Revista GGN

Assine

Fora de Pauta

O espaço para os temas livres e variados.

Média: 1 (1 voto)
3 comentários

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Opções de exibição de comentários

Escolha o modo de exibição que você preferir e clique em "Salvar configurações".
imagem de Emanuel Cancella
Emanuel Cancella

Lava Jato

Os corruptos de estimação da lava Jato: FHC, Aécio Neves e Pedro lalau Parente!

E para debochar da sociedade a lava Jato vira filme a ser lançado na semana da Pátria cujo lema é: A lei é para todos! Eles dizem que gastaram 15 milhões de reais para custear o filme e contrariando a lei, ninguém sabe da onde veio o dinheiro (11).  

                                                                Resultado de imagem para lava jato, a lei é para todos?

  A lava Jato tem rabo preso, como diz o ditado popular, com FHC, Aécio e Pedro lalau Parente. E o que pior, o silencio criminoso  do STF e do PGR dá quase uma exclusividade a lava Jato em relação a esses corruptos, repito: FHC, Aécio e Pedro lalau Parente.

 "Enquanto houver bambu, vai ter flecha", diz Janot sobre denúncias. Mas contra esses três não tem bambu nem flecha (8).

Eu tenho vários amigos cacique da Aldeia Maracanã, no Rio e até pensei em conseguir algumas flechas para o PGR, Rodrigo Janot. Mas creio que não é flecha, falta vergonha na cara, justiça,  e o respeito as leis do país, na lava Jato, do MPF e do PGR.  

O governo de FHC na Petrobrás foi delatado trocentas vezes e em muitas delas envolvendo o próprio filho em corrupção (2,3). Aécio Neves é recordista em delação na lava Jato (10).

Pedro lalau Parente réu desde 2001, em ação movida por petroleiro sobre venda de ativos, quando ministro de FHC e membro do Conselho de Administração da Petrobrás dando um prejuízo de R$ 5 BI a Petrobrás. Dezesseis anos se passaram e o MPF sentou em cima do processo (4).

A justiça se cala e o Lalau age, Pedro lalau Parente volta a Petrobrás em 2016 e não é para se redimir e sim para chafurdar: “Vende” sem licitação ativos, valiosíssimos, estratégicos e empregatícios como: O campo de Carcará do pré-sal ao valor de um refrigerante o barril de petróleo. “Vende” também a Petroquímica de Suape ao valor de 5 dias de faturamento (5,6). Lalau certo da proteção hercúlea e criminosa do MPF e da lava Jato, vende para quem quer, e pelo valor que ele mesmo determina.  

Como diz o dito popular, que desgraça pouca é bobagem: lalau tira da Petrobrás setores fundamentais para que a empresa se mantenha como uma companhia integrada de energia: O gás, o setor petroquímico, o de fertilizantes e o biocombustíveis (7). Pasmem, lembram das termoelétricas que livrou o Brasil do apagão de FHC, lalau também esta vendendo.

Acho estranho que só eu faça essas denuncias mesmo sendo intimado pelo MPF. Será que a intimação que era com certeza uma resposta a minha denuncia formalizada de omissão da Lava Jato, e era também para me calar e impedir o lançamento do meu livro, afetou as pessoas e entidades que estão com medo de se pronunciar (12,13)?

O livro eu lancei, e se preciso vou repetir essa denuncia mil vezes, como disse o ministro da comunicação nazista, Paul Joseph Goebbels:  "Uma mentira repetida mil vezes torna-se verdade" (9).

Será que mesmo sendo verdadeiras e comprovadas minhas denuncias vou ter que repeti-las mil vezes? Se preciso para defender a Petrobrás repetirei!

 

Fonte: 1 - https://www.cartacapital.com.br/politica/enquanto-houver-bambu-vai-ter-flecha-diz-janot-sobre-denuncias 

2 - https://www.pragmatismopolitico.com.br/2016/09/delator-cita-filho-fhc-esquema-corrupcao-petrobras.html

3 - https://www.pragmatismopolitico.com.br/2016/10/cervero-filho-fhc-sabia-termeletrica-contratado-petrobras.html

4 - http://www.redebrasilatual.com.br/blogs/helena/2016/06/presidentes-da-petrobras-e-do-bndes-sao-reus-em-acao-por-rombo-bilionario-9872.html

5 - - http://www.redebrasilatual.com.br/revistas/127/escandalo-da-petroquimica-de-suape-a-pasadena-de-temer

6 - http://www.vermelho.org.br/noticia/285181-1

7 - http://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2016-09/petrobras-deixara-setores-de-biocombustiveis-petroquimica-e-fertilizantes

8 - https://www.cartacapital.com.br/politica/enquanto-houver-bambu-vai-ter-flecha-diz-janot-sobre-denuncias

9 - https://pt.wikiquote.org/wiki/Joseph_Goebbels

10 - https://www.brasil247.com/pt/247/minas247/255474/Recordista-em-dela%C3%A7%C3%B5es-A%C3%A9cio-Neves-cobra-arrependimento-de-Lula.htm

11 - http://www.diariodocentrodomundo.com.br/essencial/filme-sobre-a-lava-jato-e-pago-por-investidores-secretos/

12 - https://www.brasil247.com/pt/247/brasil/288251/Petroleiro-%C3%A9-intimado-pela-PF-ap%C3%B3s-criticar-Moro-e-Lava-Jato.htm

13 - http://www.apn.org.br/w3/index.php/nacional/8685-petroleiro-protocola-denuncia-contra-operacao-lava-jato

 

 

Rio de Janeiro, 24 de agosto de 2017. 

Autor: Emanuel Cancella, OAB/RJ 75.300, ex-presidente do Sindipetro-RJ, fundador e ex diretor do Comando Nacional dos Petroleiros, da FUP e fundador e coordenador da FNP , ex-diretor Sindical e Nacional do Dieese, sendo também autor do livro “A Outra Face de Sérgio Moro” que pode ser adquirido em: http://emanuelcancella.blogspot.com.br/2017/07/a-outra-face-de-sergio-moro-pontos-de.html.

OBS.: Artigo enviado para possível publicação para o Globo, JB, o Dia, Folha, Estadão, Veja, Época entre outros órgãos de comunicação.

(Esse relato pode ser reproduzido livremente)

Meus endereços eletrônicos:

http://emanuelcancella.blogspot.com.

Seu voto: Nenhum
imagem de Luiz Alberto Marques Vieira Filho
Luiz Alberto Marques Vieira Filho

A dona de casa, o interbancário e as finanças públicas

As finanças públicas teriam grande semelhança com as contas de uma dona de casa conforme o clichê repetido ad nauseam pelos economistas vulgares. O Estado, assim como uma dona de casa, caso gaste mais do que ganha, em algum momento acabaria quebrando.

Com base neste simplório raciocínio, o governo brasileiro impôs importantes cortes orçamentários, aumentou em mais de 60% as tarifas de energia elétrica, acabou com programas públicos como o “Ciência sem Fronteiras e aprovou uma emenda constitucional congelando as despesas públicas por 20 anos.

O mais assustador dessa história é que a concepção machista de uma família patriarcal está longe de ser o ponto mais arcaico dessa analogia. A ideia de uma família na qual o homem provê os recursos financeiros, lê jornal e se delicia na garçonnière com as amantes, enquanto a mulher cuida dos filhos, da casa e faz as compras no supermercado está longe de ser a parte temporalmente mais defasada.

O fato é que desde que os Medici aplicaram a matemática de Fibonacci às letras de câmbio para fugir das penas contra a usura, o sistema de crédito registrou brutal evolução.

A concessão de crédito evoluiu do empréstimo com recursos próprios para a intermediação de recursos de terceiros e, finalmente, para empréstimos sem contrapartida alguma, ou melhor, com apenas parte dela. Assim, o sistema bancário concede crédito mesmo que tenha apenas parte desses recursos. Somente uma fração dos depósitos bancários de qualquer correntista é coberto por reservas bancárias e dinheiro nos cofres dos bancos. Mas como os bancos fazem quando os clientes decidem sacar o dinheiro?

A primeira solução é que outro cliente deposite o valor sacado. No entanto, isso não é sempre possível. Por isso, os bancos costumam emprestar dinheiro ou reservas bancárias de outros bancos para cobrir esses saques acima dos recursos disponíveis, esse é o mercado interbancário. Uma terceira alternativa é recorrer a empréstimos do Banco Central, mas que são penalizados com taxas acima das praticadas pelo mercado interbancário.

As operações de empréstimos entre os bancos costumam ter como garantia títulos da dívida pública e o custo dessas operações é a taxa Selic. O que um banco empresta para outro são as reservas bancárias, que são depósitos que os bancos mantêm no Banco Central.

Uma das alegrias mais prosaicas das antigas donas de casa era achar uma nota de   1:000$000 réis no bolso da calça, assim como as modernas médicas neurologistas e os advogados ficam felizes de achar uma nota de cem reais em seus bolsos. Isto sugere que a gestão de liquidez das famílias, que jamais ofertam suas sobras de dinheiro no mercado interbancário, era e é muito diferente da gestão praticada pelos bancos.

Nos bancos toda sobra de caixa (reservas bancárias) é ofertada diariamente no mercado interbancário, inclusive os depósitos que as donas de casas ou qualquer outra cidadã ou cidadão mantém na instituição. A maior parte do dinheiro não “dorme” uma noite sequer no banco. A instituição que ficou sem caixa diante dos saques dos correntistas, uma vez que tinha emprestado a terceiros os recursos dos clientes, empresta reservas bancárias daquelas que estão com sobras de caixa.

E qual a origem dessas reservas bancárias?

Existem apenas duas origens possíveis das reservas bancárias: as despesas pagas pelo Tesouro Nacional e a compra de ativos pelo Banco Central, especialmente de títulos públicos emitidos pelo Tesouro e de moedas estrangeiras. Em sentido inverso, a cobrança de tributos pela Receita Federal, a emissão de títulos da dívida pública pela STN e a venda de ativos pelo Banco Central reduzem a quantidade de reservas bancárias.

O importante é que quando o Tesouro faz um pagamento, os valores são debitados da Conta Única mantida pela STN no Banco Central e creditados nas reservas bancárias do banco comercial, no qual o destinatário do dinheiro mantém sua conta corrente. Mesmo que esse dinheiro seja de propriedade de um cliente, o banco tentará emprestar esse dinheiro no mercado interbancário para outro banco. Como haverá um volume maior de reservas bancárias disponíveis para empréstimo dos bancos deficitários, os juros tenderão a cair, ficando abaixo da meta Selic determinada pelo Banco Central.

Essa massa de recursos financeiros que surgiu pelo pagamento de despesas pelo Tesouro Nacional ficará vagando em busca de oportunidades de aplicações rentáveis. No entanto, as únicas possibilidades de enxugamento do excesso de reservas bancárias do sistema como um todo são as vendas de títulos públicos pelo Tesouro Nacional ou pelo Banco Central. Quaisquer outras transações pelos demais agentes da economia não reduzirá o excesso global de reservas bancárias. Assim, o pagamento de despesas públicas pelo Tesouro Nacional gera a demanda pelos títulos públicos para o seu financiamento, o que pode ser chamado de “Lei de Say do Financiamento da Despesa Pública”.

Caso se insista em analogias domésticas para as finanças públicas, é como se a dona de casa pudesse pagar suas despesas com o amor que sente pelos filhos, algo gratuito e de emissão infinita, pouco importando as juras aos filhos de que serão amados por toda a vida. A preocupação não é faltar amor no futuro. Talvez a única preocupação seja que tanto amor possa mimar demais as crianças.

Não é por acaso que os saldos da Conta Única cresceram de maneira praticamente ininterrupta nos últimos 20 anos, contrariando a crença de que crises fiscais teriam implicado dificuldade de caixa para o Tesouro.

 

Tabela 1: Saldo da Conta Única do Tesouro Nacional (R$ mil)

 Conta Única do Tesouro Nacional199412.094.252199522.239.182199625.143.391199741.135.318199850.402.341199975.779.217200088.380.288200182.205.875200288.526.7862003120.189.5622004158.231.7162005208.476.2682006226.047.3192007275.843.1642008255.216.7232009406.354.4202010404.516.3982011475.622.2762012620.401.2912013655.965.3272014605.920.5522015881.932.08120161.039.821.680Fonte: Demonstrações Financeiras do Banco Central

A “Lei de Say do Financiamento da Despesa Pública” possui implicações poderosas. A primeira é que um país com moeda soberana não quebra em moeda doméstica. A segunda é que a política fiscal, que é a gestão das receitas e despesas do Governo Federal, deve buscar ativamente atingir níveis de emprego e inflação considerados adequados.

Numa conjuntura com a maior recessão da história e com a decomposição social e política do Brasil, o caminho a seguir é radicalmente distinto daquele foi trilhado nos últimos 3 anos, marcados por rodadas sucessivas de ineficientes arrochos fiscais. A recuperação da economia e dos níveis de emprego devem ser perseguidos obstinadamente através da recuperação dos investimentos públicos e de gastos estratégicos do Governo Federal. Dinheiro não falta!

Este artigo é uma versão resumida e simplificada de aspectos do trabalho que foi apresentado no X Encontro da Associação Keynesiana Brasileira: “Financiamento do setor público e “crise fiscal” na recessão de 2015 e 2016: uma abordagem neocartalista”.

 

Seu voto: Nenhum

Pré-sal - revelado plano pro "BraZil": pobreza, exclusão e etern

Pré-sal - revelado plano pro "BraZil": pobreza, exclusão e eterna dependência

Por Romulus

Terrível é pensar que, se for para reverter (no futuro) o atual desmonte, levará ao menos os mesmos 10 anos do início do século.

E isso apenas para voltarmos aonde estávamos!

Pior:

- Teremos perdido o bonde no desenvolvimento da tecnologia para explorar o Pré-sal.

- Pré-sal esse que, depois da descoberta - no Brasil!, já passou a ser explorado em outros locais com o mesmo perfil geológico na Costa Africana, Golfo do México, etc.

*

O plano “deles” é esse: tornar-nos NOVAMENTE dependentes de importação de produtos, serviços e...

- ... tecnologia!

*

Uma estratégia de desenvolvimento apenas para poucos exige uma base de recursos naturais enorme em relação a um total da população pequeno. Isso é para países como Austrália, Chile, Emirados Árabes e Qatar.

Esse, definitivamente, não é o caso do Brasil, com os seus quase 210 milhões de almas!

Não há solução para o país – ao menos para quem vive nele e não pode (e não quer!) imigrar para Miami ou converter-se em "neo" senhor de engenho escravocrata – a não ser se desenvolver, complexificando a sua economia.

(incluindo TODOS os tais 210 milhões!)

 

LEIA MAIS »

Seu voto: Nenhum (1 voto)

As ONGs em geral,ou algumas ONGs? a Mìdia do mundo livre cristão

A filha de uma amiga em Porto Alegre saiu "enojada" (sic. literalmente disse) de uma ONG onde ficou um tempo (dirigido, fundado por um cara famoso no Brasil e no Mundo). Uma amiga de Santa Catarina, com curso pela UNESCO e bamba em projetos culturais solicitada por várias prefeituras se dirigiu à Cruz Vermelha, e só recebeu silêncio como resposta, como retorno, aposentada, não era nada por dinheiro, nem status. Acontece que são pessoas com discernimento, que logo se percebe que podem enxergar o que comumente não se percebe, principalmente o que há como bandeira levantando o bem ao próximo, desinteressadamente, doando até a alma. Eu tive experiências um pouco parecidas. E o que vejo hoje usando os buscadores: sites super bem elaborados, rapazes e moças super bem "naturalmente" sorridentes e simpáticos, a palavra empreendedores, trabalho voluntário, e lá pelo meio das várias seções um "Se você aprecia o nosso trabalho, doe aqui ... [ paypal, pagseguro ]. Um site do Ceará e outro de São Paulo com reportagem no UOL com quae 1 milhão de boas almas. Sugiro que mais pessoas pelo blog todo tragam o outro lado, ou acrescentem mais alguma coisa que eu achei suspeita em ONGs, ou parte delas (emm que proporção, percentagem??). Tem mais de 1 vídeo com um famoso jornalista britânico, parece que recentemente falecido, e um trabalho de pesquisa de um pessoal da Universidade de Montreal, Canadá, sobre a piedosa Madre Teresa de Calcutá e seu trabalho de caridade... Se procedeem oq ue li , o vos videos e a pesquisa de Montreal, só em pensar , me dá vontade de... E como é a Mìdia do mundo livre e cristão... 

Seu voto: Nenhum (4 votos)

"Somente os superficiais se conhecem a si mesmos"

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.