Fora de Pauta

O espaço para os temas livres e variados. 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Fora de Pauta

25 comentários

  1. A Guerra contra a Síria, o que aconteceu, e o que acontecerá

    A Guerra contra a Síria, o que aconteceu, e o que acontecerá

     Síria – PCB – [David Urra – Contra-Insurgência] Análise sobre a situação na Síria.

    I – A Guerra Silenciosa

    Não era segredo para ninguém – foi revelado recentemente por altos personagens dos atuais e precedentes governos dos Estados Unidos – que esse país havia planejado a atual ofensiva no Oriente Médio e instruído o aparelho de “geração de conflitos” que preparara o Plano de Guerra psicológico-informativa para alcançar os objetivos planejados.

    O Departamento de Estado, os órgãos de Segurança Nacional agrupados e sob a autoridade única e o Departamento de Defesa, deram-se a tarefa de organizar todos os pormenores necessários que permitirão cumprir com a estratégia já aprovada no Clube Bilderberg.

    Nesse caso, se deveria começar com a estratificação da sociedade, o que implicava separar por grupos de interesse o espectro social sírio: militares; jovens; oposição intelectual interna e externa; líderes de opinião, acadêmicos; etc. A tarefa consiste em criar públicos objetivos e os canais de comunicação política dentro destes, por intermédio dos quais se transmitirá posteriormente a influência psicológico-informativa de um receptor a outro.

    É necessário aclarar que durante esse processo incluem-se igualmente, tanto partidários do Governo sírio e suas autoridades, como os opositores, mas as ações a desenvolver com uns e outros diferem em forma e conteúdo. Igualmente consideram-se aqueles grupos sociais que não têm uma definição política, nem com o Governo nem com a oposição.

    Os meios massivos de difusão (MMD) ocidentais têm um papel fundamental na realização das ações psicológico-informativas que estão sendo desenvolvidas na Síria, não somente por sua influência na opinião pública interna e internacional, mas porque servem de padrão para conhecer as linhas de desenvolvimento das operações psicológicas em curso e permitem medir seus resultados e corrigir o curso.

    Se observarmos o emprego dos MMD, perceberemos como estes têm tratado de definir grupos que respondem a interesses comuns (suposta democratização da sociedade, aparição de líderes informais que “ajudam” a aglutinar e dirigir a “explosão” espontânea de inconformidade dos cidadãos) dentro da sociedade Síria.

    Esses grupos foram estruturados a partir dos feitos provocados na cidade de Deraa no sul da Síria, zona onde existem as premissas necessárias para ativar a ação dos opositores ao Governo Sírio.

    Por outro lado, começou a conformar-se uma “oposição” externa, composta por intelectuais que vivem fora da Síria, com o objetivo de dar-lhe uma imagem aceitável e canalizar dessa forma a “revolução democrática”.

    Paralelamente, desenvolve-se uma ampla e certeira campanha de manipulação psicológico-informativa da opinião pública internacional, que inclui meios, métodos e procedimentos diplomáticos, políticos, informativos, econômicos, financeiros e militares.

    Todas essas ações levam à polarização dos grupos em conflito. Por um lado, os grupos internos criados assumem a inclinação política que lhes induz desde os centros de poder ocidental, gerando um enfrentamento que em determinado momento passou a ser violento. Por outro, o Governo se vê obrigado a “reprimir” os grupos armados, o que permite criar uma matriz informativa que justifique a intervenção.

    Dessa forma temos que primeiro se estimulou a criação de estratos que se foram formando com o objetivo de empregá-los na desestabilização do país e posteriormente se ativaram para radicalizar o processo.

    De forma simultânea se organizou uma campanha de satanização do Presidente Sírio Bashar al Asad empregando para isso os meios diplomáticos (Liga Árabe, Comissão de Direitos Humanos da ONU, Organizações não Governamentais) e a sua vez no plano econômico-financeiro se bloqueiam contas e se fecham mercados com o objetivo de limitar os acessos a recursos básicos de sobrevivência do país e com isso tratar de provocar mal-estar e desespero em determinados estratos da população que apóiam ao governo e que culpariam supostamente a este das penúrias pelas quais passam.

    A utilização da violência nas ações dos grupos opositores e sua posterior manipulação e dimensionamento exagerado por parte dos MMD e representantes de organizações afins ao ocidente, permitem ademais influenciar a opinião pública internacional com o interesse de criar um consenso que permita justificar ações militares para “salvaguardar” a população civil e deter o conflito.

    É de esperar que dentro das operações psicológicas que se desenvolveram na Síria incluam-se aquelas dirigidas aos membros das forças armadas e seus familiares. Em outros casos recentes, – Iraque, Líbia – as potências ocidentais penetraram nos altos comandos e comandos intermédios dos corpos armados, alcançando um eficiente nível de comprometimento e deserção, o que facilitou as ações dos agressores para o alcance de seu objetivo com uma menor resistência.

    Sincronicamente, são realizadas diversas operações psicológicas contra os membros das FF.AA, com o objetivo de gerar confusão e temor. Por um lado, pretende-se fazer crer que os grupos armados pelo ocidente dentro da Síria representam o povo e as forças armadas não deverão combatê-los sob pena de violar os Direitos Humanos. Igualmente se deseja instalar uma sensação de temor e medo a represálias e posteriores ajustes de conta.

    II – Situação atual do conflito

    As operações psicológico-informativas que se desenvolvem contra a Síria se encontram no seguinte ponto de ação:

    · Realização de ações violentas por grupos ativos que são preparados desde o exterior para gerar caos, confusão e dessa forma servir de pretexto para sanções e ações punitivas.

    · O Governo está mobilizando seus simpatizantes para enfrentar a Guerra imposta ao país, empregando os meios ao seu alcance e preparar a população para enfrentar ações mais violentas em um futuro próximo.

    · Está em pleno desenvolvimento uma operação informativa empregando meios diplomáticos e políticos (chantagens e pressões) com o objetivo de alcançar o consenso necessário na arena internacional que permita a realização de uma operação militar contra a Síria com o emprego de meios aéreos, navais e terrestres.

    · O Governo está tratando de fortalecer sua posição com países que não têm uma atitude hostil (Rússia, China, Argélia, Irã, Líbano, América Latina) em relação à Síria, com o objetivo de criar uma frente que se oponha no plano diplomático, político, financeiro, econômico e militar ao bloco ocidental.

    · A OTAN com os EUA à frente, está dando os primeiros passos para a realização de uma operação militar em grande escala contra a Síria. A presença de porta-aviões George Washington e sua escolta nas águas próximas à zona, o deslocamento e reforço de tropas no Qatar e na Arábia Saudita e os preparativos na Turquia são sintomas inequívocos de que estão em marcha os preparativos para a invasão.

    · Diferente do conflito contra a Líbia e o Iraque, a oposição russa marca a diferença. As experiências desses dois conflitos demonstram que as concessões que China e Rússia fizeram ao ocidente não conduziram a nada bom. O Governo russo por fim compreendeu que as potências hegemônicas dos EUA e OTAN não serão saciadas com nada e o cerco que se tece ao redor dessas duas potências cada vez se fecha mais. Pela primeira, vez a Rússia declara que a real causa do conflito são os grupos irregulares que o ocidente armou para desestabilizar a Síria.

    III – Ações a desenvolver pelo “Eixo da Guerra”

    Seguindo o esquema das operações psicológico-informativas, o ocidente deverá começar a executar a última parte do Plano que levaria aos seus objetivos. Se as estratégias não foram homogêneas nos conflitos anteriores (Iugoslávia, Afeganistão, Iraque e Líbia), determinado pelas diferenças de todo tipo que surgiram em cada caso, parece haver um consenso de que o esquema Líbio é o mais próximo a seguir nesse caso. Nele se resumem de algum modo as experiências adquiridas anteriormente e a intenção de minimizar o componente militar ou violento por razões óbvias (seu custo político, seu risco psicológico, seu custo financeiro e sua ação corrosiva sobre a imagem). Claro que a Síria não é a Líbia e tem suas especificidades.

    · Não há uma oposição interna estruturada.

    · Não há uma liderança nem institucional nem pessoal de oposição.

    · O Governo sírio está mais centrado em atuar e tem um respaldo real que não se pode subestimar.

    · A Rússia assumiu uma posição firme e tem abastecido a Síria com meios que podem ser decisivos caso se utilizem corretamente.

    · As forças armadas sírias parecem ter maior coesão combativa.

    Ao ocidente resta apenas aumentar a espiral de violência e se lançar em uma invasão ou utilizar a variante de desgaste caso não esteja seguro de que pode triunfar.

    As ações a serem realizadas nestes casos poderiam agrupar-se da seguinte forma:

    a) Informativas: O emprego dos MMD tem uma papel importante nessa etapa de desenvolvimento da Guerra. Por um lado é necessário “justificar” ante a opinião pública internacional e muito especialmente ante a opinião pública dos países membros do “Eixo da Guerra” (EUA, Grã-Bretanha, França, Alemanha, Itália e Canadá), a possível realização de “bombardeios humanitários” e posterior invasão terrestre, considerando os custos financeiros, em vidas humanas e imagem política que esta operação leva.

    Por outro lado, necessita-se provocar mudanças na psique dos sírios que gerem um mal-estar que conduzam a sublevação e a queda do atual Governo.

    No campo da computação e das novas tecnologias de comunicação é indispensável difundir um ambiente de insegurança, mal-estar e desassossego, que permita influenciar desfavoravelmente o estado de ânimo da população. Para isso, se empregarão métodos clássicos como os rumores, as mistificações, as ilusões e fundamentalmente o emprego de recursos psicológicos que permitam abrandar a ideologia predominante. Já é conhecida a captura, por parte das forças governamentais sírias, de modernos equipamentos de comunicação entregues pelo ocidente aos “rebeldes”.

    Igualmente já devem estar operando nas proximidades da Síria múltiplas estações de rádio que sob os apelativos de “Liberdade”, “Democracia”, “Unidade”, transmitem as mensagens para a subversão informativa. Isso se incrementará segundo se aproxime o momento de começar a operação em grande escala. Devemos considerar também o emprego da TV num país onde seu uso está difundido de forma massiva. Para isso entraram em operação os “Comando Único”, aviões equipados especialmente para a guerra eletrônica e que possuem entre suas características o poder de operar desde fora do território nacional, além de gerar múltiplas transmissões de forma uníssona, tanto de rádio como de TV. Igualmente possui equipamentos para detectar as freqüências de trabalho dos meios inimigos e para bloquear sua saída ao ar, substituindo-la por suas próprias.

    É de esperar que as forças do Comando de Operações Especiais radicado em Fort Bregg tenham já um levantamento de todas as emissoras de rádio e televisivas da Síria, sua freqüência de trabalho, localizações e regime de transmissões, e em algum momento se procederá silenciá-las, seja por meios eletrônicos – empregando o “Comando Único” – ou por meios militares, para posteriormente substituí-las por transmissões subversivas desde os territórios limítrofes do país, ou o próprio “Comando Único”.

    Ainda que o uso de materiais impressos de propaganda já deve estar sendo massivamente empregado, estes se incrementarão de forma substancial em momentos prévios aos bombardeios e à invasão, já que se demonstrou sua eficácia para a influência psicológica, fundamentalmente entre os membros das FF.AA. As mensagens estarão dirigidas a suplantar a decisão de defender seu país por parte dos sírios mediante o medo, os falsos rumores, a criação do mito da superioridade da OTAN, os ganhos econômicos e os supostos objetivos “humanitários” que os soldados invasores possuem.

    Os EUA e a OTAN manterão sua pressão sobre a Liga Árabe, organização composta fundamentalmente por Monarquias e Governos corruptos a serviço do ocidente, para alcançar uma condenação definitiva e um passaporte para a realização da invasão que começará com um período de amortecimento e desgaste sistemático com o emprego de mísseis de longo alcance e aviação tripulada e estratégica.

    Não faltarão as pressões sobre a ONU e suas instituições para que sancione à Síria de uma forma ou de outra. Ainda que os EUA saibam que a Rússia vetará qualquer tentativa de resolução condenatória no “Conselho de Guerra” da ONU, o objetivo da pressão é criar uma “imagem informativa” da Rússia, colocando-a num dilema de ter que apoiar a um “regime cruel e totalitário”.

    Por último, não podemos deixar de assinalar alguns exemplos de determinadas leis da influência normativa:

    · A mentira deverá ser em certa forma dosada e manter a aparência de veracidade;

    · A necessidade de ter uma idéia clara do que espera o público, o que permitirá criar uma ilusão elaborada especificamente para esse público;

    · Utilizar a “lógica de ação coletiva” da responsabilidade mutua;

    · Utilizar a informação obtida e não divulgada, que seja contrária à linha oficial;

    · Referir-se aos “princípios sagrados” da nação;

    · Utilizar os símbolos e as simbologias de acordo com a tecnologia da imitação, utilizando como meios mais efetivos as metáforas, mitos e rituais.

    b) Psicológicas: Na realidade, todas as medidas e ações que realiza o “Eixo da Guerra” estão encaminhadas para que a influência psicológica atue na população síria, assim como na comunidade internacional.

    Há ações específicas que estão marcadas dentro do que é puramente psicológico.

    Entre estas se encontram:

    · Criação de terror e pânico entre a população e os membros das forças armadas para desmoralizá-los e diminuir sua fé na defesa e na capacidade de alcançar o êxito.

    · Ações para gerar um sentimento de confusão nas forças de defesa do país e fazer acreditar que é inferior e não tem possibilidades de enfrentar a força do agressor.

    · Tratar de mostrar uma superioridade da técnica militar e de armamento, que levaria não somente a uma derrota “inevitável”, mas a grandes perdas humanas e materiais.

    · Impulsionar os militares à deserção, prometendo-lhes grandes somas de dinheiro e um tratamento “digno” e indulgente, o que os “salvaria” de uma inevitável derrota. Em alguns casos se mostram alguns desertores que supostamente estão desfrutando da “liberdade” e “generosidade” dos agressores.

    c) Militares: A realização de ações militares representa o elemento mais controvertido dos enfrentamentos que atualmente o “Eixo da Guerra” está levando. Os casos da Iugoslávia, Afeganistão, Iraque e Líbia, mencionando somente alguns, demonstram quão complicadas e contraditórias podem ser as ações militares.

    O problema fundamental radica nos aspectos negativos que trazem consigo estas ações e que nem sempre podem ser assumidos com facilidade, inclusive se os objetivos traçados são alcançados, que quase sempre incluem a derrota do Governo existente e a instauração de uma administração dócil aos interesses do ocidente.

    Diante de tudo, é necessário ter em conta que para derrotar um Governo é necessário roubar o poder daqueles que lhe sustentam, destruir seus órgãos de segurança e convencer a população de que isso é o correto e mais conveniente para o país.

    Na maioria dos casos é inevitável utilizar a força, o que por sua vez traz consigo: grandes gastos financeiros; enorme custo político; criação de um sentimento de antipatia da população agredida contra os agressores; grande destruição de instalações militares, industriais e civis; enormes perdas humanas por ambos os lados e uma prolongada contaminação ambiental.

    Na Síria o “Eixo da Guerra” não pode obter esses objetivos sem este custo. Para isso desenvolve-se a Guerra psicológico-informativa, tratando de minimizar a campanha bélica e com isso alcançar com menos traumas os objetivos traçados. Só que a Síria não é a Líbia e dificilmente a OTAN poderá estruturar o “passeio” que constituiu a campanha Líbia.

    Para isso, estão organizando um ataque fulminante que provoque uma quebra da resistência em menor tempo possível. Nesse caso, é necessária a participação de aliados do Oriente Médio (Turquia, Jordânia, Arábia Saudita, Qatar e os Emirados Árabes), com apoio, fundamentalmente logístico e de inteligência, de Israel.

    Alguns se perguntaram: e por que não Israel? O tema israelita é muito complexo, antes de tudo sua participação tornaria inviável a participação de outros países árabes que não confiam neles e geraria uma verdadeira revolução contra essa guerra, a favor da Síria, no Oriente Médio. Por outro lado, esta conjuntura não seria conveniente para o Líbano, pois o Hezbolah lançaria uma ofensiva e geraria uma situação insustentável ao frágil governo libanês.

    A situação na Turquia não é menos problemática, pois, para lançar uma invasão terrestre é indispensável utilizar território turco e isso produziria um eventual levante dos curdos na Turquia que seria difícil de controlar.

    É necessário considerar que a Síria está demasiadamente perto de Israel e com os novos meios que a Rússia pôs a sua disposição, incluindo Sistemas Antiaéreos S-300 e os complexos de foguetes costeiros, podem golpear com facilidade os meios aéreos e navais israelenses.

    Por último, a OTAN tem uma grande desconfiança dos dirigentes israelenses, que caso se vejam em uma situação embaraçosa e pressionados pelos extremistas de direita que ditam as regras em Israel, empreguem seu arsenal nuclear e gerem uma catástrofe de incalculáveis proporções.

    Em síntese, Israel apoiaria nas sombras.

    Não se pode deixar de ter em conta a recente renúncia, oficializada pelos EUA, do Tratado sobre Forças Armadas Regulares na Europa (AFARE), assinado com a Rússia em 1990 e que Moscou havia prorrogado em 2007, buscando mantê-lo vivo até chegarem a um novo acordo. É sintomático que, apesar de que desde 2007 este acordo estava praticamente morto, somente agora os EUA o denunciem a Moscou, o que faz com que muitos analistas pensem que isso está relacionado aos movimentos de forças que esse país necessita realizar na Turquia e que seria interpretado pela Rússia como uma violação do tratado.

    Nesses momentos, as Forças de Operações Especiais (FOE) dos países integrantes do “Eixo da Guerra” devem estar operando em solo Sírio e incrementarão suas operações na medida em que se aproxime o momento da operação de invasão.

    As missões fundamentais a cumprir pelas FOE serão:

    – Determinar os objetivos e dirigir posteriormente os ataques da aviação e os mísseis de longo alcance durante os bombardeios de desgaste contra a Síria.

    – Preparar o terreno para as ações de invasão terrestre que incluem trabalhos de inteligência e reconhecimento do terreno.

    – Dar apoio aos grupos “rebeldes”, prepará-los e melhorar sua ação tática. Organizar atos terroristas para infundir pânico, caos e confusão entre a população síria e as forças de segurança. Além do mais, debilitar a infra-estrutura econômica do país.

    – Realização de ações diversificadas contra as redes de comunicação e transmissão de dados, com o objetivo de limitar o mando da defesa e desorganizar a economia.

    – Captura ou eliminação de personalidades sírias que apóiem o governo.

    – Desenvolver ações violentas contra determinados grupos étnicos, com o objetivo de culpar a outro grupo existente no país e dessa forma confrontá-los em uma luta que debilitaria a unidade nacional em uma nação onde as relações inter-étnicas são um modelo para a região.

    IV – Contramedidas

    Já dissemos que a Síria não é o Iraque, nem o Afeganistão, nem a Líbia. Os dirigentes sírios compreenderam o perigo que se aproxima e devem atuar de acordo com as circunstâncias.

    A agressão militar é iminente e o “Eixo da Guerra” não se deterá caso acredite ter êxito em sua campanha, sendo a única opção que resta à Síria a tomada de todas as contramedidas pertinentes para demonstrar ao ocidente que o custo de uma intervenção militar é impagável.

    Considerando as experiências acumuladas em outros conflitos como o do Vietnã, Iugoslávia, Afeganistão, Iraque, Sudão e Líbia, além dos êxitos que nesta matéria tiveram países submetidos a planos e operações psicológico-informativas como são os casos de Cuba, Coréia do Norte, Irã, Venezuela, Nicarágua, Bolívia, Equador e outros, os dirigentes sírios deverão implementar um conjunto de contramedidas indispensáveis para salvar a soberania e integridade do território.

    Estas ações se podem agrupar da seguinte forma:

    1. Contramedidas Diplomáticas – Neste campo a Síria deve desenvolver uma forte campanha de esclarecimento do caráter soberano de suas ações, dando ênfase aos países que apóiam seu Governo e naqueles que têm uma posição aparentemente neutra. Devem ser impetuosos nos organismos internacionais para mostrar sua verdade e fundamentalmente utilizar com muita criatividade suas razões, mostrando as provas que têm em seu poder da ingerência estrangeira em seu território e utilizando todas as possibilidades que os MMD oferecem neste sentido.

    Igualmente importante para os sírios será colocar em ilegitimidade a Liga Árabe, apoiando-se fundamentalmente na relação de subordinação que tem as monarquias árabes com os EUA. Seria igualmente significativo se a Síria conseguisse convencer aos países que a apóiam, de uma forma ou outra, de sair da Liga Árabe, com o argumento de que num futuro próximo serão eles possivelmente os acusados e demonstrando a eles que a Liga já não responde aos interesses dos povos da região.

    Por outro lado, fortalecer o papel da Rússia e de outros países que apóiam a Síria seria fundamental para criar um coral de vozes que chame atenção da opinião pública internacional de que não existe um estado de opinião majoritário que favoreça a atitude do ocidente de derrotar o Governo sírio.

    2. Contramedidas Psicológico-Informativas – O governo sírio deve estar consciente de que o ocidente utilizará todo seu arsenal tecnológico para impor o controle informativo, fundamentalmente dentro do território da nação árabe, utilizando para isso todo o tipo de métodos, entre os quais as falsificações, a mentira, a distração, a intimidação, o rumor, a desestabilização, etc.

    Alguns destes métodos já se utilizam. Por exemplo, recentemente se demonstrou que a campanha para culpar o governo sírio de cerca de 3.500 mortos entre a população civil era falsa, inclusive se conheceu que esta maquiagem era sustentada por uma suposta organização muçulmana que tinha suas bases em… Londres?! Muitos dos nomes desta organização estão vivos e foram obtidos numa lista telefônica. Isto é um clássico exemplo de falsificação.

    É importante que os sírios conheçam ao detalhe como se orquestram estas ações de guerra informativa, para o que deverão utilizar intensamente os MMD que possuem. Igualmente deverão apoiar-se nos meios de países amigos, com o fim de divulgar pelo mundo as ações que se desenvolvem pelos EUA e seus aliados ocidentais e do oriente médio.

    De fato, já está a caminho uma intensa campanha de descrédito com relação às medidas tomadas pelos governantes sírios para satisfazer as inquietudes da população. Faz-se necessário igualmente organizar uma contra-campanha no interior da Síria e na arena internacional para divulgar o verdadeiro conteúdo das medidas aplicadas pelo governo, seu alcance e benefícios. Para isso, se devem utilizar os MMD, folhetos e outros meios que resumam as idéias colocadas.

    Capítulo aparte merece a tentativa de desviar a atenção do conflito sírio com o conflito iraniano. Se bem é certo que para o “Eixo da Guerra” os dois países estão no alvo, o custo de uma agressão ao Irã seria, nas circunstâncias atuais, impagável. A possibilidade de uma derrota deixaria muito debilitados os EUA, produzindo a Síndrome do Irã, como ocorreu com o Vietnã.

    Neste momento, o objetivo imediato é a Síria.

    É igualmente relevante a preparação psicológica que se deve levar com a população e as Forças Armadas, para fortalecer o espírito de resistência e convicção na vitória. O inimigo tratará de intimidá-las por todos os meios, criar pânico e terror, de início utilizando os MMD e a radiodifusão (pode haver distribuído já milhares de rádio-receptores sintonizados a uma freqüência em que transmitem as emissoras “dissidentes”), que divulgariam as conseqüências dos conflitos no Afeganistão, Iraque e Líbia. Posteriormente, utilizarão meios mais agressivos como os bombardeios indiscriminados e as novas tecnologias psicotrópicas e desconhecidas. Contra isso se deverá preparar a população nas formas mais eficientes da defesa civil que permitam minimizar os efeitos destas ações.

    No caso das Forças Armadas, é necessário elaborar um plano de contramedidas que devem incluir três etapas:

    a. Previsão – onde avaliarão as possíveis ações a desenvolver pelo inimigo, as que mais importância e recursos direcionam. Deve-se assumir que a influência psicológico-informativa sobre os membros das Forças Armadas será intensa e constante e incluirá todos os meios disponíveis – panfletos, receptores de rádio sintonizados com as estações provocadoras, notas, mensagens televisivas, emissões de alto falantes. Nesta etapa, deve-se prognosticar e identificar os possíveis temas e símbolos de operações psicológico-informativas que utilizará o inimigo com o objetivo de reduzir a sua eficácia e possibilitar sua neutralização.

    b. Prevenção – nesta etapa deverão desenvolver ações que permitam a familiarização com as técnicas, métodos, meios e procedimentos que utilizará o inimigo contra eles, mostrando exemplos concretos de outros conflitos (ex. Afeganistão, Iraque e Líbia). Devem-se direcionar militares responsáveis de destruir toda a informação, panfletos, notas que o inimigo lance contra as tropas. Igualmente se deve desenvolver uma rede de emissoras de interferência que bloqueiem os sinais das emissoras subversivas.

    Como meios eficazes de prevenção dos efeitos adversos nas tropas se deverão definir aqueles combatentes mais estáveis desde o ponto de vista psicológico e que estão com melhor capacidade de resistir à influência psicológico-informativa a que serão expostos e que “apadrinharão” os combatentes mais suscetíveis a estas ações. Igualmente quando se organizam missões de pequenos grupos, sempre se incluirá algum combatente com estas características. Finalmente se deverá organizar por parte dos Chefes correspondentes o trabalho individual com cada combatente para desenvolver a auto-regulação psicológica.

    Um princípio muito importante neste processo é informar os combatentes da realidade da situação. Somente se lhes explica a verdade os combatentes estarão em condições de assumi-la. Nada afeta mais a moral do combatente que as mentiras e as meias verdades, que logo se desmoronam ante os fatos. É necessário inculcar que a vitória ou a derrota dependem deles, não dos de cima.

    c. Enfrentamento – O enfrentamento à influência psicológico-informativa do inimigo sobre as tropas pode-se conseguir com diferentes métodos, sendo o mais eficaz a destruição dos meios que utiliza o inimigo nas operações; mas isto nem sempre é possível. É necessário que todos estejam em alerta sobre as ações que realiza o inimigo. Todos os materiais de propaganda devem ser recolhidos, e destruídos depois de terem sido estudados.

    Tudo isso deve concluir-se com um trabalho de esclarecimento e convencimento dos verdadeiros valores que defendem e do negativo e indesejável que são as ações inimigas. Não podem esquecer os sírios que as ações de propaganda do inimigo não podem ser avaliadas mecanicamente como algo “ruim” por si, senão que, além disso, podem ser utilizadas como contrapropaganda; uma parte dela não merece atenção, somente se ignora.

    De outra maneira, o Governo sírio deverá implementar um sistema de recopilação de informação entre a população que o permita conhecer o que se diz e quais são as possíveis campanhas ou rumores que o inimigo faz girar entre a população e os membros das Forças Armadas. Desmascarar e depois esclarecer qualquer rumor é um aspecto que não se deve subestimar, sua minimização pode custar caro.

    3. Contramedidas Militares – É neste campo onde o trabalho pode ser mais intenso por parte dos sírios. Devem compreender que existe um princípio que se confirmou pela história e diz que a guerra se ganha evitando-la. É necessário demonstrar o alto custo que traria a guerra ao agressor.

    A experiência dos conflitos recentes nos indica que se desarmar, fizer concessões ou violar princípios, conduz inevitavelmente à derrota e, ao que é pior, à perda de uma inumerável quantidade de vítimas humanas, destruição do patrimônio nacional e a ignomínia de se converter num país sem liberdade nem independência.

    Ante tudo, as Forças Armadas devem estar nestes momentos em sua máxima disposição combativa e trabalhando fortemente para um enfrentamento que parece inevitável.

    É necessário trabalhar os comandos sírios nos seguintes aspectos:

    – Elevar a disposição dos combatentes com o objetivo de conseguir uma alta capacidade de voluntarismo e de coesão combativa.

    – Desenvolver aceleradamente um Plano para construir ou restabelecer as instalações de engenharia que os permita proteger e esconder as forças, os meios militares e civis, das ações do inimigo.

    – Desconcentrar as forças e os meios para combater o agressor, com o objetivo de minimizar os efeitos dos bombardeios massivos ou ataques surpresa.

    – Ante a iminência de um ataque, dirigir um primeiro golpe contra as instalações inimigas ao seu alcance.

    – Deslocar adequadamente os sistemas de defesa antiaére disponíveis incluindo os novos S-300 recebidos da Rússia e que devem fazer a diferença em caso de utilizar-se corretamente. Não se deve repetir o erro do Iraque e da Líbia, onde os meios de defesa antiaéreos estavam praticamente desguarnecidos e desprevenidos ante os ataques “avisados” do inimigo. Os S-300 podem seguir até 12 objetivos e abater 6 de uma vez, incluindo os mais avançados “hipersônicos” (velocidades superiores a 5 mach).

    – A utilização massiva de interferências eletrônicas, falsos objetivos e outros elementos que permitam confundir o inimigo, deverá ser uma missão a cumprir para a defesa ante a agressão.

    – A forças de segurança na Síria devem levar a cabo durante este período e no futuro, um intenso trabalho de localização, infiltração e eliminação dos grupos irregulares e forças especiais que já devem estar operando no território. É muito provável que ante a impossibilidade de começar uma agressão em grande escala, estes grupos passem a ser a variante fundamental para quebrar o governo sírio e desorganizar o país. Contrapor com eficácia estes grupos pode deixar sem argumentos os agressores. A experiência demonstra, como no caso da Líbia, que por muito pequena que seja a atividade destes grupos, os MMD a serviço do “Eixo da guerra” se encarregarão de convertê-los em “massivas” expressões de “liberdade” pelo povo “oprimido”, o que ao final se converte em pretexto para “salvar vidas inocentes”.

    V – O papel da Rússia e da China no conflito

    Há muito se fala nos círculos de analistas e jornalistas, meios massivos, grupos políticos, centros de estudo, e outros, do papel que deverão jogar a Rússia e a China no âmbito internacional. Devemos compreender que a China não é nem será uma potência mundial que tenha peso decisivo na política internacional. As razões desta afirmação são:

    – Os chineses não têm mentalidade de grande potência. Sua filosofia se contradiz com a filosofia das grandes potências. Para eles 2+2=4, mas na política internacional isto quase nunca é verdade. Suas constantes concessões às grandes potências a deixam mais vulnerável e fácil de manipular.

    – Não basta ter uma economia forte e uma força armada potente para ser grande potência. É necessário antes de tudo ter aliados e saber mantê-los. A China faz muito boas contas “econômicas”, mas está desaprovada nas contas de geopolítica.

    – O nível de penetração que tem o capital ocidental na economia da China tem muito peso para que eles possam decidir.

    Infelizmente, isto se confirma neste caso. As últimas declarações do porta-voz chinês reconhecendo a Liga Árabe como organização capaz de conduzir o caso sírio e a petição a Damasco para que acate suas decisões, são uma demonstração de falta de peso e ambigüidade do gigante asiático. Não imaginam o quanto desejamos que isto não fosse assim.

    A Rússia é outra coisa. Os russos têm mentalidade de grande potência. É certo que as “imprecisões” da época de Gorbachov na extinta URSS e o posterior período anarquista de Yeltsin, converteram o Urso Russo em uma mascote de pelúcia e perderam uma parte importante do seu protagonismo.

    Os últimos passos da Rússia demonstram o enorme peso que este país tem na arena internacional e a necessidade que recupere seu valor como contrapeso à atitude hegemônica e unipolar do EUA. Bastou que se opusesse à intenção de demonizar a Síria, para que se enviasse um destacamento de Tanques de Guerra ao porto de Tartu comandado pelo porta-aviões “Kuznetsov” que possui entre seus “argumentos” 15 caças SU-33, sistema de mísseis P-700 (incluindo 12 foguetes hipersônicos), sistema de mísseis antiaéreos com 192 foguetes; helicópteros e outros “complementos”, além do que tem na sua escolta e enviaram os S-300 e as baterias de foguetes costeiros, para que os EUA e seus aliados se “congelassem”.

    Aparentemente, a ação russa provocou uma desaceleração do plano de invasão à Síria.

    É de se esperar que o ocidente mude o plano e trate de jogar a carta do aumento da desestabilização interna, introduzindo armas e grupos subversivos, onde participariam mercenários, pelas porosas e extensas fronteiras sírias. Para isso, contará com seus “aliados monárquicos” e, como é de se esperar, de Israel.

    Trata-se de criar vários focos de violência para dar a impressão de uma “rebelião” generalizada que permita justificar sua nova afinidade pelas “revoluções”.

    Tudo isto será acompanhado com as pressões nos organismos internacionais (ONU, ou o que sobra dela; Comissão de DD. HH; Liga Árabe; Tribunal Internacional, etc), para pressionar a Rússia e colocá-la em uma situação embaraçosa.

    Para a Síria, sobra somente um caminho caso não queira sofrer o desastre do Afeganistão, Iraque ou Líbia: não titubear, continuar com suas mudanças que devem implementar, sem fazer concessões, e derrotar os mercenários que arma o “Eixo da Guerra”, sejam internos ou externos.

    O tempo corre contra eles. O titubeio custa caro. O jogo é duro e sem luvas, e a bola é de ferro e fogo.

    Fontes:

    · Centro de Estudos Estratégicos da Rússia.

    · Psyfactor.

    · Rusia Today

    Tradução: Coletivo Paulo Petry – Núcleo da UJC/PCB formado por estudantes de medicina em Cuba.

    http://www.diarioliberdade.org/mundo/direitos-nacionais-e-imperialismo/23074-a-guerra-contra-a-siria-o-que-aconteceu-e-o-que-acontecera.html

     

  2. Minha opinião não mudou…

    [Meu ‘fora de pauta’ pra hoje é sugerir uma releitura. Em março passado, faz quase 7 meses, já se imaginava que Marina (citada como PV/Rede/PPS) poderia ser vice de Campos. E que sua candidatura teria potencial para 2º colocado.]

    http://jornalggn.com.br/blog/luisnassif/caminhos-para-campos-e-o-psb

    Eu acho que seria mais lógico a possibilidade 1: Campos saindo candidato com vice do PSB mesmo (ou do PV, Rede, PPS, etc) e Aécio e PSDB apoiando-o em 2º turno.

    Como as experiências de MG-2010 e SPCapital-2012 provaram, para levar uma eleição a 2º turno é necessário lançar vários candidatos que comam pelas bordas a intenção de votos do favorito.

    Uma chapa Campos/Aécio é dar a eleição em 1º turno para Dilma, como Hélio/Patrus fizeram para Anastasia.

    Quando dois partidos se unem em chapa num 1º turno, eles somam a rejeição. O PSB não a tem, mas não vale a pena arriscar. Tudo ou nada só deve ser feito em países com turno único, como México.

    Se o PSB lançar candidato com vice do PSDB vai ficar desconfortável voltar a ser governista depois (e o PT vai querer que seja.) As pessoas vão apontar “mas ele tinha vice tucano!”

    Não apenas isso, a máquina do PT fará a campanha em torno da crítica ao apoio aceito, aos laços com o vice, já que não há nada a criticar em um aliado de tantos anos.

    Para incluir partidos com elevada rejeição, como o PT ou o PSDB, em um governo, sempre há tempo. Portanto nem a mídia cobraria isso de E. Campos logo de saída, seria prejudicar Campos.

    Isso não impede o PSB de apoiar Alckmin desde o início. Até porque não sendo temporariamente aliado de Dilma fica liberado para tal. Fica tudo no “discurso projeto”, mesmo porque, nem de longe, Alckmin tem a rejeição que Serra tem. Em 2010 foi muito comum o voto Dilma-Alckmin.

    E deixa Aécio mais confortável para fazer (de novo) sucessor em MG. Que eventualmente pode ser Lacerda. Ou não, afinal E. Campos pode ceder algo e o governo de MG seria simpático.

    Não é que o PSDB tenha chances de ganhar com candidatura de Aécio. Não tem. Mas ser o vice também não ajuda nada e, pelo exposto, atrapalha em algumas coisas.

    Se E. Campos lograr ir para o 2º turno, e se a eleição for mesmo em dois turnos, posto que tudo indica que Dilma ganha em 1º turno, provavelmente receberá o apoio de todos os demais. E automaticamente herda os 40 ou 45% de votos anti-PT.

    (Afinal, porque alguém votaria em Alckmin em 2006 ou em Serra em 2010 e não votaria em E. Campos em 2014?)

    Mas, mesmo que tudo dê certo até essa fase para E. Campos, ainda serão necessários 5% ou 10% de votos que precisarão ser tirados de Dilma para fechar a conta.

    É necessário um discurso que não conflite com as reformas de FHC nem com os programas sociais de Lula e Dilma. Que tal um pouco de modernidade para contrastar com o neoconservadorismo de Serra? Quem tinha medo de Serra não precisa ter de E. Campos.

    Governabilidade depois não será problema, pois o único partido que poderia fazer oposição a Campos seria o PT. Mas não fará, pois terá os mesmos 20% de sempre na bancada. E precisará do apoio do PSB nos eventuais estados onde eleger governador.

     

    • Todos contra o PT, inútilmente.

      Amigo Gunther, a sua análise de 7 meses atrás, continua atualizadíssima, e remete-nos à seguinte pergunta:  Mesmo com estas uniões inimagináveis há meses atrás, entre partidos e políticos tão contraditórios, como PSB, DEM, com pessoas até então “puras” como a Marina, Erundina, com DEMonios como os Bornhausens, todos tentando “manobrar” o tambem bem formado(politicamente) Eduardo Campos, para “peitar” o PT, vai ser entendido pelo eleitor, este sujeito, que é quem vai efetivamente decidir ?

  3. Roman Polanski e o pecado da simplificação

    Roman Polanski e o pecado da simplificação

    O caso do estupro de Samantha Geimer pelo cineasta demonstra nosso terrível medo das nuances. Por Victoria Coren Mitchell, do Observer

    Samantha Geimer, a garota estuprada por Roman Polanski, publicou o que talvez seja o mais importante e valioso livro do século até agora.

    Ele poderá ser um desses livros de que muitas pessoas falam sem realmente ter lido, como Uma Breve História do Tempo, O Ponto da Virada ou a maioria dos compêndios escolares.

    Mas tudo bem. O valor do livro de Geimer, The Girl (A menina), está no debate que ele incita; isto já está acontecendo através da serialização e das entrevistas disseminadas e articuladas com a autora. Se isso provocar uma discussão maior entre os não leitores, então ela também fez algo útil e importante.

    O que você sabe sobre a história? Eu sabia um pouco, mas ainda senti o que os resenhistas apressados do livro chamam de “montanha-russa emocional” ao ler uma de suas entrevistas.

    Quando Samantha Geimer tinha 13 anos, o famoso diretor de cinema Roman Polanski, então com 43, disse que estava fotografando garotas norte-americanas para uma matéria na revista Vogue francesa. Com uma ingenuidade perdoável, a mãe de Samantha permitiu que ela saísse sozinha com ele. Polanski a fotografou sem sutiã, o que a menina não contou para a mãe.

    Algumas semanas depois, o diretor levou a garota à casa de Jack Nicholson, deu-lhe várias taças de champanhe e um pedaço de um comprimido para dormir e depois fez sexo com ela, contra a sua vontade. Geimer diz: “Foi estupro em todos os sentidos da palavra. Eu disse não”.

    O modo como ele fez sexo com ela é indelicado incluir aqui, mas importante. O livro de Geimer o expressa com sarcasmo literário: referindo-se a um relatório psicológico simpático depois da prisão de Polanski, que citou sua “preocupação referente à gravidez” como um fator atenuante. Segundo Geimer, esse foi “um novo eufemismo interessante para sodomia”.

    Não sei como isto a faz sentir-se. Mas me enche de ideias de violência. Imagino estar sozinha com Polanski, chutando-o e socando-o. A raiva que sinto ao pensar no que ele fez a uma criança drogada parece ser instintivamente brutal.

    Depois você lê sobre a vida de Roman Polanski. Como é vergonhoso e inútil puni-lo com violência, mesmo na imaginação.

    Aos 6 anos, ele viu seu pai ser levado para um campo de concentração. Sua mãe morreu em Auschwitz quando estava grávida de quatro meses. Aos 35, com Deus sabe que cicatrizes indeléveis, Polanski se casou com Sharon Tate e eles começaram uma família imediatamente. Tate estava com oito meses de gravidez quando uma gangue invadiu sua casa, matou-a a facadas e pintou “porco” na porta da frente com seu sangue.

    Isso não é uma desculpa; outros sobreviventes não se tornaram estupradores. Mas silencia imediatamente meu instinto violento e cria uma intensa e terrível simpatia paralela à raiva. Um segundo fator de complexidade é que o trabalho de Polanski é cheio de beleza e humanidade.

    São sentimentos desconhecidos; o mundo moderno não nos convida a tratar ninguém como matizado. As pessoas são heróis ou vilões, vítimas ou carrascos; às vezes nenhum dos dois, mas nunca ambos.

    Quando Roman Polanski, que viveu exilado dos Estados Unidos e seu sistema de justiça durante décadas, foi indicado para o Oscar pela direção de O Pianista, Samantha Geimer pediu que a academia “julgasse o filme, e não o homem”.

    Ela tem trocado e-mails com Polanski há vários anos.

    Diz que a investigação policial, os exames clínicos e as reportagens sobre o caso foram mais traumáticos que o próprio ataque.  Geimer emenda: “Eu fiz uma coisa errada, fui idiota… Posar sem sutiã, beber e tomar a pílula [para dormir]”.

    É tão fácil é tentador encaixar isto em um escaninho: a autoacusação desorientada e a negação da vítima. Mas essa mulher é inteligente e articulada demais para nós acharmos que entendemos melhor o caso. Ela põe para fora esses pensamentos complexos, juntamente com sua raiva, não porque esteja danificada demais para pensar claramente, mas porque não pode suportar a simplificação excessiva do mundo.

    Quando uma terapeuta no programa de Oprah Winfrey explicou que Geimer sofria de “culpa da vítima”, Geimer disse que isso era “paternalismo”; quem ousaria ser ainda mais paternal e dizer que não era?

    Em O Pianista, Polanski transformou seu conhecimento terrível dos campos de concentração em um ato de expressão artística individual. Em The Girl, Geimer faz o mesmo com seu estupro. É uma resposta poderosa, de ambos. Mas que ligação comum incrivelmente complicada!

    É a complicação de que precisamos. As pessoas se tornaram desesperadas para reduzir tudo, incluindo umas às outras, a categorias insensatas de bom e ruim, como se o mundo pode pudesse ser dividido entre as opções Curtir e Descurtir do Facebook.

    Quando escrevi sobre as mulheres muçulmanas em Birmingham a protestar contra a proibição do véu, e sobreo argumento de que elas são tão dominadas pelo sistema patriarcal e, por tabela, não podem escolher livremente conforme seu pensamento, muitos leitores perguntaram por que eu defendia o véu. Outros apontaram as diferenças entre cobrir o rosto e mudar de nome de mulher solteira para casada. Foi como se não houvesse espaço para analogia a menos que seja uma comparação direta, nem espaço para palavras sobre o niqab além de “Viva!” ou “Proíbam!”

    De maneira semelhante, ansiamos por saber se deveríamos aplaudir ou vaiar a Operação Yewtree, os líderes políticos ou a ideia de bombardear a Síria.

    Então, o que se deve fazer com a história de Samantha Geimer? Ela não condena Polanski nem o exime. Ela não culpa a si mesma ou se recusa a examinar-se. Sua voz é forte e complexa. Você não pode simplificá-la, ou a ele.

    A batalha atual de Geimer não é com seu opressor original, mas com os repórteres da época e de hoje, os advogados, os psicólogos da TV-realidade e todo mundo que assiste – os quais a objetificaram ainda mais. Ela luta contra a simplicidade redutora. Ela nos obriga a pensar muito, a usar músculos que não devem relaxar.

    http://www.cartacapital.com.br/cultura/roman-polanski-e-o-pecado-da-simplificacao-9782.html/view

      • Obrigado, Assis, mas continuo

        Obrigado, Assis, mas continuo sem entender o ritual.  Nada a ver com voce ou com o item do outro dia:

        O “voto” ou “decisao” eh…  eh um pedaco de papel que sai de um escritorio pra outro?!  Eh isso que eh considerado “liberacao”?!  Se for isso, continua uma desimportancia pomposissima…  aa beira do intragavel.

  4. Progressistas censurados no Facebook

    Petista denuncia que Facebook censura críticas a Aécio Neves

     

    por Leila Farkas, via e-mail

    A exemplo do que aconteceu com meu perfil na rede social Facebook (acredito que por causa da página Padilhando por SP), várias páginas progressistas, ao publicarem críticas a Aécio Neves, têm sofrido alguns revezes na forma de censura  para retirar as publicações ou para suspender os administradores por horas ou dias.

    Falo de Aécio Neves mas, no caso da página do Deputado Enio Verri (página banida definitivamente já por duas vezes), parece ser armação dos partidários de Beto Richa. Portanto, PSDB na área.

    Com baixos índices nas pesquisas eleitorais, sem propostas e atendendo a interesses que imaginamos conhecer, os tucanos vêm com tudo pra cima de nós.

    A internet, segundo algumas fontes, será a 2ª maior força na propagação das propostas das campanhas eleitorais no ano que vem, depois da TV.

    E não se pode deixar de denunciar as manobras dos partidários do quanto pior, melhor.

    Logo abaixo vão alguns links onde aparecem as denúncias de censura e retirada de conteúdo das páginas parceiras.

    A imagem em anexo é da página Falando Verdades.

    Porra Serra

    https://www.facebook.com/photo.php?fbid=440882589356252&set=a.293040817473764.63727.292678660843313&type=1&theater

    Aécio Never

    https://www.facebook.com/photo.php?fbid=603851862986321&set=a.585546281483546.1073741829.529347370436771&type=1&theater

    https://www.facebook.com/photo.php?fbid=604035086301332&set=a.585546281483546.1073741829.529347370436771&type=1&theater

    Soldadinho de Chumbo

    https://www.facebook.com/photo.php?fbid=419781704789067&set=a.419781701455734.1073741827.419780804789157&type=1&theater

    Página Enio Verri

    https://www.facebook.com/photo.php?fbid=441729579271553&set=a.294849467292899.64284.292678660843313&type=1&theater

    E mais ameaças com suspensão do perfil por horas nas páginas Falando Verdades e Massa de Mídia.

    Conheço virtualmente os administradores das páginas citadas.

    Temos tentado, na base da solidariedade, fazer publicações conjuntas, denunciando e compartilhando as suspensões e atitudes, a nosso ver, arbitrárias do FB, mas é pouco. Tudo o que é divulgado é público, está nos jornais e nos blogs.

    Sem falar do pagamento para melhorar o alcance.

    Quando não paga, o alcance é de apenas 8% dos “curtidores” das páginas, ou seja, tudo o que se publica, atinge apenas esses curtidores.

    Mas, se pagar, e quanto mais de pagar, aumentam as “chances” de mais gente ver a publicação.

    Chegando a absurdos R$ 1.800,00 por dia. Não há bolso que aguente, mesmo por que, os administradores dessas páginas são militantes virtuais voluntários.

    Não tenho propostas, mas gostaria de pensar junto com vocês o que poderia ser feito para que essa “censura branca” não aconteça e para que possamos fortalecer as páginas de perfil à esquerda.

    Enquanto isso, dezenas de páginas homofóbicas, racistas, pregando morte aos petistas atuam livremente, sem que os administradores da rede tomem conhecimento, difundindo mentiras deslavadas e distorcendo os fatos.

    PS do Viomundo: Enquanto isso, Marina Silva denuncia que existem dois mil militantes pagos para falar mal dela na rede.

    Leia também:

    O escândalo que enterra os tucanos na próxima campanha

     

     

  5. A aliança Marina-Eduardo muda o quadro eleitoral de 2014.

    A aliança Marina-Eduardo muda o quadro eleitoral de 2014.

    A inesperada aliança ocorrida no dia de ontem promete mudanças no tabuleiro da política e torna mais apimentadas as expectativas dos próximos lances das candidaturas.

    A diminuição do número de candidatos à presidência da República anima a possibilidade de uma reeleição de Dilma logo no primeiro turno, aciona o sinal de alerta das oposições o que poderá provocar a alteração dos candidatos no tabuleiro.

    O primeiro impacto de tal aliança é o enfraquecimento da já abalada candidatura de Aécio Neves o que reacende as esperanças de Serra para que o PSDB, mais uma vez, consagre o seu nome como postulante à presidência da República. Á candidatura de Aécio se mostrou fragilizada desde o seu início quando em todas as pesquisas o seu nome ficou atrás de Dilma e de Marina.

    Serra se diverte e sabe que tanto a maior fragilização do nome de Aécio quanto a aliança Campos/Marina que desagrada ao PPS levará as forças da direita a exigir um candidato “mais aguerrido”, além do que voltará a ser lembrada a importância de uma candidatura do PSDB originária de São Paulo que detém 25% do eleitorado brasileiro.

    O segundo impacto é que Campos ganha com a entrada de Marina na sua chapa presidencial um discurso mais palatável à classe média. Se antes o seu discurso neoliberal de gestão e enxugamento da máquina pública agregava alguns setores, estes são ampliados com o discurso “ecoliberal”, de “desenvolvimento sustentável”, de Marina tão agradável aos ouvidos nos jovens da classe média.

    Em um mundo onde faltam ideologias claras este discurso da chapa Campos/Marina tem a possibilidade de agregar amplos espectros da política, tanto à esquerda, quanto à direita, passando pelo centro. Essa falta de clareza é o que possibilita o surgimento da chamada “terceira via”, estranha figura concebida pelo “mainstream” para capturar de volta o Estado quando este se encontra governado por forças que inserem parte da população esquecida nos ditames democráticos e amplo apoio da população.

    É esse maquiavélico discurso da “terceira via” que possibilita a união de esquerda e direita para tentar ganhar eleições frente à governos de amplo apoio popular de  implantações de mais direitos e amparos sociais.

    Portanto, a união de Campos/Marina forma uma forte chapa para 2014, tanto do ponto de vista do marketing, quanto por procurar representar a juventude num quadro de esgotamento da polarização PT/PSDB.

    Mesmo com todas essas possibilidades a candidatura Dilma tem reais chances de vitória no primeiro turno. Já era assim, conforme pesquisas recentes, quando Marina ainda aparecia como possível candidata. O que ainda falta para consolidar definitivamente esta tendência de vitória esmagadora é um programa mais ousado, que enfatize mais a mudança que a continuidade.

    http://assisprocura.blogspot.com.br/2013/10/a-alianca-marina-eduardo-muda-o-quadro.html

    • Sucessão Presidencial.

      Companheiro Assis, você acha que esta repentina e inesperada mudança de rumo, da Marina, e seu engajamento no partido do Eduardo Campos, muda alguma coisa, na corrida pela sucessão Presidencial, e altera de algum modo, as intenções de voto, e coloca alguma “pedra no caminho” da Dilma ?

      Eu particularmente, acho que a decisão da Marina, compromete ainda mais a credibilidade destes aspirantes à Presidencia, e nem o Eduardo Campos como cabeça da chapa, e ela como vice, ou o inverso, assim como não acredito, que uma hopotética (re)união dos candidatos a candidatos PSDBistas Aécio/Serra, para enfrentar esta “nova” fôrça política, tenham cacifes, para desconstruir o legado do Lula, e a campanha social/inclusiva, que as últimas administrações PeTistas fizeram, e prometem fazer, sem milagres nem malabarismos, porem com consistencia e sustentação.

  6. Cristina Kirchner ficará um mês afastada da Presidência

    Médicos recomendaram repouso devido traumatismo craniano

    A presidente da Argentina, Cristina Kirchner, ficará um mês de repouso por motivos de saúde, em plena campanha para as eleições legislativas de 27 de outubro. Segundo o comunicado oficial divulgado sábado (5), os médicos determinaram o afastamento de Cristina por causa de um traumatismo craniano, que ela sofreu no ultimo dia 12 de agosto.

    Na época, explicou o comunicado, a presidente fez uma tomografia computadorizada do cérebro, que apresentou resultados normais. Mas no sábado (5) ela se internou na Fundación Favaloro [especializada em problemas cardiológicos] porque apresentava um quadro de arritmia. Os médicos pediram uma avaliação neurológica ao Instituto de Neurociências e diagnosticaram uma “coleção subdural crônica [hematoma]. Em 2012, ela retirou um tumor da tireoide.

    Os 30 dias de repouso, recomendado pelos médicos, coincidem com a reta final da campanha para as eleições para renovar metade da Câmara dos Deputados e um terço do Senado. Atualmente, Cristina – que esta na metade de seu segundo mandato – conta com a maioria no Congresso. Nas primarias, realizadas em agosto passado, o kirchnerismo sofreu a pior derrota em dez anos – desde que Nestor Kirchner foi eleito presidente em 2003 e foi sucedido por sua mulher Cristina Kirchner, reeleita em 2011.

    O kirchnerismo não tem candidato às eleições presidenciais de 2015. Nestor Kirchner morreu em 2010 e Cristina só tem direito a dois mandatos consecutivos. Por isso, as eleições legislativas servirão para forjar alianças politicas e medir as forcas dos presidenciáveis.

    http://www.jb.com.br/internacional/noticias/2013/10/06/cristina-kirchner-ficara-um-mes-afastada-da-presidencia/

  7. Profissionais do Mais Médicos contam dificuldades da Baixada Flu

    Ao aderir à primeira etapa do programa Mais Médicos, o município de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, que tem cerca de 855 mil habitantes, ofereceu 32 vagas. Após as inscrições, 11 brasileiros e dois estrangeiros foram selecionados para atuar na cidade. Quando chegou o dia da apresentação, seis brasileiros compareceram, e, desses, quatro completaram na última quarta-feira (2) um mês de atuação, já que dois desistiram do programa.

    Um deles é Wendel José, de 26 anos, formado há nove meses e entusiasmado com o contato com os pacientes do bairro de Parada Angélica, onde preencheu uma vaga na Unidade do Programa de Saúde da Família. Ele já morava em Duque de Caxias, mas nasceu em Guaíra, no interior de São Paulo.

    “O pessoal tem sido bem receptivo. Aqui tinha uma carência muito grande mesmo de médico. A gente vê pessoas com problemas crônicos, como diabetes e hipertensão, que estavam sem acompanhamento, algumas já até com complicações dessas doenças”, diz o médico, que focou a formação na emergência, mas migrou para a saúde da família com o programa. “A gente vê tanto paciente que chega mal na emergência, com complicações que poderiam ter sido evitadas. Com a prevenção, a pessoa hipertensa não chega a ter pico hipertensivo ou AVC (acidente cardiovascular).Tudo começa na atenção básica”,disse.

    No estado do Rio, em que todos os médicos da primeira etapa foram alocados na região metropolitana, a Baixada Fluminense aguardava receber 37 profissionais formados no Brasil, enquanto Itaboraí e São Gonçalo, no Leste Fluminense, sete, e a capital, 16. Em Belford Roxo, no entanto, nenhum dos sete previstos se apresentou. O mesmo ocorreu em São João de Meriti, onde um médico deveria ter comparecido. Na capital, 11 médicos desistiram, e, em São Gonçalo, segunda cidade mais populosa do estado, dos três médicos aguardados, dois se apresentaram e um abandonou o programa.

    Em outra cidade da Baixada, Mesquita, Eliazar Estevam de Barros é outro médico do programa que completa um mês de atuação. Com 23 anos de carreira, ele se inscreveu por ter experiência na saúde da família e pelo salário, de R$ 10 mil, e teve que se mudar de Angra dos Reis para o Rio. A chegada dele e de outra profissional que não é do Mais Médicos ao posto da Estratégia de Saúde da Família em Santo Elias rompeu um período em que as equipes ficaram cerca de um ano sem médicos.

    “O nosso grande problema, que é do país inteiro, é fixar médico. A gente não consegue ter um grande salário, e os médicos não têm a disponibilidade de carga horária necessária para atuar na atenção básica e ter vínculo com a população. Esse programa veio nos ajudar a resolver esse problema de fixação do médico”, defendeu Gláucia Almeida, coordenadora da Atenção Básica de Mesquita.

    O município ofereceu oito vagas ao se inscrever para o programa. Recebeu seis médicos brasileiros e um estrangeiro, mas apenas quatro dos formados no Brasil se apresentaram. Deles, dois desistiram alegando não ter disponibilidade para a carga horária de 40 horas. Mesquita, segundo Gláucia, tem atualmente duas equipes de saúde da família com falta de médicos.

    A unidade de saúde ocupa uma casa de três quartos com problemas de conservação pontuais, como portas descascadas e uma parede com infiltração, apesar de boa parte do prédio ter pintura nova, e os pacientes aguardarem em uma sala de espera arejada adaptada na garagem da residência. No consultório de Eliazar, há ar condicionado e mobília simples: um armário estreito, uma cama, duas cadeiras e uma mesa de ferro pintada de branco: “O posto garante o mínimo para o atendimento. O resto é da garra daequipe“, afirma o médico.

    O prédio da unidade em que Wendel trabalha foi inaugurado em agosto, e, segundo médico, não dificulta seu trabalho. “A única queixa é que a unidade é pequena para três equipes. São três salas de atendimento, uma de preventivo, uma de vacinação e uma de dentistas. Somos três médicos e três enfermeiros, que também atendem. Quarta-feira, ainda vem a pediatra, que ocupa mais uma. Mas todo mundo fala que sou privilegiado por trabalhar em uma unidade nova. Aqui não tem problema nenhum”, explicou.

    Apesar disso, ele narra outra dificuldade: a falta de um carro para levar as equipes até as pessoas que precisam de atendimento domiciliar, o que faz com que ele visite apenas casas próximas a ponto de ir a pé. Quanto a locomoção, a periculosidade de algumas áreas cobertas pela clínica é outra preocupação: “Têm lugares em que não costumamos ir porque são zonas de risco. Não nos negamos a ir, mas depende do caso”, observou.

    Eliazar já levou à Coordenação de Atenção Básica do município suas demandas, um computador com internet e um guarda noturno no posto. “A internet já foi instalada na segunda(30) e ficaram de mandar o computador. Há necessidade do computador para várias coisas, e uma delas é o telecurso do programa e os relatórios que tenho preenchido de casa. Isso deveria ser feito no horário de trabalho”.

    O médico lotado em Mesquita conta que, no primeiro mês de trabalho, seus principais pacientes foram diabéticos, hipertensos e gestantes, já que é obstetra, mas outros casos surpreenderam: “A partir da visita de agentes comunitários que perceberam algo de estranho, pontuamos ao conselho tutelar uma menor que estava sendo abusada. O programa também tem essa parte da atenção social, que é importante”.

    Já conhecido de algumas famílias do bairro, Wendel também tem casos para contar: “Tem gente que vem só pra conversar. Teve uma senhora que veio na consulta só para perguntar se podia comer amendoim, porque estava com colesterol e triglicerídeos altos e sentiu vontade. Isso também é saúde da família. O objetivo é criar vínculo com a comunidade. Tem gente que vem aqui toda semana e até traz fruta que dá no quintal pra gente”, contou.

    O jovem médico afirma que o programa é bom, mas questiona o modo como foi formulado: “Não concordo, por exemplo, que médicos de outros países entrem no Brasil sem a revalidação do diploma, nem com cubanos ganharem menos que os outros. O programa é bom, mas não é só levar o médico. Tem que estruturar a unidade e manter o médico lá. Os médicos não são contra o programa, são contra a formulação”,observou.

    Eliazar, por outro lado, elogia a iniciativa e garante: “Estou aqui muito feliz. As pessoas têm muitas dúvidas, mas pelo menos da minha parte, o programa vai dar certo”,concluiu.

    • Nem o PIG faria uma manchete

      Nem o PIG faria uma manchete tão desgraçada contra o governo Dilma.  Ninguém tá de prolbema que possa ser de outro mundo, apenas coisas pontuasi que se resolverá logo

  8. Macaco provocador brincando com o perigo.

    Macaco provocador brincando com o perigo.

    Mais eficiênte que o Anderson Silva, alias, o Anderson deveria pegar uns macetes com o primata para sua próxima luta.

     

  9. Deutsche Welle
     
    Paulo Coelho

    Deutsche Welle

     

    Paulo Coelho boicota Feira de Frankfurt e critica governo brasileiro

    Em entrevista a jornal alemão, escritor reclama da seleção de convidados para evento e chama governo brasileiro de “desastre”. Autor diz que não vai a Frankfurt por discordar do modo como o país mostra sua literatura.

    Em entrevista publicada neste domingo (06/10) pelo jornal alemão Welt am Sonntag, o escritor Paulo Coelho fez graves acusações ao governo brasileiro e disse que não vai à Feira do Livro de Frankfurt. O evento literário, onde o Brasil é país convidado, se realiza da próxima quarta-feira até domingo.

    Coelho citou, como motivo do boicote, sua discordância em relação à lista dos convidados para integrar a delegação oficial brasileira de autores, de responsabilidade do Ministério da Cultura, e da qual ele faz parte. “Duvido que todos sejam escritores profissionais”, afirmou.

    “Dos 70 convidados, só conheço 20, nunca ouvi falar dos outros 50. São, presumivelmente, amigos dos amigos dos amigos. Um nepotismo. O que mais me aborrece: existe uma nova e excitante cena literária no Brasil. Muitos desses jovens autores não estão na lista”, acusou.

    Coelho disse à publicação alemã que já tinha criticado abertamente a seleção e que “fez o melhor que pôde” para que alguns não convidados fossem incluídos na lista – sem sucesso. “Então decidi, como protesto, não ir a Frankfurt”, concluiu. Coelho citou na entrevista a ausência de Eduardo Sphor, Carolina Munhoz, Thalita Rebouças, André Vianco, Felipe Neto e Raphael Draccon.

    Laços fortes com Frankfurt

    O escritor comentou que não foi uma decisão fácil, não só devido aos laços fortes e à estima que nutre pela feira. “Há muitos anos desejava ser convidado pelo meu governo para um evento como esse”, ressaltou, reiterando que não irá a Frankfurt por não concordar com “a maneira como o Brasil apresenta sua literatura”.

    Boos, presidente da feira, rebateu críticas de racismo contra seleção da delegação brasileira

    “Não quero posar agora de Robin Hood. Não sou Zorro nem Cavaleiro Solitário. Mas não me sentiria bem em pertencer a uma delegação oficial de escritores brasileiros que na maioria eu não conheço, enquanto muitos escritores profissionais de meu país não foram convidados”, justificou.

    Na entrevista, também não faltaram acusações contra o governo brasileiro, com o qual Coelho se diz “muito decepcionado”. “Para mim, o atual governo é um desastre. Não importa onde estou, sou sempre perguntado sobre o que está acontecendo de errado no meu país. O governo prometeu mundos e fundos e não cumpriu nada. Isso é o que está errado”, ressaltou.

    Críticas de racismo

    Esta não é a primeira polêmica que envolve os autores brasileiros escolhidos para participar na Feira de Frankfurt. Tanto a organização do evento como o Ministério da Cultura brasileiro foram criticados em reportagem publicada em agosto pelo jornal alemão Süddeutsche Zeitung devido à pequena quantidade de escritores negros entre os convidados: de 70, apenas um, além de um descendente de indígenas.

    Na ocasião, o presidente da feira, Jürgen Boos, e a ministra brasileira da Cultura, Marta Suplicy, afirmaram que os critérios de seleção não foram étnicos, mas sim estéticos e de produção literária. Em comentário publicado no serviço de mensagens curtas Twitter, Paulo Coelho rebateu com sarcasmo a justificativa da ministra. “Frankfurt2013, mais palhaçada. Na minha opinião, critério foi ‘meus amigos vão’.”

    http://www.dw.de/paulo-coelho-boicota-feira-de-frankfurt-e-critica-governo-brasileiro/a-17138330http://www.dw.de/paulo-coelho-boicota-feira-de-frankfurt-e-critica-governo-brasileiro/a-17138330

     

     

    • Acho que tais coisas só

      Acho que tais coisas só poderia ser publicado, especialmente aqui, depois que se pedisse a ministra que mandasse artigo explicando para só serem públicados juntos.

      E essa deu uma explicação óbvia: aqui pode até ser de outro jeito, mas lá fora o que for apresentado tem que representar o mais lindamente da estética do povo brasileiro.  

  10. Ariano mas nem tanto.

    Neta negra de Alemão nazista

    http://www1.folha.uol.com.br/mundo/2013/10/1352570-alema-descobre-que-e-neta-de-oficial-nazista-conhecido-por-seu-sadismo-na-polonia.shtml

    Alemã descobre que é neta de oficial nazista conhecido por seu sadismo na Polônia

    Em 2008, aos 38 anos de idade, a publicitária alemã Jennifer Teege fez uma descoberta que a deixou chocada: seu avô, que ela não chegou a conhecer, era o infame comandante Amon Göth, do campo de concentração de Plaszow, na Polônia, cujo sadismo se destacou até mesmo em meio à barbárie nazista.

    A revelação, depois de tantos anos, teve um efeito ainda mais devastador sobre Teege porque ela é negra, fala hebraico e viveu por quatro anos em Israel.

    “O que ele diria sobre isso? Para ele, eu seria uma bastarda, uma mácula na honra da família. Meu avô com certeza teria me fuzilado”, afirma ela no livro “Amon”, que acaba de lançar na Alemanha (ainda inédito no Brasil).

     

    • Esse deveria lembrar que o

      Esse deveria lembrar que o chavismo começou quando todos os candidatos renunciaram e deixaram Chavez como único candidato. De fato, o coitado caiu no truque de não ter como perder. Pois, se tivesse perdido poderia ter descançado e  tratado da sua saúde.

  11. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome