16 comentários

  1. A Globo é uma fábrica de imbecis

    O milagre do Kimzinho

     

    Este rapaz – tem 19 anos, não é uma ofensa, portanto – do tal Movimento Brasil Livre, um dos factóides organizativos do movimento – este real –  pela derrubada de Dilma Rousseff produziu um “milagre” com a entrevista que deu  para a Folha.

     

    Porque qualquer um que leia os comentários dos grandes sites, com leitores envenenados até a medula pelo facciosismo da mídia, sabe que, por lá, imperam os leitores mais cheios de ódio ao Governo, ao PT, à esquerda em geral e a qualquer coisa que, mesmo de longe, lembre reclamos por justiça social.

     

    Kim Kataguri conseguiu a proeza dificílima de ser criticado e ridicularizado por uns 80% destes comentaristas.

     

    E, se não foi por “antiguidade”, certamente foi por “merecimento”.

     

    Não se tira uma ideia original da entrevista, nem mesmo um momento em que se perceba os sentimentos libertários, utópicos, generosos que marcam – felizmente! – a juventude.

     

    De original, mesmo, só a defesa de Eduardo Cunha. Para ele, “não tem uma prova que diga que Eduardo Cunha é corrupto. Ele não foi julgado e condenado”.

     

    Certo, mas para Dilma, Lula, etc, não precisa ter. Já são corruptos e pronto.

     

    Figuras assim, aparecem e somem de acordo com quem a mídia convém promover.

     

    Não acho que um jovem, aos 19 anos, seja incapaz para ter ideias e ação política. Eu tive, não poderia achar o contrário.

     

    Mas é patético dizer que, se não fosse criança na época (na época?) poderia ter pedido a saída de Lula e de FHC.

     

    Coisas de criança mal educada são mesmo estas de “quebrar tudo”, inclusive o voto popular.

     

    A questão essencial é o “se achar” , dizendo que o que o diferencia é  que “a gente tem pautas propositivas. A gente apresenta soluções.

     

    Fui ver quais, no manifesto do MBL.

     

    “Imprensa Livre, Liberdade Econômica, Separação de Poderes, Eleições Livres e Idôneas, e Fim dos Subsídios Direitos (sic) e Indiretos a Ditaduras.”

     

    Pauta propositiva? Soluções? Francamente…

     

    Só se for a frase “somos sociais”, seja lá o que isso queira dizer.

     

    Kimzinho, como tudo o que é vazio, quando mais fala menos se acredita no que ele diz.

     

  2. Solicitação

    Está muito ruim ter-se que acessar as postagens do dia e da semana, sem a lista por títulos.

    Tudo se torna pior no final do dia, quando já há diversas postagens e não se sabe onde estariam as já lidas etc. etc.

    Quando quem postou não possui blog isso se intensifica ainda mais.

    Quem tem pouco tempo, ao final do dia, deixa de ler até o que gostaria de ter lido; e quem tem mais tempo durante o dia para fazer comentários e acompanhar o blog então se perde totalmente.

    Repensem, por favor, esse aspecto.

    Creio que seja um pedido não apenas meu.

    Saudações a Lourdes e equipe.

    • Corroboro e reitero

      Lourdes e Equipe GGN,

      para os visitantes eventuais, o impacto é desprezível.  Para os membros cadastrados, que comentam, retornam aos posts em busca de referências, verificam se os assuntos a postar já o foram, evitando repetições, etc., a ausência do log com as postagens do dia e mais recentes faz enorme diferença.

      Outros membros cadastrados já manifestaram anteriormente este desconforto. Passado algum tempo da modificação, percebe-se que não é somente uma questão de adaptação do usuário, mas de necessidade da funcionalidade que facilita a navegação e a manifestação dos usuais frequentadores.

      Creio que uma avaliação quanto à pertinência do pedido caiba aqui.

      Obrigada pela atenção. Tenham todos uma boa semana!

      • Odonir e Anna

        O Luciano Hortencio já havia alertado para esta dificuldade.

        Já enviei ao Luis e ao pessoal de TI, para ver se voltamos ao que era.

        abs e obrigada pelas dicas!

         

  3. Dinheiro da partilha do pré-sal começa a entrar em 2016

     

     

    Para os “urubus”, que torcem para o preço do petróleo continuar artificialmente deprimido para criar um menosprezo nacional  pela riqueza do pré-sal, uma má notícia hoje, no Estadão.

    Em 2016, começam a entrar os recursos do petróleo para o Fundo que vai investir em educação, saúde, tecnologia e meio ambiente.

    Será menos que o que seria com o petróleo a preço alto, mas com o volume de produção dos poços do pré-sal – quase todos eles extraindo altos volumes, o que elimina “descontos” sobre o percentual de partilha – não haverá redução na parte embolsada pela União.

    Leia a matéria de hoje do Estadão:

    A produção de petróleo e gás natural no pré­-sal vai começar a engordar o caixa da União a partir do ano que vem. Em 2016, a Pré­Sal Petróleo S/A (PPSA) inicia a venda da parcela de petróleo que cabe ao governo, como previsto no contrato de partilha firmado em todos os blocos localizados no polígono do pré­-sal, uma área localizada no litoral entre o norte do Espírito Santo e o sul de Santa Catarina.

     

    Para assumir sua nova atribuição, a PPSA está montando um departamento de comercialização, que deve estar pronto até o fim deste ano.

    O comércio de petróleo pela União a partir de 2016 será um ensaio para o “boom” projetado para acontecer de fato a partir de 2026 e durar até 2030, quando o campo de Libra, na Bacia de Santos, alcançar o pico de produção. O esperado, segundo o diretor de Gestão de Contratos da PPSA, Renato Darros, é que, na próxima década, apenas a fatia do governo no pré-­sal chegue a um
    intervalo de 300 mil a 700 mil barris diários.

    “Isso é muito dinheiro, a depender do preço do petróleo. O grosso vem com Libra e com os excedentes da cessão onerosa (reserva concedida à Petrobrás pela União, em regime de partilha)”, afirmou Darros.

     

    Se alcançado o volume máximo, a PPSA vai ganhar musculatura equivalente à da Petrobrás atualmente. A petroleira estatal produziu 798 mil barris diários de petróleo no pré-­sal na média do mês de julho. O volume que será repassado à União a partir do ano que vem corresponde ao que na Lei da Partilha (12.351/2010) está classificado como “excedente em óleo”, a diferença entre os ganhos com produção e custos, repartida entre os sócios ­ entre eles, o governo federal. O pagamento funciona como uma compensação pela autorização dada às companhias petroleiras para produzir nas reservas do polígono do pré-­sal.

    Continue lendo no Estadão.

     

    http://tijolaco.com.br/blog/dinheiro-da-partilha-do-pre-sal-comeca-a-entrar-em-2016/

     

  4. Síria

     

    A Síria e Putin

    Hoje, 28 de setembro, teremos um dia interessante. O discurso de Vladimir Putin na Assembléia Geral da ONU vai desvelar muito do que está ocorrendo no Oriente Médio. Principalmente nas últimas semanas.

    Acontecimentos noticiados apenas por veículos da região, como os sites Debka e Al Masdar, e também pela mídia alternativa, podem se tornar manchetes da imprensa corporativa. Muito discreta quando as notícias não são favoráveis aos interesses ocidentais.

    A partir de agosto os EUA começaram a admitir os seus mal feitos na Síria. Obrigado pela nova realidade. Dizer publicamente que fracassou o seu plano para infiltrar moderados, que lutariam para depor o presidente Assad, foi a confissão pública do seu envolvimento com os grupos terroristas. Como é possível acreditar que durante um longo período todos os seus pupilos desembarcados no país imediatamente aderiam a uma das várias facções ligadas a Al Qaeda ou ao ISIS e eles desconheciam? No último balanço oficial o Pentágono declarou ter conhecimento e controle sobre 5 elementos. E os demais? Apenas após a regulamentação do programa americano foram gastos US$ 500 milhões, em menos de um ano.

    Além das páginas dos jornais ocidentais onde mais existe o tal Exército Livre da Síria? No terreno temos apenas várias franquias do terrorismo takfir. Mesmo sob nomes diferentes são aliados que trocam informações e equipamentos entre si. Todos abastecidos e financiados pelos turcos, sauditas e outras monarquias árabes, além dos EUA. Mesmo assim os meios de comunicação americanos e europeus continuam a declarar a sua existência. Um suporte midiático para legitimarem algum títere na presidência do país, desde que aceito pelos senhores da guerra que comandarão um país fragmentado. Como é a Líbia hoje.

    aliança formada por Rússia, Irã e Iraque em apoio ao regime sírio (com a presença do Hezbollah) e combate aos terroristas é um fato. A desobediência do governo de Bagdad às ordens americanas é um revés difícil de ser assimilado por Washington. Nos últimos dias, antes que ela se tornasse pública, John Kerry, secretário de Estado dos EUA, e Federica Mogherini, representante da União Européia para política externa, tentaram impedir a sua concretização. O alvo foi o ministro do exterior iraniano Javad Zarif. O acordo nuclear ainda não ratificado pelo Congresso americano. 

    A possível adesão oficial da China ao grupo liderado até o momento pela Rússia pressionará ainda mais os americanos e europeus. Mudando definitivamente o equilíbrio de forças no Oriente Médio. Deixando à OTAN apenas a possibilidade de impedir a sua atuação por meios militares. Uma guerra improvável, tendo em vista que muitos governos da Europa já estão revisando o posicionamento sobre a necessidade de deposição de Bashar Al Assad como condição inicial para qualquer negociação sobre a guerra civil síria.

    Uma coalização internacional, incluindo o atual governo sírio e o partido Baath, para lutar contra o terrorismo na Síria, pode estar próxima de ser concretizada, principalmente pelo receptividade que terá na opinião pública européia, temerosa do afluxo cada vez maior dos refugiados do conflito. Principalmente se existir o risco da guerra se expandir para outros países. 

  5. OLHA QUEM VOLTA! A PBM-2015!

    do blog Coleguinhas, uni-vos!

    Ahá!!! Aposto que você pensou que eu tinha esquecido da Pesquisa Brasileira de Mídia (PBM) da Secom de 2015, hein? Tolinho/a…Eu vou lá esquecer uma boa numeralha? É ruim! Então, vamos a mais uma rodada, dessa vez sobre o índice de confiança nos meios tradicionais, por faixa etária (semana que vem, falo da internet), começando pela TV.
    A TV ostenta um índice razoável de confiança (uma indústria que vende credibilidade e não sabão em pó obter menos de 90% de confiança não pode nunca ser considerado bom resultado neste campo), com 54% de média geral, com quase zero de oscilação entre as faixas etárias. Não deixa de ser uma boa notícia para o meio, pois não?

     
    Notícia boa mesmo, em termos de confiança, porém, a PBM-2015 trouxe para os jornais (aleluia!): é o meio com maior confiança entre os quatro, com 58% na média geral e, como a TV, com pouca oscilação entre as faixas.

    Se há notícias boas para a TV e jornal na PBM no que se refere à confiança, não se pode dizer o mesmo para as revistas. É o único meio que tem abaixo de 50% de confiança (44% para ser exato), e ainda por cima com muita oscilação entre as faixas etárias, com maior credibilidade entre a faixa de 16 a 25 e 56-65 e muito baixa (39%) na que compreende 46 a 55 anos. Essa baixa estima que o público apresenta pelo meio pode ser efeito da posição editorial da Veja, já que a revista dos Civita é tão dominante no segmento das semanais que pode estar influindo no desempenho geral, bem como as revistas de celebridades, que são mais divertimento que informação mesmo. Seria legal as próximas pesquisas dividirem os veículos do meio, que é cheio de nichos.

     

    O rádio é o meio em que aparece mais claramente o componente geracional no índice de confiança – há uma diferença de 7 pontos percentuais entre a faixa de 16 a 25 anos e a que se situa acima de 65, o que não é nada bom para o futuro do meio como veículo jornalístico.

     

    Não seja egoísta! Compartilhe!

    https://coleguinhas.wordpress.com/2015/09/27/olha-quem-volta-a-pbm-2015/

     

  6. sGlobo e Cacique Cobra Coral

    Globo consultou Fundação Cobra Coral,segundo repórte do Fantástico, que garantiu que não teria chuva no Rock in  Rio.Será que a Globo Consulta essa Fundação para outras previsões tipo: “Tempestade Perfeita”

  7. Bil Gates pede desculpas à Presidente Dilma

     

                                                    “Bil Gates nega processo contra Petrobras.

    O fundador da Microsoft, Bill Gates, pediu desculpas à presidente Dilma Rousseff pelo “constrangimento” causado ao governo brasileiro com os boatos de que a Fundação Bill & 

    Melinda Gates processara a Petrobras.
    A informação –desmentida por Gates– foi distribuída no Brasil por agências de notícias e publicada por vários veículos, entre eles a Folha.
    O processo foi também noticiado por veículos internacionais, como as redes de televisão CNN, dos Estados Unidos, e BBC, do Reino Unido.
    A fundação divulgou nota em sua página oficial para dizer que a ação judicial não foi movida pela empresa: “Ao contrário do que alguns veículos de comunicação reportaram, a Gates Foundation não está processando a Petrobras. A ação judicial se refere a investimentos feitos por um gerente externo que investe em favor de terceiros, que inclui ativos que mantêm as atividades da fundação. O gerente externo e os ativos são completamente separados da Gates Foundation”. 

    Fonte: Conversa Afiada

  8. Lava Jato
     A Globo que não conseguiu privatizar a Petrobrás no governo de FHC agora tenta com a Lava Jato

                                                                    

     

    A Globo, aliada ao governo de FHC, tentou privatizar a Petrobrás. Em campanha maciça na mídia comparou a Petrobrás a um paquiderme e chamou os petroleiros de marajás. Os ataques à empresa e à categoria foram tão violentos que os trabalhadores fizeram passeata até à porta da emissora para protestar.

    A resposta da empresa e da categoria veio em 2006 com a descoberta do pré-sal. Além de abastecer o país há 62 anos de combustíveis, ininterruptamente; a Petrobrás, com os impostos que paga, responde por 80% das obras no país. E o Brasil é o segundo parque de obras do mundo, só perdendo para a China. Sendo a Petrobrás é responsável por milhões de empregos diretos e indiretos.

    O pré-sal já produz sozinho hum milhão de barris de petróleo por dia, o suficiente para abastecer todos os países do Mercosul juntos. E a descoberta do pré-sal garante o nosso abastecimento nos próximos 50 anos no mínimo.

    Se, no mundo, a disputa do petróleo se faz através de guerras e derrubadas de governo; aqui, Globo, PSDB e a Lava Jato fazem o jogo sujo de tentar manchar a imagem da Petrobrás, para, mais uma vez, tentar privatizá-la. O Juiz Sérgio Moro por “coincidência” recebeu o titulo de personalidade do ano da Globo e segundo muitos juristas a operação faz uma investigação seletiva.

    A lava Jato produz notícias negativas que são, há mais de um ano e meio, divulgadas na mídia e principalmente na Globo. O senador tucano, José Serra, já  foi denunciado em 2009, quando candidato à presidência pelo Wikileaks, interceptando telegrama entre ele e a petroleira norte americana Chevron, cujo o teor era de entrega de nosso petróleo. Para nossa felicidade Serra perdeu as eleições!

    Incansável na sua sanha entreguista, Serra apresenta agora a PLS 131 no Senado, cujo o conteúdo é de favorecimento a petroleira estrangeiras em especial a Chevron.

    Os EUA que só têm petróleo para três anos, agora enquanto no pré-sal a Petrobrás faz nova descoberta de um mega campo, os americanos do norte abandonam a busca de petróleo no Alaska, não por questões ambientais, e sim por conta da ausência de petróleo.

    Para que você que não acredita nessa trama da entrega do nosso petróleo, pergunta que não quer calar? Quem é o juiz, os delegados e os procuradores que compõem a força tarefa que comanda os escândalos conhecido com Zelotes, Swissleaks por exemplo? Esses escândalos são infinitamente em valores maiores que o Petrolão. Por que a falta de interesse em ouvir essas autoridades? O juiz Sérgio Moro e sua força tarefa, além de conhecidos, toda hora estão na mídia para falar mal da Petrobrás. A prioridade é o combate à corrupção ou destruir a imagem da Petrobrás? Essa turma não quer acabar com a corrupção no país, só quer entreegar a Petrobrás.

    Emanuel Cancella é coordenador do Sindicato dos Petroleiros do Estado do Rio de Janeiro (Sindipetro-RJ) e da Federação Nacional dos Petroleiros (FNP). 

    Rio de Janeiro, 30 de setembro de 2015 

    OBS.: Artigo enviado para possível publicação para o Globo, JB, o Dia, Folha, Estadão, Veja, Época entre outros órgãos de comunicação.

           

    http://emanuelcancella.blogspot.com.

     

     

                 

     

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome