Fora de Pauta

O espaço para os temas livres e variados. Podem ser colocados aqui os vídeos e as notícias.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Memória: mutuários, o primeiro movimento civil contra a ditadura

10 comentários

  1. As forças armadas devem assumir a sua responsabilidade.

    O ministro Gilmar Mendes disse claramente em declaração pública que as forças armadas não devem brincar de apoiar o atual ocupante da cadeira da presidência da república, colocando no posto do ministério da saúde alguém que não entende nada de medicina, infectologia e gestão pública na luta contra uma epidemia que já matou mais de 70.000 brasileiros e segundo projeções do Institute for Health Metrics and Evaluation (IHME) (https://covid19.healthdata.org/brazil) que faz as previsões para o governo Norte-americano e para tanto simula diversos cenários.

    Nos cenários projetados por esse instituto para 1º de novembro de 2020 há valores que variam entre 152.000 mortos e 510.000 mortos, sendo que esse último valor corresponde a uma projeção pessimista de um cenário que ocorrerá se tudo ficar como está sendo gerenciado. Nesse cenário de imobilismo do governo federal e exaustão dos governos estaduais e municipais os limites são entre 297.000 mortos (projeção otimista) e os citados 510.000 mortos (projeção pessimista).

    O comando das forças armadas ficou sentido e abalado com a sincero e honesta declaração do ministro Gilmar Mendes, que disse que isso seria um genocídio e que não é função das forças armadas ocupar cargos que não tem a competência para ocupar nesse momento dramático da Nação.

    Não adianta ficarem sentidos ou indignados porque simplesmente o futuro bem próximo mostrará que a ciência que começa a ser respeitada pelo presidente Trump nos USA, precisa ser respeitada pelo atual ocupante da cadeira da presidência da república.

    Talvez a forças armadas brasileiras devessem nesse momento seguir o exemplo do 20º Cirurgião Geral dos Estados Unidos, o vice-almirante Jerome Adams do Corpo de Comissionados do Serviço de Saúde Pública dos EUA que está frontalmente contra o seu comandante, o Presidente Trump e está se posicionando como um profissional e não garantindo o seu emprego. Ou seja, se as forças armadas brasileiras tem tanta admiração as forças armadas norte-americanas que copiem dessa o que deve ser feito e não fiquem com melindres e encarem a verdade, que colocaram no cargo de ministro da saúde alguém que não entende nada do assunto e com isso estão realmente virando GENOCIDAS, ou acham que 350 mil mortes de brasileiros não valem os cargos que ocupam.

  2. As forças armadas devem assumir a sua responsabilidade.

    O ministro Gilmar Mendes disse claramente em declaração pública, que as forças armadas não devem brincar de apoiar o atual ocupante da cadeira da presidência da república, colocando no posto do ministério da saúde alguém que não entende nada de medicina, infectologia e gestão pública na luta contra uma epidemia que já matou mais de 70.000 brasileiros.

    Segundo projeções do Institute for Health Metrics and Evaluation (IHME) (https://covid19.healthdata.org/brazil) que faz as previsões para o governo Norte-americano e para tanto simula diversos cenários eles não são nada otimistas. Nos cenários projetados por esse instituto para 1º de novembro de 2020 há valores que variam entre 152.000 mortos e 510.000 mortos, sendo que esse último valor corresponde a uma projeção pessimista de um cenário que poderá ocorrer se tudo ficar como está sendo gerenciado. Nesse cenário de imobilismo do governo federal e exaustão dos governos estaduais e municipais os limites são entre 297.000 mortos (projeção otimista) e os citados 510.000 mortos (projeção pessimista), ou seja, ou 120.000 ou 440.000 mais mortos (isso até o fim do mês de outubro).

    O comando das forças armadas ficou sentido e abalado com a sincera e honesta declaração do ministro Gilmar Mendes, que disse que isso seria um genocídio e que não é função das forças armadas ocupar cargos que não tem a competência para ocupar nesse momento dramático da Nação.

    Não adianta ficarem sentidos ou indignados porque simplesmente o futuro bem próximo mostrará que ou a ciência que começa a ser respeitada ou teremos uma tragédia.

    Talvez a forças armadas brasileiras devessem nesse momento seguir o exemplo do 20º Cirurgião Geral dos Estados Unidos, o vice-almirante Jerome Adams do Corpo de Comissionados do Serviço de Saúde Pública dos EUA. Este militar está frontalmente discordando do seu, o Presidente Trump e está se posicionando como um profissional responsável e não procurando garantir o seu posto. Ou seja, se as forças armadas brasileiras tem tanta admiração as forças armadas norte-americanas que copiem dessa o que deve ser feito e não fiquem com melindres e encarem a verdade, que colocaram no cargo de ministro da saúde alguém que não entende nada do assunto e com isso vão virar GENOCIDAS, ou acham que 350 mil mortes de brasileiros não valem os cargos que ocupam.

  3. O Professor perguntou o que aconteceria se a terra de repente perdesse sua força gravitacional

    Responderam que se as pessoas não se prevenissem, elas seriam atraídas pela Lua

    Aí um Bolsominion se manifestou:

    “Então eu vou é comprar um pára-queda a fim de que eu não me espatife na superfície da Lua.

    È verdade esse bilete

  4. Atenção pessoal. Pedimos ajuda para denunciar a fake news abaixo postada por deputado bolsonarista que está no ar desde a eleição !! Quem sabe assim o Facebook toma vergonha na cara e bloqueia esses mentirosos !! Cliquem no link abaixo, depois nos 3 pontinhos acima a direita, e após em “obter apoio ou denunciar publicação” e após “”notícia falsa”.

    https://m.facebook.com/watch/?v=274401349855064

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome