Fora de Pauta

O espaço para os temas livres e variados. Podem ser colocados aqui os vídeos e as notícias em geral. Deixe sua dica nos comentários.

O espaço para os temas livres e variados. Podem ser colocados aqui os vídeos e as notícias em geral. Deixe sua dica nos comentários.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Não há sinais de recuperação para a indústria automobilística, por Luis Nassif

12 comentários

  1. Vou colocar em Ingles e traduzir em seguida num outro comentario abaixo:
    https://www.americanthinker.com/blog/2020/11/the_smartest_man_in_the_room_has_joined_sidney_powells_team.html

    American Thinker – Home – Archives – Cartoons

    « Does Trump’s shuffling of the Defense Policy Board mean something? | America as a Wonderful Life…if we can keep it »
    Parler| 605 Comments|
    November 28, 2020
    The ‘smartest man in the room’ has joined Sidney Powell’s team
    By Andrea Widburg
    In her Georgia complaint, Sidney Powell included the declaration of Navid Keshavarz-Nia, an expert witness who stated under oath that there was massive computer fraud in the 2020 election, all of it intended to secure a victory for Joe Biden. Dr. Kershavarz-Nia’s name may not mean a lot to you, but it’s one of the weightiest names in the world when it comes to sniffing out cyber-security problems.

    We know how important Dr. Kershavarz-Nia is because, just two and a half months ago, the New York Times ran one of its Sunday long-form articles about a massive, multi-million-dollar fraud that a talented grifter ran against the American intelligence and military communities. Dr. Kershavarz-Nia is one of the few people who comes off looking good:

    Navid Keshavarz-Nia, those who worked with him said, “was always the smartest person in the room.” In doing cybersecurity and technical counterintelligence work for the C.I.A., N.S.A. and F.B.I., he had spent decades connecting top-secret dots. After several months of working with Mr. Courtney, he began connecting those dots too. He did not like where they led.

    Not only does Dr. Kershavarz-Nia have an innate intelligence, but he’s also got extraordinary academic and practical skills in cyber-fraud detection and analysis. The reason we know about his qualifications is that it takes seven paragraphs for him to list them in the declaration he signed to support the Georgia complaint.

    His qualifications include a B.A., M.A., and Ph.D. in various areas of electrical and computer engineering. In addition, “I have advanced trained from the Defense Intelligence Agency (DIA), Central Intelligence Agency (CIA), National Security Agency (NSA), DHS office of Intelligence & Analysis (I&A) and Massachusetts Institution of Technology (MIT).”

    Professionally, Dr. Kershavarz-Nia has spent his career as a cyber-security engineer. “My experience,” he attests,” spans 35 years performing technical assessment, mathematical modeling, cyber-attack pattern analysis, and security intelligence[.]” I will not belabor the point. Take it as given that Dr. Kershavarz-Nia may know more about cyber-security than anyone else in America.

    So what does the brilliant Dr. Kershavarz-Nia have to say? This:

    1. Hammer and Scorecard is real, not a hoax (as Democrats allege), and both are used to manipulate election outcomes.

    2. Dominion, ES&S, Scytl, and Smartmatic are all vulnerable to fraud and vote manipulation — and the mainstream media reported on these vulnerabilities in the past.

    3. Dominion has been used in other countries to “forge election results.”

    4. Dominion’s corporate structure is deliberately confusing to hide relationships with Venezuela, China, and Cuba.

    5. Dominion machines are easily hackable.

    6. Dominion memory cards with cryptographic key access to the systems were stolen in 2019.

    Although he had no access to the machines, Dr. Kershavarz has looked at available data about the election and the vote results. Based on that information, he concluded

    1. The counts in the disputed states (Pennsylvania, Wisconsin, Michigan, Arizona, Nevada, and Georgia) show electronic manipulation.

    2. The simultaneous decision in Pennsylvania, Wisconsin, Arizona, Nevada, and Georgia to pretend to halt counting votes was unprecedented and demonstrated a coordinated effort to collude toward desired results.

    3. One to two percent of votes were forged in Biden’s favor.

    4. Optical scanners were set to accept unverified, un-validated ballots.

    5. The scanners failed to keep records for audits, an outcome that must have been deliberately programmed.

    6. The stolen cryptographic key, which applied to all voting systems, was used to alter vote counts.

    7. The favorable votes pouring in after hours for Biden could not be accounted for by a Democrat preference for mailed in ballots. They demonstrated manipulation. For example, in Pennsylvania, it was physically impossible to feed 400,000 ballots into the machines within 2–3 hours.

    8. Dominion used Chinese parts, and there’s reason to believe that China, Venezuela, Cuba interfered in the election.

    9. There was a Hammer and Scorecard cyber-attack that altered votes in the battleground states, and then forwarded the results to Scytl servers in Frankfurt, Germany, to avoid detection.

    10. The systems failed to produce any auditable results.

    Based on the above findings, Dr. Keshavarz-Nia concluded with “high confidence that the election 2020 data were altered in all battleground states resulting in a [sic] hundreds of thousands of votes that were cast for President Trump to be transferred [sic] to Vice President Biden.”

    This is going to be tough evidence for Democrats to counter. Back when the naïve Democrats thought Trump would be the one to commit fraud, they held congressional hearings and wrote articles about the voting machines’ vulnerability. And with the New York Times touting Dr. Keshavarz-Nia’s brilliance and his ability to sniff out fraud, they’ll struggle to that he’s not a reliable expert. Things are getting fun.

    Image: Dominion voting systems. PBS YouTube video screen grab.

  2. O ‘homem mais inteligente da sala’ juntou-se à equipe de Sidney Powell
    Por Andrea Widburg
    Em sua reclamação na Geórgia, Sidney Powell incluiu a declaração de Navid Keshavarz-Nia, uma testemunha especialista que declarou sob juramento que havia uma fraude maciça de computador na eleição de 2020, tudo com o objetivo de garantir a vitória de Joe Biden. O nome do Dr. Kershavarz-Nia pode não significar muito para você, mas é um dos nomes mais importantes do mundo quando se trata de farejar problemas de segurança cibernética.

    Nós sabemos o quão importante é o Dr. Kershavarz-Nia porque, apenas dois meses e meio atrás, o New York Times publicou um de seus artigos extensos de domingo sobre uma fraude massiva de vários milhões de dólares que um golpista talentoso dirigiu contra o Inteligência americana e comunidades militares. Dr. Kershavarz-Nia é uma das poucas pessoas que parece bem:

    Navid Keshavarz-Nia, disseram aqueles que trabalharam com ele, “sempre foi a pessoa mais inteligente na sala”. Ao fazer o trabalho de segurança cibernética e contra-espionagem técnica para o C.I.A., N.S.A. e F.B.I., ele passou décadas conectando pontos ultrassecretos. Depois de vários meses trabalhando com o Sr. Courtney, ele começou a conectar esses pontos também. Ele não gostou para onde eles o levaram.

    O Dr. Kershavarz-Nia não apenas tem uma inteligência inata, mas também tem extraordinárias habilidades acadêmicas e práticas na detecção e análise de fraudes cibernéticas. O motivo pelo qual sabemos sobre suas qualificações é que ele leva sete parágrafos para listá-los na declaração que assinou para apoiar a queixa da Geórgia.

    Suas qualificações incluem B.A., M.A. e Ph.D. em diversas áreas da engenharia elétrica e informática. Além disso, “recebi treinamento avançado na Defense Intelligence Agency (DIA), Central Intelligence Agency (CIA), National Security Agency (NSA), DHS escritório de Inteligência e Análise (I&A) e Massachusetts Institution of Technology (MIT).”

    Profissionalmente, o Dr. Kershavarz-Nia passou sua carreira como engenheiro de segurança cibernética. “Minha experiência”, ele atesta, “abrange 35 anos realizando avaliação técnica, modelagem matemática, análise de padrões de ataque cibernético e inteligência de segurança [.] Considere que o Dr. Kershavarz-Nia pode saber mais sobre segurança cibernética do que qualquer outra pessoa na América.

    Então, o que o brilhante Dr. Kershavarz-Nia tem a dizer?

    Isto:

    1. O Martelo e o Scorecard são reais, não uma farsa (como alegam os democratas), e ambos são usados ​​para manipular os resultados das eleições.

    2. Dominion, ES&S, Scytl e Smartmatic são todos vulneráveis ​​a fraude e manipulação de votos – e a grande mídia relatou essas vulnerabilidades no passado.

    3. Domínio foi usado em outros países para “forjar resultados eleitorais”.

    4. A estrutura corporativa da Dominion é deliberadamente confusa para ocultar as relações com a Venezuela, China e Cuba.

    5. As máquinas Dominion são facilmente hackeadas.

    6. Os cartões de memória Dominion com acesso por chave criptográfica aos sistemas foram roubados em 2019.

    Embora ele não tivesse acesso às máquinas, o Dr. Kershavarz examinou os dados disponíveis sobre a eleição e os resultados da votação. Com base nessas informações, ele concluiu

    1. As contagens nos estados disputados (Pensilvânia, Wisconsin, Michigan, Arizona, Nevada e Geórgia) mostram manipulação eletrônica.

    2. A decisão simultânea na Pensilvânia, Wisconsin, Arizona, Nevada e Geórgia de fingir que a contagem de votos foi interrompida foi sem precedentes e demonstrou um esforço coordenado para conspirar em direção aos resultados desejados.

    3. Um a dois por cento dos votos foram forjados a favor de Biden.

    4. Scanners ópticos foram configurados para aceitar cédulas não verificadas e não validadas.

    5. Os scanners falharam em manter registros para auditorias, um resultado que deve ter sido deliberadamente programado.

    6. A chave criptográfica roubada, que se aplica a todos os sistemas de votação, foi usada para alterar a contagem de votos.

    7. Os votos favoráveis ​​que chegam após o expediente para Biden não podem ser explicados por uma preferência democrata por cédulas enviadas pelo correio. Eles demonstraram manipulação. Por exemplo, na Pensilvânia, era fisicamente impossível alimentar 400.000 cédulas nas máquinas em 2–3 horas.

    8. O Dominion usou peças chinesas, e há razões para acreditar que China, Venezuela, Cuba interferiram na eleição.

    9. Houve um ataque cibernético do Hammer e do Scorecard que alterou os votos nos estados do campo de batalha e, em seguida, encaminhou os resultados aos servidores da Scytl em Frankfurt, Alemanha, para evitar a detecção.

    10. Os sistemas não produziram quaisquer resultados auditáveis.

    Com base nas descobertas acima, o Dr. Keshavarz-Nia concluiu com “alta confiança de que os dados das eleições de 2020 foram alterados em todos os estados do campo de batalha, resultando em [sic] centenas de milhares de votos para a transferência do presidente Trump [sic] ao vice-presidente Biden. ”

    Essa será uma prova difícil para os democratas combaterem. Na época em que os ingênuos democratas pensavam que Trump seria o único a cometer fraude, eles realizaram audiências no Congresso e escreveram artigos sobre a vulnerabilidade das urnas de votação. E com o New York Times divulgando o brilhantismo do Dr. Keshavarz-Nia e sua capacidade de farejar fraudes, eles lutarão para que ele não seja um especialista confiável. As coisas estão ficando divertidas.
    Conclusao:
    Se exite fraude nos eeuu, que dira na terra mada idolatrada Brasil!

  3. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome