nas creches, ficando longe em um período considerado crucial para o desenvolvimento de uma criança.

Segundo informações do jornal Folha de São Paulo, 3.156 bebês com menos de quatro meses estão matriculados na rede municipal paulistana, mas esse número flutua – a criança mais nova foi matriculada com 11 dias de vida. Nas creches, há hoje 1.610 crianças com quatro meses, 1.015 com três; 422 com dois; e 109 com até um mês.

Em entrevista, o secretário municipal de Educação, Bruno Caetano, reconhece que seria melhor para todos, incluindo a criança e as creches, que elas chegassem a partir de quatro meses. No entanto, afirma que é uma questão que deve ser tratada com sensibilidade. “Não vamos tomar uma medida burocrática e deixar mais de 3.000 crianças sem o atendimento de que necessitam”, afirma, ressaltando que esse contingente deve aumentar.

Porém, o afastamento prematuro das mães pode afetar o desenvolvimento dos bebês, uma vez que as crianças passam por uma espécie de período de adaptação à vida fora do útero nos primeiros meses de vida. Questões como amamentação exclusiva e a imunização das crianças também são vistas com preocupação pelas mães, mas todas as entrevistas disseram não ter escolha.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Com 6,9 mil casos, Brasil é 17º país na lista da COVID-19

3 comentários

  1. Secretário de Educação é um incompetente. Nem se trata simplesmente de ter vaga ou não para as crianças nas creches, mas do desenvolvimento emocional e cognitivo das crianças, as consequências desta separação dos pais a longo prazo.
    Malditos todos os que votaram a favor da reforma trabalhista e que cometeram o golpe. Os efeitos aparecem aqui.

    11
  2. Em São Paulo a dificuldade é ainda mais potencializada. A Cidade não dispôs de Creches para Todas as Mães. Gastou enorme fortuna em Terreno e Construção Gigantescas da Cidade do Samba em plena e supervalorizada Marginal Tiête. Falta dinheiro para que? Falta dinheiro para quem? Nem mesmo a maior Universidade da América Latina, a USP, dispõe desta Cidadania e Serviço Público Básico para Mães que são Funcionárias e Alunas. Preferiu gastar cerca de 25 milhões de reais num Muro de Vidros, para matar cerca de 10 pássaros diariamente na Raia Olímpica.C com as bençãos dos Órgãos Ambientais e IBAMA. Dória agradece. Falta dinheiro para que? Falta dinheiro para quem? Pobre país rico. Mas de muito fácil explicação.

  3. é o mesmo populacho que gritava em coro com seus manipuladores: “queremos a reforma da previdência!”, “queremos a reforma trabalhista”??
    é o populacho que se regozijou com a prisão de Lula, a corrupção do PT, a quebra da Petrobrás?
    é o populacho que elegeu Dória, Bozo, Mário Covas Neto, que mantém o PSDB por 30 anos no governo do estado de São Paulo?
    então, lembrarei que quem semeia vento colhe tempestades… mas não se preocupem, ainda não viram nada e como bom gado, marcharão para o abate.

    1
    1

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome