Fora de Pauta

O espaço para os temas livres e variados.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  É preciso disputar territórios ocupados por igrejas e dialogar com evangélicos, diz Esther Solano

4 comentários

  1. Li com deleite as histórias do Januarinho, massagista do Palace de Poços de Caldas. O paciente em questão era Benedito Valadares, mas na ocasião da doença não era governador ainda. A infecção aconteceu na guerra civil de 1932. Benedito era delegado especial junto à Força Pública de Minas que guerreava os paulistas na Batalha do Túnel. E Juscelino era cirurgião-militar, com formação em urologia. Ele tratou o paciente no acampamento. Será que o Benedito pegou outra? Ele esteve em Poços para se encontrar com Getúlio em 1937, na preparação do golpe. Mário Mattos, citado como ministro, era desembargador; no Governo Benedito foi secretário de Justiça. Grande ensaísta e crítico literário, amigo de Carlos Drummond. Registrei a anedota em meu livro “O almanaque do Pedrim”, de 1998; e minha fonte foi o professor Mário Mendes Campos, médico e poeta, pai do cronista Paulo Mendes Campos. Ele contava, com muita graça, que a origem das desavenças políticas de Benedito com JK (foi contra a candidatura dele dentro do PSD) remonta ao tempo da infecção. Nunca perdoou o suplício que sofreu nas mãos do grande urologista Juscelino, que lhe enfiava aqueles ferrolhos usados na medicina da época… Abraço do Pedro Rogério.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome